<
>

NBA Playoffs: quem é Terance Mann, o jovem dos Clippers que tenta diminuir a falta de Kawhi Leonard

Quando uma lesão no joelho tirou Kawhi Leonard da série do Los Angeles Clippers contra o Utah Jazz nas semifinais de conferência dos playoffs da NBA, era difícil encontrar otimismo para a franquia que, em 51 anos de história, nunca havia chegado à decisão do Oeste.

E a resposta dos Clippers veio da forma mais inesperada possível: Terance Mann assumiu a titularidade - e o protagonismo - para acabar com a agonia em Los Angeles.

O ala-armador de 24 anos de idade só havia sido titular 16 vezes na carreira. Nenhuma delas nos playoffs. E depois de contribuir com 13 pontos na vitória no jogo 5, ele explodiu com 39 pontos na partida final da série que classificou os Clippers para as finais do Oeste.

Dos 15 arremessos que converteu, sete foram em bolas de três pontos. E os Clippers, que perdiam por 25 pontos no começo do terceiro quarto, avançaram para a decisão da conferência contra o Phoenix Suns - ESPN e ESPN App mostram o jogo 2 nesta terça-feira, às 22h.

Mas, afinal, quem é Terance Mann, o homem que já escreveu seu nome na história da NBA?


Mann nasceu no Brooklyn, em Nova York, mas cresceu na cidade de Lowell, Massachusetts. No ensino médio, se tornou a estrela da Tilton School e virou referência histórica no basquete do estado de New Hampshire - com médias de 23.1 pontos e 7.8 rebotes em seu último ano na escola.

No ano seguinte, Mann foi defender Florida State no basquete universitário. Depois de uma temporada como reserva, assumiu a titularidade em 2016 e ficou na faculdade até se formar em Ciências Sociais e levar FSU ao Sweet 16 em 2019.

E foi aí que sua história na NBA começou a ser escrita... da forma mais bizarra possível.


Os Clippers selecionaram Mann com a 48ª escolha do draft de 2019 da NBA. Mas, antes, uma ligação mudou a carreira do jovem ala-armador.

"O camp da G-League tinha acabado de terminar. Eles chegaram com uma lista, e eu não estava nela. Eu estava indo para o aeroporto, ficava a uma hora e meia de distância. Estávamos presos no trânsito, e meu celular no 1%", contou Mann.

"Eu estava falando para todo mundo que mandaria mensagem quando chegasse em Atlanta. Porque era onde eu faria o pré-draft. "Aviso quando pousar." Estava indo, meu celular no 1%. Passagem na mão, prestes a entregar minha mala, e um número aleatório começou a ligar no meu celular. E eu pensei, 'talvez eu não atenda, um número desconhecido. Não quero atender um número aleatório'. Eu acabei atendendo, e era a NBA", disse ele, em 2019.

"Perguntaram: 'Onde você está? Precisamos de você aqui, foi convidado para o Combine'. E eu falei, 'Ah, eu estou no aeroporto, prestes a embarcar'. Eu precise dar a volta, encarar mais uma hora e meia até o hotel. E assim que eu atendi a ligação, a bateria do meu celular acabou. Foi Deus salvando minha bateria para aquela ligação."

Foi exatamente no Combine, evento de testes para os jogadores que querem entrar na liga, que Mann encantou Jerry West, o 'logo' da NBA e conselheiro dos Clippers. E dias depois de ser selecionado, o próprio West avisou que Mann "jogaria muitas vezes" até o final da temporada.


O primeiro ano de Mann nos Clippers não foi o mais animador. Jogando somente 8.8 minutos por jogo em um elenco ainda mais inchado - que contava com Lou Williams e Landry Shamet, por exemplo -, o então calouro marcou apenas 2.4 pontos por partida.

Na temporada regular de 2020-21, a evolução começou: 18.9 minutos e 7 pontos por jogo.

"Isso está acontecendo o ano inteiro", disse o técnico Tyronn Lue, depois dos 39 pontos de Mann contra o Jazz. "Quando caras ficam de fora, outros aparecem. E vê-lo crescer em um jogo grande assim, fazer sete bolas de três... foi muito importante para nós. Ele foi confiante e acreditou no próprio trabalho. Foi incrível de se ver."

Os 39 pontos não foram só a melhor pontuação da carreira de Mann na NBA. Ele só havia superado a marca de 20 pontos outras quatro vezes como profissional, todas na temporada regular. E, quando o jogo terminou, ele sequer sabia o que tinha acabado de fazer.

"Nós ficamos em cima dele pedindo para arremessar. Ele trabalha tanto no jogo. Um dos melhores jovens que conheço. Me faz lembrar muito de mim mesmo, e ele trabalha. Nós falamos para ele, 'você vem aqui, trabalha tanto para quê? Venha e mostre!' Ele veio, jogou com confiança. E foi o quê? 40? Você fez 40? Você precisa saber quantos pontos fez!", brincou Paul George, ainda em quadra após o jogo 6 contra Utah.

"Eu realmente não sei...Eu olhei e vi que tinha 34, foi a última coisa que vi", respondeu Mann.

E se os Clippers querem sonhar sem Kawhi, o jovem vai precisar se acostumar com a pressão de jogar em um time que quer o título da NBA.