<
>

Trump quer mudar regra e liberar atletas de academias militares para o esporte profissional

O presidente norte-americano, Donald Trump, pediu para o Secretário de Defesa interino, Mark Esper, para desenvolver uma nova política a fim de permitir que atletas que servem as academias militares possam ir para o esporte profissional assim que se formem.

A atual política do Pentágono, instituída em 2017, permite que os atletas tenham uma liberação após cumprir dois anos de ação em serviço militar. Anteriormente, os atletas poderiam conseguir uma liberação imediata, completando suas obrigações na reserva enquanto atuavam em ligas profissionais.

A argumentação do Pentágono para mudar as regras foi de que era preciso garantir que as forças armadas estariam preparadas. Agora, Esper, que não foi confirmado como dono do cargo pelo Senado, terá 120 dias para apresentar uma nova proposta.

“Uma vez implementada, a política presidencial capacitará nossas academias a competir ainda mais em atividades esportivas com outras faculdades e universidades, beneficiando os atletas-estudantes e as Forças Armadas. O Presidente quer que nossos militares sejam fortes em todos os aspectos, incluindo nos esportes”, afirmou a secretárioa de imprensa Sarah Sanders.

Um exemplo de militar nas grandes ligas é Joe Cardona, long-snapper do New England Patriots, da NFL, que estudou na Marinha. Em 2018, um dos assuntos antes do Super Bowl LII era o risco que tinha de sair de Minneapolis direto para a Coréia do Sul, para ficar a postos para um então risco de confronto com a Coréia do Norte.