<
>

NFL: Russell Wilson, Herschel Walker e as histórias por trás das maiores trocas da liga

Relembre as maiores trocas feitas na história da NFL desde a ida de Herschel Walker para os Vikings


Sem a troca envolvendo o running back Herschel Walker e o Minnesota Vikings em 1989, a seca de Super Bowl do Dallas Cowboys poderia estar em sua quinta década, quem sabe?

Em vez disso, está há 26 anos e contando, porque o negócio por Walker impulsionou os Cowboys de 1-15 na primeira temporada do treinador Jimmy Johnson para um Super Bowl em 1992, que foi acompanhado pelos títulos em 1993 e 1995.

O Seattle Seahawks espera que a troca do quarterback Russell Wilson para o Denver Broncos possa ser sua versão da troca de Walker. Seattle recebeu as primeiras escolhas do draft em 2022 e 2023, as segundas em 2022 e 2023 e uma escolha de quinta rodada em 2022, além do quarterback Drew Lock, o tight end Noah Fant e o defensive lineman Shelby Harris por Wilson e uma quarta escolha em 2022.

*Conteúdo patrocinado por Claro, Mitsubishi Motors, Samsung Galaxy, C6BANK e Magalu

Quando os Cowboys deram Walker, eles sabiam que estavam abrindo mão de seu melhor jogador e ao mesmo tempo compreendiam que precisavam se reconstruir. Depois de ganhar um Super Bowl e chegar a outro com Wilson, Seattle pode não acreditar que está em modo de reconstrução, mas eles terão uma chance de se recuperar rapidamente - desde que eles acertem nas escolhas de draft com tanto sucesso como Dallas fez.

Com a ida de Walker para Minnesota e a negociação de Wilson para Denver como pano de fundo, os repórteres da NFL Nation analisaram as principais trocas em termos de total de jogadores e escolhas de draft envolvidas desde o acordo com Walker em 1989.

12 de outubro de 1989: Cowboys-Vikings fazem o maior negócio da história

Escolhas de draft e jogadores trocados: 18

Cowboys recebeu: LB Jesse Solomon, LB David Howard, CB Issiac Holt, RB Darrin Nelson e DE Alex Stewart; primeira (nº 21) em 1990, segunda e sexta escolha; primeira escolha (11) no segundo round em 1991; e primeira (13), segunda e terceira escolhas em 1992.

Vikings recebeu: RB Herschel Walker; escolhas na terceira, quinta e décima rodada em 1990; e escolha na terceira rodada em 1991. Depois que o RB Darrin Nelson se recusou a se apresentar em Dallas, os Cowboys o trocaram para San Diego, e Minnesota, em 1990, pegou a escolha da quinta rodada dos Chargers.

Como foi para os Cowboys?

Brilhantemente. O treinador Jimmy Johnson não tinha a intenção de manter Solomon, Howard, Holt ou Stewart, então ele sabia que teria uma infinidade de escolhas nas próximas três temporadas para reconstruir a o elenco. Através de alguns outros acordos, os Cowboys usaram essas ferramentas para adquirir o running back Emmitt Smith, o defensive tackle Russell Maryland, o defensive back Darren Woodson e os cornerbacks Kevin Smith e Clayton Holmes. Com o grande receiver Michael Irvin e o quarterback Troy Aikman já no time, os Cowboys tiveram seu trio com Smith, que se tornou o maior corredor de todos os tempos da NFL. Woodson se tornou o líder do time em tackles e deveria estar no Pro Football Hall of Fame. Maryland e Smith eram membros valiosos para uma defesa que permanece subestimada. Como resultado, os Cowboys se tornaram o primeiro time na história da NFL a ganhar três Super Bowls em um período de quatro anos. - Todd Archer

Como foi para os Vikings?

A troca foi a pior de um jogador na história da equipe, provando que ninguém - especialmente um não-quarterback - poderia possivelmente proporcionar um retorno adequado para os termos deste acordo. Walker começou com tudo, correndo para 148 jardas em seu primeiro jogo contra os Packers, e ajudou os Vikings a vencer a NFC Central em 1989. Mas eles perderam sua partida de estreia nos playoffs e depois não chegaram à pós-temporada nas duas temporadas seguintes. No total, ele correu para 2.264 jardas e 20 touchdowns em 42 jogos e deixou o time livre no mercado em 1992. - Kevin Seifert


8 de março de 2022: Seahawks negociam Russell Wilson com os Broncos

Escolhas de draft e jogadores trocados: 10

Broncos recebeu: QB Russell Wilson e uma escolha de quarta rodada em 2022

Seahawks recebeu: QB Drew Lock, TE Noah Fant, e DL Shelby Harris; escolhas na primeira (nº 9), segunda e quinta rodadas em 2022; e escolhas na primeira e segunda rodadas em 2023

Como foi para os Broncos?

Os Broncos entregaram o tipo de capital de projeto que exige um acerto, porque pessoas serão demitidas se isso não acontecer. Mas se você vai apostar todas as fichas, você o faz por um quarterback consolidado com bons anos pela frente. Wilson tem 33 anos, não terá 34 até novembro, ainda no ponto ideal para os quarterbacks. Ele tem dois anos restantes em seu contrato que os Broncos podem facilmente absorver. Eles têm muito espaço de manobra para trabalhar no mercado, bem como uma extensão contratual inevitável com seu novo quarterback. Wilson vence jogos (104-53-1 em sua carreira), entrega em momentos importantes e não lança interceptações - ele nunca lançou mais de 13 em uma temporada em sua carreira e lançou menos de 10 em uma temporada seis vezes. Ele leva muitos sacks, e isso é sempre motivo de preocupação para lesões, mas parte disso está no radar dos Broncos com o que eles fazem na linha ofensiva. - Jeff Legwold

Como foi para os Seahawks?

As escolhas de primeiro e segundo round do draft em cada um dos dois próximos drafts mais um par de titulares com Fant e Harris não é um mau negócio para o Seattle. Mas qualquer negócio com Wilson no fim das contas será sempre julgado pelo quão bem isso posicionou os Seahawks a encontrar um substituto viável, e este negócio por si só não apresenta um caminho seguro. Ter a escolha 9ª escolha no geral e capital suficiente para subir se necessário daria aos Seahawks uma chance de conseguir um bom draft por um quarterback, mas o de 2022 não é um deles. Lock tem um lado positivo, mas não há como suas três primeiras temporadas serem fortes o suficiente para convencer alguém em Seattle de que ele é a resposta de longo prazo. Na melhor das hipóteses, os Seahawks recebem uma nota incompleta por enquanto. - Brady Henderson

31 de agosto de 2019: Dolphins negociam Laremy Tunsil com os Texans

Escolhas de draft e jogadores trocados: Nove

Dolphins recebeu: OT Julie'n Davenport e CB Johnson Bademosi; uma escolha de primeira rodada em 2020 (26); escolha de primeira (3) e segunda rodadas em 2021.

Texans recebeu: OT Laremy Tunsil e WR Kenny Stills; uma escolha de quarta rodada em 2020; uma escolha de sexta rodada em 2021

Como foi para os Dolphins?

Foi o negócio que desencadeou a reconstrução completa dos Dolphins. Eles terminaram com três escolhas de primeira rodada no draft de 2020 após esta troca e outra envolvendo Minkah Fitzpatrick. O grau de eficiência com que Miami usou essas escolhas é questão de opinião. Mas a pior decisão da equipe foi enviar sua escolha da primeira rodada de 2020 de Houston para os Packers - descendo no processo - para levar o cornerback Noah Igbinoghene em vez do RB Jonathan Taylor. A primeira escolha de Houston em 2021 acabou sendo a terceira escolha geral, que Miami negociou com os 49ers em troca de três escolhas de primeira rodada, antes de se desfazer de uma delas para negociar de volta até a sexta geral e escolher o receiver Jaylen Waddle. Ele e Jevon Holland da segunda rodada de 2021 aparentaram ser jogadores de franquia na última temporada. - Marcel Louis-Jacques

Como foi para os Texans?

Não muito bem. Este foi um grande negócio - e preencheu uma grande necessidade para os Texans. Em retrospectiva, Houston não estava bem. Enquanto a primeira escolha em 2020 foi a nº 26, a de 2021 foi a nº 3 no geral, depois que os Texans tiveram campanha de 4-12. Miami transformou essa escolha em ainda mais capital de draft ao negociá-la com o San Francisco 49ers. Uma prorrogação do contrato não foi negociada na época do negócio, e Houston acabou dando à Tunsil um contrato de três anos, no valor de 66 milhões de dólares (R$ 275 milhões de reais na época), com garantia de 40 milhões de dólares (R$ 167 milhões na época) na assinatura em 2020. Agora, Tunsil pode ser negociado pelos Texans nesta offseason, já que a equipe está em reconstrução. - Sarah Barshop


14 de abril de 2016: Rams adquirem a escolha nº 1 dos Titans

Escolhas de draft e jogadores trocados: Nove

Titans recebidos: Escolhas na primeira (nº 15), segunda (duas vezes) e terceira rodadas em 2016; escolhas na primeira (nº 5) e terceira rodadas em 2017

Rams recebeu: Escolhas na primeira (nº 1), quarta e sexta rodadas em 2016

Como foi para os Titans?

Os Titans iniciaram um período de seis temporadas consecutivas de playoffs, impulsionados por jogadores que eles escolheram com a transferência de escolhas de draft. O grande prêmio foi a escolha de Derrick Henry no segundo round em 2016, sem dúvida o melhor running back da liga. Henry é o único jogador remanescente daquele conjunto de escolhas. Mas ele é o catalisador do ataque deles. Os Titans usaram outras escolhas para selecionar o right tackle Jack Conklin, o wide receiver Corey Davis e o tight end Jonnu Smith. Apesar de perderem Conklin, Davis e Smith livres no mercado, eles foram os principais colaboradores para a elevação de Tennessee a um competidor constante nos playoffs. - Turron Davenport

Como foi para os Rams?

Agora, tudo parece bem, com os Rams prontos para receberem seus anéis de campeões do Super Bowl. Eles usaram a primeira escolha geral no quarterback Jared Goff, que, afinal, não valia o preço. Mas os Rams descobriram isso com o tempo e o transferiram para os Lions no ano passado pelo quarterback veterano Matthew Stafford, uma peça chave nos playoffs da última temporada. Embora as cinco temporadas de Goff com os Rams não justifiquem este investimento, eles ainda encontraram uma maneira de conseguir o prêmio final do negócio. - Adam Teicher


17 de abril de 1999: Os Saints dão all-in por Ricky Williams

Escolha de Draft e jogadores trocados: Nove

Saints recebeu: Escolha de primeira rodada (5) em 1999 utilizada no RB Ricky Williams

Washington recebeu: escolhas na primeira (12), terceira, quarta, quinta, sexta e sétima rodadas em 1999; escolhas na primeira (2) e terceira rodadas em 2000

Como foi para os Saints?

Nada bom, considerando que continua a ser um dos negócios mais ridicularizados da história do esporte quase 25 anos depois. O treinador Mike Ditka e o GM Bill Kuharich foram demitidos depois que New Orleans tiveram 3 vitórias e 13 derrotas na temporada de novato de Williams. No entanto, vale a pena ressaltar que Williams não foi um fracasso. O único problema com o acordo foi o quanto os Saints pagaram. Williams correu para 1.000 jardas em apenas 10 jogos em 2000, enquanto os Saints ganharam seu primeiro jogo de playoff na história da franquia. Depois, ele somou 1.756 jardas de scrimmage em 2001, antes de ser trocado para os Dolphins por duas escolhas de primeira rodada. - Mike Triplett

Como foi para o Washington?

Muito bem. Washington usou o capital adquirido para voltar ao top 10, passando da 12º para a 7ª escolha e selecionando o cornerback Champ Bailey. Ele iniciou uma carreira de Hall da Fama, embora tenha passado apenas cinco temporadas com Washington. A organização trocou duas escolhas de quinta rodada - uma dos Saints - para subir à segunda rodada e selecionar o right tackle Jon Jansen, que foi muito importante na década seguinte. E como os Saints ficaram 3-13, Washington acabou com a segunda escolha geral em 2000 e draftou o linebacker LaVar Arrington. Apesar deste esforço, Washington só chegou aos playoffs em 1999 e não voltou até 2005. - John Keim