<
>

NFL: Le'Veon Bell explica saída dos Steelers, escolha pelos Jets e ainda dá conselhos a Antonio Brown

play
Você perdeu ou ganhou ao fazer greve nos Steelers? Le'Veon Bell: 'Eu venci' (0:24)

Confira a entrevista completa com o running back no WatchESPN (0:24)

Um dos grandes nomes do Pittsburgh Steelers nos últimos anos, Le'Veon Bell teve uma saída conturbada e polêmica da franquia.

Com 26 anos na época, o explosivo running back se viu em uma situação desconfortável, e ficou publicamente incomodado com seu contrato com os Steelers.

Badalado, Bell acabou acertando com o New York Jets, e abriu o jogo sobre os momentos que viveu na troca de time. A entrevista completa você confere no WatchESPN clicando AQUI. Assista a esse e muitos outros conteúdos de NFL no WatchESPN clicando AQUI.

ADEUS AOS STEELERS

Eu venci. Eu estou feliz. Eu tive a oportunidade de chegar na free agency, algo que eu queria muito. Eu consegui um contrato garantido, algo que eu queria. E eu consegui jogar por uma grande cidade e por uma grande organização, como eu queria. Com a greve, não é que eu faria algo diferente. As pessoas falam que perdi 14 milhões de dólares. Eu não perdi. Não era meu. Eu não assinei o contrato. Então, todas as pancadas que eu levaria pelo 14 milhões, e que poderia me prejudicar na busca por um contrato real e uma extensão... Algo de longo prazo. Eu não queria arriscar com isso.

"Eu venci. Eu estou feliz." - Le'Veon Bell Sobre sua saída dos Steelers.

Você ficou perto de retornar em algum momento?

Sim. Foi uma das decisões mais difíceis da minha vida. Pelo fato de eu estar jogando futebol desde que eu tinha quatro ou cinco anos até o fim de todos os anos até os meus 25. Quando você chega aos 26 anos, e você fica fora por uma temporada, você pensa: "O que eu vou fazer agora"? Foram os sete meses mais difíceis da minha vida por não jogar futebol. Eu estava vendo como um fã. E eu aprendi muito só de assistir aos jogos e ficando de fato fora, porque eu tive mais tempo para realmente ver os jogadores e ver no que eles eram bons, ver no que eles eram ruins e tentar colocar isso no meu jogo.

Quando você pensa nos Steelers agora, como você se sente?

Eu não tenho ressentimentos. Eles estavam tomando uma decisão de negócios. E eu também. No fim de tudo, não há mágoa em relação à organização. Eu ainda falo com vários jogadores, como o James Conner, que é um dos meus amigos mais próximos. Eu falo com ele todos os dias. Apenas não funcionou. Foi uma relação que não funcionou. Funcionou por um certo tempo, então nós nos separamos. Eles estão felizes onde estão e eu estou feliz onde eu estou.


RELAÇÃO COM ANTONIO BROWN

Às vezes é difícil de superar quando várias coisas negativas acontecem, ou quando as pessoas estão falando várias coisas negativas sobre você. É um efeito de bola de neve. Mesmo quando aconteceu comigo, quando eu tive a minha suspensão e coisas assim... Eu não quero nunca me decepcionar comigo. Espero que Antonio faça o mesmo.

Se eu precisasse dar um conselho a ele, eu diria isso. Se você conhece AB pessoalmente, você sabe que ele é uma boa pessoa. Ele não está tentando realmente machucar ninguém. Ele talvez queira algo que ele precise conseguir. Mas ele pode fazer isso de uma maneira diferente do que outras pessoas fariam. Mas é o que é.


RETORNO AOS GRAMADOS

Domingo de manhã foi meio estranho porque foi muito difícil dormir no sábado à noite. Eu fui dormir por volta da meia-noite. E eu acordei por volta das quatro da manhã. Quando eu estava aquecendo me senti como um calouro novamente, mas um veterano ao mesmo tempo, se isso faz sentido.

O técnico (Adam) Gase disse que eu pegaria a primeira bola, então eu pude tirar da frente. Então, quando eu peguei a bola, e fui atingido, pareceu que naquele instante tudo voltou ao normal. Oh, eu estou de volta. Parecia normal novamente. Eu não me senti enferrujado. Acho que, quando o tempo passar, eu vou olhar para trás e talvez na semana oito eu vá olhar para a semana um e, talvez, eu pense que eu estava um pouco enferrujado. Mas eu não me senti enferrujado. Eu me senti bem, me senti como o futebol americano.