<
>

Jogadores da NBA se encontram com Papa Francisco para falar sobre justiça social

play
Donovan Mitchell se empolga e pula na piscina depois de fechar contrato de mais de R$ 1 bilhão com o Utah Jazz na NBA (0:23)

Ala-armador assinou por mais cinco anos e 195 milhões de dólares com seu atual time (0:23)

Em uma reunião sem precedentes, uma delegação de cinco jogadores da NBA e vários oficiais da NBPA (National Basketball Players Association) estiveram no Vaticano na manhã de segunda-feira para um encontro com o Papa Francisco para discutir seu trabalho em questões de justiça social.

Um assistente do Papa Francisco entrou em contato com a NBPA na semana passada, indicando que o Papa queria saber mais sobre como os jogadores recentemente chamaram a atenção para questões urgentes de justiça social e desigualdade econômica - e o que planejam para o futuro, disseram membros da NBPA à ESPN .O sindicato rapidamente reservou um vôo noturno no domingo para encontrar com o Papa às 11h45 (horário local) desta segunda-feira, no Vaticano. Com o training camp marcado para começar em 1º de dezembro, jogadores e membros da NBPA tiveram que correr para fazer a viagem acontecer agora.

A delegação da NBA incluiu Kyle Korver e Sterling Brown; Jonathan Isaac, Anthony Tolliver, o tesoureiro do sindicato, além de Marco Belinelli e Michele Roberts, diretora executiva do sindicato dos jogadores.

A reunião estava prevista para durar uma hora na biblioteca papal do Palácio Apostólico, depois da qual jogadores e dirigentes sindicais visitariam a Praça de São Pedro.

Jogadores e o sindicato, em cooperação com a liga, usaram seu palco no reinício da temporada 2020 da NBA em Orlando para colocar um holofote em assuntos como brutalidade policial, racismo e outras questões. A maioria dos jogadores escolheu várias mensagens relacionadas à justiça social - incluindo "Diga seus nomes", "Igualdade" e "Chega" - para colocar acima de seus números nas costas de seus uniformes. A liga e o sindicato concordaram em pintar "Black Lives Matter" ao longo da linha lateral. Quase todos os jogadores e treinadores se ajoelharam durante a execução do hino nacional antes dos jogos.

Brown e Korver estavam jogando no Milwaukee Bucks, que decidiu boicotar um jogo contra o Orlando Magic após Jacob Blake, um homem negro de 29 anos, ser assassinado por policiais em Kenosha, Wisconsin. A greve do Bucks inspirou uma onda de ações parecidas em vários esportes.

Brown, que vai representar o Houston Rockets na próxima temporada, e George Hill, agora membro do Oklahoma City Thunder, foram os primeiros membros do Bucks a decidir que não iriam jogar. Brown é vítima de um caso famoso de brutalidade policial. No início de 2018, oito policiais de Milwaukee o cercaram do lado de fora de um Walgreens para investigar uma possível infração de estacionamento. Um forçou Brown ao chão. Outro usou um taser nele. No início deste mês, Brown ganhou um processo contra a cidade de Milwaukee e seu departamento de polícia depois que os réus concordaram em um pagamento de US $ 750 mil.

Isaac, um ministro ordenado, foi um dos únicos jogadores e treinadores a ficar de pé durante a apresentação do hino nacional na bolha em Orlando.

A reunião foi tranquila. Os jogadores estão planejando discutir o assunto com a imprensa depois. Eles voltarão aos EUA na terça-feira de manhã.