<
>

O resumo dos playoffs de divisão da NFL: 'Rei Henry' derruba o MVP, insanidade em Kansas City e mais

Restam quatro!

A NFL teve seu segundo fim de semana de playoffs nos últimos sábado e domingo, eliminando quatro equipes e definindo as finais de conferência da liga.

Kansas City Chiefs e Tennessee Titans decidirão a AFC, ao passo que San Francisco 49ers e Green Bay Packers farão a final da NFC. Ambas partidas acontecem no próximo domingo, às 17h e 20h30 (de Brasília), na ESPN e no WatchESPN.

E se a rodada de Wild Card foi recheada de jogos decididos no fim, o Divisional reservou também algumas surpresas, como a eliminação do Baltimore Ravens e o louco primeiro tempo no Arrowhead Stadium.

Perdeu alguma coisa? O ESPN.com.br resume tudo para você do fim de semana de playoffs!

49ers não dão chance para o azar

Cabeça de chave número um da Conferência Nacional, o San Francisco 49ers estreou nos playoffs com o pé direito. A equipe começou com tudo no Levi’s Stadium, forçando o Minnesota Vikings a devolver a bola e marchando campo adentro para abrir 7 a 0 com um passe de Jimmy Garoppolo para Kendrick Bourne.

Os Vikings, que já haviam surpreendido o New Orleans Saints na última semana, responderam rápido com um longo passe de Kirk Cousins para Stefon Diggs na campanha seguinte. Mas o touchdown de 41 jardas, ainda com 5 minutos restantes no primeiro quarto, foi uma das poucas notícias positivas para o ataque visitante em todo o duelo.

A defesa dos 49ers começou a dominar o jogo, ao passo que seu ataque fez o dever de casa, abrindo 14 a 7 ainda no segundo quarto. Cousins não teve sossego, sofrendo seis sacks na partida. A pressão, que atrapalhou muito o lado ofensivo de Minnesota, pode ser exemplificada pela grande jogada de Arik Armstead.

O segundo tempo começou com os donos da casa marchando numa boa campanha ofensiva de nove jogadas, finalizada com field goal que deixou o placar em 17 a 10. Foi aí que Richard Sherman, um dos líderes da defesa dos 49ers, apareceu com uma interceptação marcante que deixou San Francisco na boa para abrir 24 a 10. Depois desse lance, foi só administrar o jogo, derrubar Cousins (várias vezes) e sair com a vitória final por 27 a 10.

'Rei Henry' derruba o MVP

A segunda partida do sábado não saiu como todos esperavam. Os Ravens, favoritos, foram interceptados logo em sua primeira posse de bola e viram uma desvantagem de sete pontos no placar. Na segunda campanha, arriscaram uma quarta descida para uma jarda e não conseguiram converter, perdendo a bola novamente. No lance seguinte, Tannehill foi decisivo.

Com uma desvantagem de 14 a 0 logo no início do segundo quarto, Baltimore tentou correr atrás do prejuízo, saiu do seu estilo de jogo terrestre e passou a lançar mais a bola. O ataque sofreu e marcou apenas dois field goals no primeiro tempo. Na segunda etapa, a história se repetiu: arrisca uma quarta descida para uma jarda na primeira campanha, não converte e vê uma jogada explosiva dos Titans na sequência.

Derrick Henry foi um monstro – assim como já havia acontecido diante dos Patriots –, correndo com a bola 30 vezes para 195 jardas e um touchdown... passado. Exatamente: ele não entrou com a bola na end zone, mas surpreendeu o mundo numa “jogada-truque” que abriu 21 a 6 na metade do terceiro quarto.

Lamar Jackson, provável MVP da temporada, teve um jogo difícil. Conseguiu muitas jardas (365 passadas e 143 corridas), mas esteve fora do seu estilo: foram incríveis 59 passes tentados. Tanto tempo com a bola na mão causou três turnovers, sendo duas interceptações e um fumble. Fumble esse que permitiu a Tennessee abrir 28 a 6 no placar, vantagem que nem mesmo os dribles do quarterback puderam reverter. Placar final: 28 a 12.

INSANIDADE em Kansas City

Difícil resumir uma partida que terminou 51 a 31. Se fosse necessário definir em uma palavra, seria a seguinte: insanidade. O domingo começou com os favoritos Chiefs levando 24 a 0 na cabeça no primeiro quarto. Depois de um erro da defesa e alguns passes derrubados no chão pelo ataque, um chute de devolução foi bloqueado e deu toda esperança a Houston.

Ainda no primeiro período, Tyreek Hill deixou um chute de devolução cair no chão e permitiu outro touchdown fácil aos Texans, que pareciam abrir uma gordura suficiente na pontuação para segurar o ataque dos Chiefs.

Ledo engano. Após a primeira pontuação dos donos da casa, o treinador Bill O’Brien tentou uma “jogada-truque”, fingindo um chute de devolução e arriscando uma corrida na quarta descida. Deu errado, e os Chiefs tiveram facilidade para diminuir a diferença para 10 pontos. Na campanha seguinte, outro touchdown – foram três de Kansas City em só 3 minutos e 24 segundos. E o placar estava 24 a 21 com seis minutos restantes no segundo quarto!

Os Chiefs tiveram sete (sim, sete) campanhas seguidas para touchdown. Antes mesmo do intervalo, já venciam por 28 a 24. No início do último período, quando a sequência terminou, o placar era de 48 a 31 para os donos da casa. E a comemoração foi boa! Placar final de 51 a 31.

Seguindo (D)avante

A última partida do fim de semana era de uma rivalidade recente na pós-temporada e com grande expectativa pelo confronto de quarterbacks: Russell Wilson contra Aaron Rodgers. E logo na primeira campanha, o dono da casa deu o cartão de visitas numa terceira descida.

Quem recebeu o passe foi Davante Adams, principal arma do ataque aéreo e que não foi parado pelos Seahawks. Ele teve 160 jardas e dois touchdowns. Na parte ofensiva terrestre, Aaron Jones não conseguiu o mesmo sucesso, mas foi fundamental finalizando duas campanhas de touchdown que abriram 21 a 3 no intervalo.

No segundo tempo, logo depois de Seattle diminuir a vantagem para 11 pontos, Rodgers voltou à carga com passe espetacular para Davante Adams colocar 28 a 10 no placar.

Russell Wilson, então, colocou o time nas costas e os Seahawks anotaram três touchdowns seguidos. Ele terminou a partida com 21 passes completos de 31 tentados e 277 jardas aéreas, além de outras 64 terrestres. O placar estava em 28 a 23 e a defesa de Seattle apareceu com uma grande jogada dos gêmeos Griffin.

Depois do sack, os Seahawks tiveram a chance que precisavam para completar uma virada histórica. Mas não aproveitaram, devolvendo a bola num chute após somente quatro jogadas e pedindo para a defesa conseguir para os Packers outra vez. Davante Adams, entretanto, não deixou, convertendo uma terceira descida fundamental.