<
>

NFL Playoffs: por que este fim de semana é considerado o melhor da temporada

O fã de NFL está em êxtase.

Chegou o que é considerado o melhor fim de semana da temporada: o Divisional Round, também chamado de semifinal de conferência. Neste sábado, às 18h30, o San Francisco 49ers recebe o Minnesota Vikings, com Baltimore Ravens x Tennessee Titans logo na sequência, ambos na tela da ESPN e do WatchESPN.

No domingo, a ação começa às 17h, com Kansas City Chiefs x Houston Texans, colado no duelo entre Green Bay Packers e Seattle Seahawks às 20h30, sempre na ESPN e no WatchESPN.

A rodada é tão esperada porque os melhores times da temporada finalmente jogam. No fim de semana anterior, o Wild Card, as quatro campanhas com mais vitórias da NFL estão de folga, e times inferiores se classificam.

Além disso, é o último fim de semana do ano com quatro jogos. A partir da semana seguinte, nas Finais de Conferência, são apenas duas partidas, ambas no domingo. Ou seja, o sábado de playoff acaba agora.

Por fim, o histórico do Divisional conta muito na memória dos torcedores, pois ele costuma trazer os jogos mais emocionantes e bem disputados do ano inteiro.

Pensando nisso, o ESPN.com.br separou um jogo histórico de cada franquia classificada para as semifinais de conferência em 2019 e te conta por que a emoção domina esse fim de semana!

San Francisco 49ers x Minnesota Vikings

Levi’s Stadium, sábado (11), 18h35 (de Brasília), na ESPN e WatchESPN

San Francisco: A recepção III (14 de janeiro de 2012)

No Divisional Round dos Playoffs da temporada de 2011, o San Francisco 49ers, cabeça de chave número dois, recebeu o New Orleans Saints, cabeça de chave número três. O jogaço ficou sempre equilibrado, com os donos da casa vencendo por 23 a 17 com 5 minutos restantes. E a loucura começou.

Com 4 minutos no relógio, Drew Brees achou um passe de 44 jardas para Darren Sproles e colocou seu time na liderança pela primeira vez (23 a 24). Na campanha seguinte, os 49ers recuperaram a liderança com uma corrida surpreendente do quarterback Alex Smith, a maior de sua carreira, para 28 jardas e o touchdown (29 a 24). Ficaram dois minutos no relógio.

Os Saints, na sequência, precisaram de menos de 30 segundos para responder. Drew Brees conectou com o gigante Jimmy Graham, que quebrou tackles dos defensores e marcou um TD de 66 jardas (29 a 32).

Com um 1min37s, os 49ers marcharam desde a linha de 15 jardas do seu próprio campo. Com apenas 9 segundos no relógio, Smith mandou um dardo para Vernon Davis, que segurou firme em meio aos defensores e virou – outra vez – o jogo (36 a 32).

Os 49ers voltaram à final de conferência, encerrando um jejum que durava desde 1997.

Minnesota: O Milagre de Minneapolis (14 de janeiro de 2018)

No Divisional Round dos Playoffs da temporada de 2017, o Minnesota Vikings, cabeça de chave número dois, recebeu o New Orleans Saints, cabeça de chave número quatro. A partida não teve muitas emoções nos primeiros três quartos, com os Vikings abrindo 17 pontos de vantagem e os Saints reduzindo para 17 a 7 já nos últimos minutos do terceiro período.

O quarto período, contudo, foi maluco.

Case Keenum foi interceptado e permitiu outro rápido touchdown dos Saints (17 a 14), respondendo rapidamente com um field goal (20 a 14).

Os visitantes bloquearam, então, um chute de devolução do adversário, facilitando um TD para virar o jogo com três minutos restantes (20 a 21). Os Vikings responderam com um chute (23 a 21) a um minuto e meio do fim, ao passo que os Saints marcharam de volta e anotaram outro field goal (23 a 24).

Os donos da casa, com 10 segundos no relógio, tinham a bola no seu campo de defesa. Só um milagre salvaria. E ele veio.

Passe de 27 jardas para Stefon Diggs, que ia em direção à lateral. O defensor Marcus Williams errou o tackle, derrubou seu próprio companheiro, e o jogador dos Vikings correu as 34 jardas restantes sem dificuldade para virar o jogo (29 a 24).

Baltimore Ravens x Tennessee Titans

M&T Bank Stadium, sábado (11), 22h15 (de Brasília), na ESPN e WatchESPN

Baltimore: O Milagre de Mile High (12 de janeiro de 2013)

No Divisional Round dos Playoffs da temporada de 2012, o Denver Broncos, cabeça de chave número um, recebeu o Baltimore Ravens, cabeça de chave número quatro. Os donos da casa tinham uma vantagem de sete pontos no último quarto (35 a 28) num jogaço cheio de pontuações.

Os visitantes perderam a bola com três minutos no relógio e sua defesa fez de tudo para conseguir a bola de volta, mas com apenas um minuto no relógio e nenhum tempo.

Da linha de 30 jardas do campo de defesa, o quarterback Joe Flacco mandou uma bomba para o alto, o defensor Tony Carter se complicou com a bola viajando e Jacoby Jones completou o milagre. Touchdown de 70 jardas e o empate (35 a 35).

A primeira prorrogação inteira acabou sem pontuações. Na segunda prorrogação, os Ravens conseguiram o chute da vitória (35 a 38) após interceptação de Peyton Manning.

Tennessee: A Terceira Chance (11 de janeiro de 2003)

No Divisional Round dos Playoffs da temporada de 2002, o Tennessee Titans, cabeça de chave número dois, recebeu Pittsburgh Steelers, cabeça de chave número três. O jogão foi cheio de viradas desde o início, com os donos da casa abrindo 14 a 0, sofrendo a virada e retomando a liderança em 28 a 20.

No último quarto, os visitantes conseguiram não só novo empate, como viraram a partida para 31 a 28 após interceptação. Os Titans responderam, empatando em 31 a 31.

Nos momentos finais, Tennessee teve a chance de matar o jogo com um field goal, mas Joe Nedney, o kicker, bateu para fora o chute de 48 jardas.

Na prorrogação, os Titans marcharam até a linha de 16 jardas dos Steelers, dando um chute fácil para seu kicker vencer o jogo em morte súbita. Ele acertou e o estádio começou a soltar fogos de artifício comemorando a vitória – só faltou combinar com o técnico adversário, que havia pedido tempo e anulado a jogada antes dela começar.

Minutos depois dos fogos cessarem, Nedney teve sua segunda tentativa – e errou. Mas Pittsburgh cometeu uma falta na jogada, e o chute teve que ser refeito. Na terceira chance, Nedney acertou e ganhou o jogo.

Kansas City Chiefs x Houston Texans

Arrowhead Stadium, domingo (12), 17h05 (de Brasília), na ESPN e WatchESPN

Chiefs: A Mágica de Montana (16 de janeiro de 1994)

No Divisional Round dos Playoffs da temporada de 1993, o Kansas City Chiefs, cabeça de chave número três, visitou o Houston Oilers (atual Titans), cabeça de chave número dois. A partida teve poucas emoções nos primeiros três quartos, com os donos da casa vencendo por 10 a 7.

No quarto período, a emoção apareceu, e foram 31 pontos somados.

Lenda viva e já quatro vezes campeão do Super Bowl, o quarterback Joe Montana comandou um último quarto de altas emoções. Começou com sua interceptação, que deixou o jogo em 13 a 7. Depois, ele lançou dois passes para touchdown, virando para 13 a 21. Os Oilers ainda diminuíram para 20 a 21 com três minutos restantes, mas Montana comandou a campanha que matou o jogo em 20 a 28.

Texans: O Jogo de T.J. Yates (15 de janeiro de 2012)

A franquia do Houston Texans, nascida em 2002, nunca venceu um jogo de divisional. Por isso, resta escolher uma derrota... Esta, nem tão emocionante, mas a mais apertada da história do jovem time na semifinal de conferência.

No Divisional Round dos Playoffs da temporada de 2011, o Baltimore Ravens, cabeça de chave número dois, recebeu o Houston Texans, cabeça de chave número três. Os visitantes, com o quarterback titular machucado, eram comandados pelo inexperiente T.J. Yates.

Os Ravens abriram 17 a 3 logo no primeiro quarto, mas os Texans diminuíram para 17 a 13 antes do intervalo.

No meio do último quarto, uma interceptação do reserva Yates deixou o jogo em 20 a 13. Ele respondeu, levando o time até o campo de ataque e dando uma esperança à torcida, mas... Quando arriscou um passe longo na end zone, foi interceptado pela lenda Ed Reed com menos de dois minutos no relógio.

Green Bay Packers x Seattle Seahawks

Lambeau Field, domingo (12), 20h40 (de Brasília), na ESPN e WatchESPN

Green Bay: De Rodgers para Cook (15 de janeiro 2017)

No Divisional Round dos Playoffs da temporada de 2016, o Dallas Cowboys, cabeça de chave número um, recebeu o Green Bay Packers, cabeça de chave número quatro. Os visitantes comandaram os primeiros três quartos, abrindo um 13 a 28 no placar.

Mas Dak Prescott se recuperou e com dois passes para touchdown, um para Dez Bryant e outro para Jason Witten, empatou tudo em 28 a 28 com menos de cinco minutos no relógio.

Em campanhas relâmpago, as duas equipes ainda trocaram field goals, deixando tudo igual em 31 a 31.

Da própria linha de 27 jardas e com 12 segundos no relógio, Aaron Rodgers fez mágica lançando contra o movimento do próprio corpo e achando Jared Cook a centímetros da linha lateral. O lance foi eleito a “Jogada do Ano” pela ESPN. O passe foi suficiente para estabelecer o chute da vitória por 31 a 34 com o cronômetro zerado.

Seattle: Derrubando Dan Marino (31 de dezembro de 1983)

No Divisional Round dos Playoffs da temporada de 1983, o Miami Dolphins, cabeça de chave número dois, recebeu o Seattle Seahawks, cabeça de chave número quatro. Os donos da casa, favoritos, tinham um quarterback calouro chamado Dan Marino, que quebraria todos os recordes da liga em sua carreira.

Apesar de ser azarão, Seattle chegou no último quarto vencendo por 13 a 14. E uma interceptação em Marino permitiu ampliar a vantagem para 13 a 17. Mas Dave Krieg, passador dos visitantes, também lançou um passe para o adversário, e os Dolphins viraram o jogo para 20 a 17 com menos de cinco minutos no relógio.

Os Seahawks não desanimaram e marcharam pelo campo de Miami, conseguindo virar para 20 a 24 com uma corrida de duas jardas de Curt Warner. Nos dois chutes de devolução seguintes, os Dolphins perderam a bola no retorno, e o placar final foi de 20 a 27 .