<
>

40 doses de vodka e 10 cervejas: Toni Kukoc conta por que só conseguiu sair uma vez com Dennis Rodman

Gênio dentro das quadras, bastante excêntrico fora delas. Durante a carreira, Dennis Rodman, um dos grandes defensores da história da NBA, colecionou troféus e polêmicas.

Importante nos ‘Bad Boys’ do Detroit Pistons e presente no segundo tricampeonato do Chicago Bulls na década de 90, Rodman, por diversas oportunidades, estampou a capa de jornais norte-americanos muito por conta do extra-quadra.

Um dos companheiros do ex-atleta no Chicago Bulls, Toni Kukoc, que chegou à equipe de Illinois em 1993 após sucesso na Europa, relembrou as noitas de ‘farra’ compartilhadas com Rodman.

"Um dia éramos quatro e a primeira coisa que ele pediu para beber foram 40 shots de vodca e 10 cervejas. Perguntei se mais pessoas viriam e ele disse que não, mas que era importante manter o bar aberto. Todos os que estavam no bar naquela noite ganharam comida e bebida de graça na conta do Rodman. Não consegui acompanhá-lo. Festejei apenas uma vez com ele, porque depois disso você precisava de um período de recuperação de sete a dez dias”, disse Kukoc, em entrevista à emissora croata HRT.

No Chicago Bulls, Rodman alcançou, de vez, o estrelato na NBA. No entanto, em diversas oportunidades, teve de ser controlado pelo treinador Phil Jackson e pelo craque Michael Jordan por conta de seu temperamento e o desejo de curtir exacerbadamente a vida fora das quadras.

Antes de chegar aos Bulls, Rodman já havia se destacado no Detroit Pistons, ao lado de Isiah Thomas e outras estrelas da NBA, no time que tinha como principal característica o jogo físico. Tanto que passaram a ser conhecidos como os ‘Bad Boys’.