<
>

Na NFL, foi a segurada - e não a interferência no passe - a falta que causou na semana 1

As faltas podem fazer uma grande diferença na NFL – o torcedor do New Orleans Saints que o diga. Nos playoffs da última temporada, a equipe de Drew Brees foi eliminada graças a uma interferência de passe não marcada nos momentos decisivos da Final da NFC.

O fato, inclusive, causou uma mudança de regra muito discutida na intertemporada: a partir de 2019, tais faltas serão as únicas passíveis de desafio dos técnicos e revisão em vídeo. Mas essa não foi a única alteração na arbitragem para a nova temporada... Aliás, houve uma em específico que teve muito mais impacto na semana 1.

Trata-se da segurada ofensiva – ou o ‘holding’, como os americanos dizem.

No final de julho, a NFL informou as franquias que as faltas de segurada seriam “mais estritamente aplicadas nesta temporada, particularmente no lado oposto de uma corrida ou na linha de scrimmage”, dizia um comunicado da liga.

Dito e feito. Enquanto as interferências ganham as manchetes, o holding – que mata campanhas ofensivas com muita facilidade – silenciosamente cresceu.

Na primeira semana de 2019, foram 64 seguradas ofensivas marcadas, número muito superior aos anos anteriores. Na semana 1 de 2018, foram 53, contra apenas 46 em 2017 e 44 em 2016.

Ao se olhar a temporada inteira, o número também impressiona. Em 2018, 2016 e 2015, a média por semana foi de aproximadamente 41 seguradas, ao passo que em 2017 ela caiu para 39.

Conhece o bloqueio da lagosta?

Conforme noticiou em julho o repórter Kevin Seifert, da ESPN, o árbitro Adrian Hill visitou os treinamentos do Chicago Bears para explicar a nova forma de aplicar a segurada.

O juiz disse que a NFL estava tentando eliminar uma técnica chamada de “bloqueio da lagosta”, ou “lobster block”, na qual o atleta de linha ofensiva segura o defensor pelo torso ou ombros para impedir que ele chegue na jogada correndo pelo lado oposto, chamado de ‘backside’.

O termo, inclusive, causou polêmica.

Membros da mídia americana com passagem pela liga nunca tinham ouvido falar na técnica. Ross Tucker, ex-jogador de linha ofensiva e atualmente comentarista, é um deles. “Tive nove técnicos de linha ofensiva diferentes na NFL e nunca ouvi falar sobre ‘bloqueio da lagosta”, declarou.

Geoff Schwartz, outro ex-jogador de linha e atual comentarista, decifrou o mistério.

“Bloqueio da lagosta é um ‘sling shot’ superpreguiçoso no qual você segura o adversário em vez de tentar o ‘sling shot’. É uma segurada. Não tenho nenhuma ideia do porquê chamaram de bloqueio da lagosta”, escreveu ele em suas redes sociais.

O ‘sling shot’ é uma técnica permitida na qual o atleta da linha coloca o braço no torso do adversário, finge segurá-lo, mas o deixa passar para bloqueá-lo do lado oposto onde a jogada terrestre está se desenvolvendo.

Complexidade à parte, as seguradas estão crescendo nesta temporada – e prometem irritar muitos torcedores.