<
>

NBA: Como LeBron e os Lakers superaram tragédias e decepções e ganharam o título

play
Multidão inacabável de torcedores dos Lakers fazem festa na frente do Staples Center e gritam: 'Kobe! Kobe!' (0:15)

Momento pós-título encheu a torcida de emoção em Los Angeles (0:15)

NO OUTRO DIA, Jeanie Buss enviou uma mensagem de texto para Phil Jackson, o último treinador que liderou o Los Angeles Lakers ao título. Esta não foi uma ocorrência incomum. Os dois continuaram amigos e conversam com frequência. Mas a razão deste texto foi extraordinária. Os Lakers estavam prestes a ganhar seu primeiro título da NBA desde que ela assumiu o controle da equipe de seu pai, o Dr. Jerry Buss, e desde que Jackson se aposentou após a temporada de 2011. Ela já havia passado por títulos antes, mas este era totalmente diferente, e se conectar com o treinador que ganhou mais títulos na história da NBA (11) parecia uma boa ideia.

Jackson tinha seguido os Lakers durante toda a temporada e sentiu que era importante Buss saber que sua mão firme e liderança foram essenciais para o sucesso da equipe. Tudo o que ela precisava fazer agora era permanecer fiel a isso.

E no 356° dia da 74ª temporada da NBA, a franquia dos Lakers conquistou seu 17° título na vitória por 106-93 sobre o Miami Heat.

Houve confete e champanhe na arena quase vazia em Lake Buena Vista, Flórida, onde a NBA buscou refúgio da pandemia global que interrompeu sua temporada e a sociedade como a conhecemos. Enquanto o relógio marcava 0,0 no jogo 6, o banco doa Lakers circulou LeBron James, abraçando-o na quadra. E Anthony Davis sentou-se, inclinando a cabeça para a frente enquanto as emoções o dominavam.

Antes de apresentar o Troféu Larry O'Brien a Buss, o comissário da NBA, Adam Silver, falou sobre tudo o que sua liga e seus jogadores passaram apenas para chegar a esta linha de chegada.

"Encontramos uma maneira de superar uma pandemia, manter todos seguros e colocar os holofotes sobre essas questões [de justiça social] extremamente importantes", disse Silver. "Por isso, toda equipe merece ser celebrada".

Buss usava um blazer cor de vinho e uma camisa branca impecável, mas a gola estava aberta o suficiente para ver a corrente de ouro que ela usava no pescoço, com a assinatura de seu falecido pai, Dr. Jerry Buss.

E então ela fez o que seu pai a ensinou a fazer: ceder os holofotes aos jogadores, permitindo que eles o tivessem primeiro.

"Todos nós fomos muito desafiados em 2020", disse Buss antes da vitória. "Isso realmente tira seu fôlego”.

play
0:15

Multidão inacabável de torcedores dos Lakers fazem festa na frente do Staples Center e gritam: 'Kobe! Kobe!'

Momento pós-título encheu a torcida de emoção em Los Angeles

E por isso é apropriado que os campeões da NBA de 2020 sejam a equipe que mais se manteve firme.

"Isso é o que as famílias fazem umas pelas outras", disse Buss. "Levantem um ao outro quando sentem que não podem continuar”.

Do tumulto da última offseason à morte do ícone da franquia Kobe Bryant em janeiro, à pandemia, aos protestos em todo o país após a morte de George Floyd pelas mãos da polícia, à criação de uma bolha livre de vírus onde a NBA poderia retomar sua temporada, até o quase cancelamento da temporada após o Jacob Blake ser baleado, esta temporada testou todos.

"Não importa o que aconteça", disse Buss. “A prova está no trabalho. É aí que encontramos nosso conforto e nossa missão”.

Os Lakers foram capazes de se firmar consistentemente nos momentos que poderiam ter quebrado.

"Você começa a refletir sobre os desafios", disse Buss. "Estar aqui nas Finais da NBA é ao mesmo tempo tão edificante, mas também doloroso por causa de todas as perdas que passamos, também por não estarmos juntos com os torcedores vivendo esses momentos que esta equipe está nos proporcionando”.

Ela fez uma pausa enquanto pronunciava essas palavras. O sentimento estimulou uma velha história que Jackson costumava contar às pessoas sobre seu mentor, Tex Winter.

"Muitas das peculiaridades de Tex vinham do fato de ele ter vivido a Grande Depressão e de não ter comida na mesa", disse ela. Quando o Chicago Bulls ou o Los Angeles Lakers saíam para comer em um bom restaurante ou buffet de hotel, Winter sempre embrulhava e guardava tudo em seu prato.

"Isso deixava Phil louco", disse ela. “Phil dizia, 'Você não pode levar isso com você, estamos em um hotel’.

"Mas eu acho que agora todos somos pessoas que podem dizer que vivemos esta pandemia, vivemos esses tempos difíceis".

BUSS APRENDEU a administrar uma franquia de basquete ao lado do pai por décadas, e ele a escolheu entre seus seis filhos para comandar os Lakers após sua morte.

"Eu gosto de dizer que ele teve seus filhos, mas os Lakers eram seu bebê", disse Buss. "E ele me colocou no comando do bebê porque sabia que eu faria qualquer coisa para protegê-lo”.

Recrutar James foi um grande passo para restaurar a marca dos Lakers, mas o trabalho não foi concluído até que ela conseguiu o título, e isso levou tempo. James foi paciente, mas a torcida dos Lakers não.

Buss e seu círculo íntimo ficaram sob fogo cerrado quando Kawhi Leonard, um nativo do sul da Califórnia, decidiu assinar com o rival LA Clippers na agência livre em um acordo que praticamente envolvia Paul George, que foi adquirido via troca de Oklahoma City.

Amigos e colegas a incentivaram a considerar a substituição do gerente geral Rob Pelinka por um executivo mais estabelecido. Ela ligava para Jackson às vezes para pedir conselhos, mas ele sempre a dizia para confiar em seu instinto.

play
0:06

JR Smith chega de surpresa e dá banho de champanhe em LeBron durante festa do título no vestiário

Dupla já havia conquistado a NBA junta em 2016, pelo Cleveland Cavaliers

“Nunca perdi a fé nas pessoas com quem trabalhava, então essa parte foi fácil”, disse ela. “O que foi difícil não foi me defender, ou defender as pessoas que eu gosto, como Rob e Linda [Rambis].

“Mas fui avisado: 'Este será o momento mais difícil da sua vida, mas a única coisa que a impedirá é fazer o trabalho'. Nossa missão era apenas fazer o trabalho”.

Ela observou Pelinka construir uma relação de confiança com James e Davis, da mesma forma que fizera com Bryant. Como ele os consultava sobre as mudanças no elenco e os capacitava como não apenas jogadores da equipe, sem machucar seu próprio ego.

Ela notou a rapidez com que ele se moveu para preencher o elenco depois que Leonard os manteve esperando até 5 de julho, enquanto outros alvos assinavam com outros times.

Substituir Pelinka por um executivo experiente de outra franquia teria ganho a entrevista coletiva inicial. Mas ela desistiu de tentar ganhar coletivas de imprensa.

"Como aprendi, porém, com a mídia social, muitas vezes o objetivo é transformá-la em uma arma para manipular a opinião", disse Buss. "Mas você não pode manipular a opinião quando está vencendo e nas Finais da NBA. Não importa o que aconteça, a prova está no trabalho, e é aí que encontramos nosso conforto e nossa missão. A parte mais difícil foi ter para pegar as flechas, a lama e o ridículo e não revidar”.

Essas eram as vezes em que ela ligava para Jackson ou Bryant.

"Kobe sempre disse, 'Não dê ouvidos a isso'", disse ela. "Foi fácil para ele ignorar. Ele era ótimo nisso. Phil era ótimo nisso”.

Mais tarde, ela descobriria que James era ótimo nisso também.

JAMES FEZ uma promessa para Buss quando eles se encontraram no Wally's para um jantar em Beverly Hills em março de 2019.

"Estamos comprometidos com você e sairemos dessa situação por cima", lembrou o agente de James, Rich Paul, que compareceu ao jantar com Rambis. “Nós sairemos disso diferentes do que o mundo vê. Deixe as pessoas que falem. Nós apenas temos que fazer o nosso trabalho”.

Foi o precursor do mantra organizacional que Buss definiria para a franquia. O que não foi uma coincidência.

James ficou notavelmente quieto durante o a off season, mas viu de tudo. Ele assistiu a cada minuto dos playoffs, deixando sua motivação aumentar enquanto outros times e jogadores se revezavam.

Para um homem que tinha comparecido a sete finais consecutivas, era estranho ver Leonard conquistar os holofotes como o MVP das Finais para o Toronto Raptors e entrar na discussão de melhor jogador do mundo.

Mas ele canalizou tudo isso para provar que ainda era o melhor jogador da NBA, muitas vezes acordando às 4 da manhã para poder se exercitar por algumas horas no set de "Space Jam 2" antes que os longos dias de filmagem começassem.

Foi uma off season muito parecida com a de Michael Jordan em 1995, quando ele filmou "Space Jam" original após uma saída precoce dos playoffs. E algo que Jackson, observando de longe, percebeu.

"Parece que LeBron tirou um pouco de Michael Jordan-Kobe Bryant, 'Vamos mostrar a eles quem realmente somos por nossa força e nosso temperamento'", disse Jackson. "Isso é sempre um recurso para incentivar você, então ele fez um bom trabalho nisso. Acho que sua liderança tem sido boa, e isso é algo que questionei no ano passado com aquele grupo de jovens que estava jogando na época. Mas aqui está ele parece muito sintonizado. E isso é maravilhoso”.

O LEGADO DESTE TIME não é apenas ter superado as dificuldades para se tornar campeão, mas também como eles responderam ao novo desafio.

Se o título em Cleveland cumpriu a promessa de LeBron James à sua cidade natal, este cumpriu a promessa de sua jornada no basquete. Quando ele tinha 16 anos, James recebeu o apelido de "O Escolhido". Houve campanhas construídas em torno de ser uma testemunha de sua carreira. Em sua 17ª temporada, aos 35 anos, foi a longevidade e a excelência de James que atraíram um público cativo.

"Significa muito representar esta franquia", disse James do pódio do campeonato. "Eu disse a Jeanie quando vim para cá que iria colocar esta franquia de volta em uma posição que pertence. Seu falecido e grande pai fez isso por tantos anos, e ela assumiu depois disso, e ser parte desta franquia histórica é um sentimento inacreditável”.

As Finais da NBA de 2020 marcaram o quarto prêmio de MVP das Finais para James por sua terceira equipe diferente. Foi a sexta vez na carreira de James que ele obteve uma média de 25 pontos, 10 rebotes e 5 assistências nas Finais da NBA. Os outros cinco jogadores que o conseguiram fizeram apenas uma vez (Kevin Durant, Shaquille O'Neal, Hakeem Olajuwon, Charles Barkley, Kareem Abdul-Jabbar). O triplo-duplo de 28 pontos, 14 rebotes e 10 assistências de James no jogo 6 foi seu 11º nas Finais, de longe a maior marca da história da NBA.

Mesmo assim, ao chegar a Los Angeles, James sugeriu que não havia muito mais para ele provar nos capítulos finais de sua carreira. Isso parece bobo agora, depois de ver o quanto ele provou nesta que foi a temporada mais longa da história da NBA. Ele ter feito isso contra o Miami Heat, o time onde ele aprendeu muito sobre sua disciplina e foco é ainda mais significativo.

Chame isso de ciclo completo, ou apenas um homem completo, a jornada de James para este título e MVP das Finais foi o culminar de tudo que ele aprendeu e conquistou ao longo do caminho.

"Queremos apenas o nosso respeito", continuou James do pódio. "Rob quer seu respeito, o treinador Vogel quer seu respeito. A organização quer seu respeito, a Laker Nation quer seu respeito. E eu quero meu maldito respeito também”.

Houve um momento no jogo 5 na sexta-feira em que parecia que James teria que ir para a última etapa desta jornada sozinho. Davis havia caído sobre o calcanhar direito, mancando, depois foi ao chão segurando a parte de trás da sua perna, como alguém que acabara de lesionar seu tendão de Aquiles.

Toda a equipe dos Lakers correu para ver como Davis estava quando ele agarrou seu pé direito. As câmeras capturaram o rosto de James enquanto ele processava o pensamento de Davis sofrendo uma lesão grave. Seu rosto disse tudo.

Durante toda a temporada, James e Davis se ajudaram. Para jogar em seu nível superior, através de lesões e adversidades. Para bloquear o barulho e os duvidosos. Para manter, em uma das frases favoritas de James, o principal como o principal.

É raro na história da NBA uma dupla de astros encontrar tanto sucesso em sua primeira temporada jogando juntos, sem egos ocupando a quadra.

Mas James e Davis reconheceram seu propósito comum desde o início, tendo ambos pagado um preço de reputação pela troca que trouxe Davis a Los Angeles em 2019. Eles passaram um tempo juntos, treinaram juntos e, talvez o mais importante, precisavam um do outro.

"Eu tive sete anos em minha primeira passagem por Cleveland e senti que não poderia superar o obstáculo sozinho, senti que precisava de ajuda, senti que precisava de alguém para me empurrar", disse James no pódio do título. “E foi aí que eu fui para Miami e fui ajudado por D-Wade [Dwyane Wade] e [Chris] Bosh e por toda a franquia.

"Então, para ser capaz de conseguir [Davis]... nós mostramos o quão bom ele é fazendo parte de um grande basquete. E isso é especial. Então, ser capaz de colocá-lo onde ele está hoje, isso significa muito para mim. E o fato de ele confiar em mim significa ainda mais”.

Para James, Davis era a sua melhor, talvez a última chance, de fazer seus anos dourados em Los Angeles realmente dourados. Para Davis, James foi o mentor que ele sempre procurou.

"Ele era um grande jogador antes, mas só de começar a jogar com o LeBron, ele vai te ensinar sobre o que tudo se trata", disse Anthony Davis Sr. O calcanhar direito machucado de Davis o estava matando. Mas eles chegaram longe demais para terminar assim. Davis se levantou, caminhou ao longo da linha lateral e dispensou todos os treinadores e médicos que ousassem se aproximar dele. Ele jogou o resto do jogo 5 e foi uma ameaça defensiva na vitória decisiva da série no jogo 6.

"O que as pessoas não entendem sobre o Anthony", disse seu pai, "se voltarem e assistirem ao jogo do título que ele jogou em Kentucky, ele fez um jogo horrível. Acho que ele marcou cinco pontos no total, mas teve uns 15 rebotes e cinco arremessos bloqueados.

“Ele estava tipo, 'Eu não vou conseguir fazer isso esta noite, mas vou bloquear e defender tudo que vier para perto da cesta'. Ele ainda tem essa mentalidade. Ele não precisa fazer pontos. Tudo o que importa é vencer. Essa é a mentalidade que ele tem desde Kentucky”.

TANTO ACONTECEU desde que Bryant faleceu junto com sua filha, Gianna, e sete outras pessoas em 26 de janeiro, que não poderíamos imaginar que foi apenas o primeiro soco em nosso rosto coletivo em 2020.

"Ainda está cru", disse Buss. "Acho que vai ser algo que nunca vou superar”.

Ela diz que encontra forças em saber que ele será sempre lembrado e continuará a inspirar. Mas não é o mesmo que tê-lo aqui, principalmente em um ano como este.

"É uma perda tão difícil", disse ela. "Mas saber que todos sentiram a mesma perda faz com que pareça que não estamos sozinhos”.

Aquelas primeiras semanas depois que Bryant faleceu são um borrão agora. Houve o período inicial de choque e profunda tristeza. Havia a dor de sua família, depois a incrível força de Vanessa Bryant na celebração da vida de Kobe e Gianna em 24 de fevereiro.

E então havia a temporada de basquete, que parou por um dia, quando Lakers e Clippers adiaram seu jogo em 28 de janeiro, um jogo que parecia tão significativo apenas alguns dias antes, já que os dois rivais da cidade e candidatos ao título estavam se enfrentando pela terceira vez (com uma vitória para cada lado até aquele dia). Mas não importava mais.

O técnico Frank Vogel trouxe a equipe de volta para um treino depois de alguns dias, apenas para que estivessem todos juntos novamente. Vogel passou a primeira parte do treinamento ao ar livre, sob o sol da Califórnia, esperando que o ar fresco e a vitamina D fizessem bem.

"Esse é um dos luxos de morar em Los Angeles", disse Vogel.

Poucos dias depois, os Lakers deveriam jogar um jogo novamente. James sabia que o momento exigia sua voz.

"Agora, eu tenho algo escrito", ele começou. "Mas, Laker Nation, cara, eu estaria decepcionando a todos se lesse algo, então vou falar direto do coração.

"Enquanto eu olho ao redor desta arena, estamos todos de luto, estamos todos machucados, estamos todos com o coração partido. Quando estamos passando por coisas como esta, a melhor coisa que você pode fazer é apoiar-se nos ombros de sua família.

"Agora, eu ouvi sobre a Laker Nation antes de chegar aqui no ano passado, sobre o quanto é uma família e isso é absolutamente o que vi esta semana", continuou James. "Não apenas dos jogadores, da comissão técnica e da organização, mas de todos. Todos os que estão aqui, esta é realmente uma família”.

TUDO É MAIOR quando você é um Laker. Títulos, declarações, momentos, sua voz.

Como Bryant, James é um historiador do jogo. Ele sabe quais franquias são as maiores, com legados que transcendem grandes jogadores e épocas. Ele havia feito muito em sua carreira antes de vir para Los Angeles, mas se ganhasse aqui, o impacto seria grande.

Após a morte de George Floyd, James chamou seus conselheiros de longa data Adam Mendelsohn e Maverick Carter. Ele queria dizer algo, mas também queria fazer algo.

Mendelsohn e Carter contaram a ele sobre um projeto em que estavam trabalhando, chamado More Than a Vote, em antecipação à eleição de novembro. James se interessou e imediatamente começou a organizar chamadas de vídeo e reuniões com outros atletas para que eles pudessem unir forças e ampliar sua mensagem.

Quando o Milwaukee Bucks fez uma greve improvisada de seu jogo contra o Orlando Magic em resposta ao assassinato de Jacob Blake, James falou novamente com amigos e conselheiros tarde da noite. Ele apoiava os Bucks e a causa, mas a falta de planejamento e estratégia era frustrante. Pessoas próximas a ele dizem agora que James estava muito perto de abrir mão da temporada naquela noite.

O que mudou tudo foi quando ele e Paul falaram ao telefone com o ex-presidente Barack Obama. Antes de ser presidente ou senador, Obama foi um organizador comunitário. Suas palavras naquela noite se basearam em sua experiência: consiga algo para isso. Pressione a NBA, pressione os proprietários, pressione a sociedade para fazer mais.

Na manhã seguinte, James, Paul e Andre Iguodala, do Heat, começaram a conseguir compromissos firmes da liga e dos proprietários em três iniciativas: estabelecer uma coalizão de justiça social, usar arenas como locais de votação e incluir anúncios em cada jogo de playoff para criar maior engajamento das pessoas em eleições nacionais e locais.

Então, James e os Lakers retomaram sua temporada.

POR MAIS QUE ela aprecie o retorno à glória que James proporcionou à franquia dos Lakers, é sua força e convicção que Buss diz que ela mais admira.

"Ele não tem medo de usar sua plataforma para falar sobre coisas que são importantes sem se preocupar com reações adversas ou opinião pública", disse Buss. "Ele defende aquilo em que acredita, e isso me tornou mais forte para ser franca por coisas que agora comecei a perceber, por falar as coisas que são certas”.

Ela escreveu e falou sobre questões de justiça social ao longo da temporada mais do que nunca e não se preocupou com qualquer reação.

Talvez fosse apenas confiança em seu próprio conselho, como disse Jackson. Talvez tenha sobrevivido às críticas de uma temporada anterior e visto sua fé em Pelinka e na equipe restaurada por seu desempenho.

Um executivo dos Lakers disse: "Enquanto alguns de nossos chamados rivais gastaram literalmente centenas de milhões de dólares tentando ganhar ciclos de mídia, mantivemos nossas cabeças baixas e focados no basquete - porque a única coisa que sempre nos importamos em vencer são títulos".

Mas Buss havia crescido durante a mais longa das temporadas também.

Enquanto seu pai estava no comando, Buss era popular entre os torcedores dos Lakers. Ela ficava na segunda fila do Staples Center. Ela era acessível a eles.

"Essa é uma das coisas que sempre me surpreendeu sobre ela e seu pai", disse Jackson. "Eles sentiram que o time era da cidade, os Lakers pertencem a L.A”.

Inicialmente, foi difícil dizer se James havia calculado mal a maneira como seria recebido pelos torcedores dos Lakers. Ou se ele estava simplesmente reservando um tempo para se acostumar em sua nova cidade.

Os torcedores se irritaram quando pensaram que ele anunciou uma aparição em uma Pizza Blaze e não apareceu. Eles pintaram murais em torno de L.A. afirmando que Kobe Bryant ainda era o rei dos Lakers, e não James. Ele foi flagrado bebendo uma taça de vinho enquanto estava machucado.

"Bem, primeiro, o que aprendi sendo um Laker é que os torcedores dos Lakers não dão a mínima para o que você fez antes", disse James na quinta-feira. "Eles não se importam com o seu currículo até você se tornar um Laker. Então você tem que fazer isso como um Laker, e então eles o respeitarão. Eu aprendi isso”.

Como Buss, James chegou aqui mantendo o foco no trabalho. Cada dia, cada desafio, era algo para superar. Seu senso de propósito nunca o deixou na mão.

"Não gostei da maneira como nossa temporada terminou no ano passado, especialmente eu mesmo com a lesão e com o resultado final do nosso time", disse James em 17 de setembro. "Minha mãe me disse: 'Não fale sobre isso, seja sobre isto.' Então eu não falei muito. Vou apenas fazer o meu trabalho”.

TODOS OS momentos difíceis tendem a desaparecer quando o champanhe do campeonato começa a fluir. Os momentos brilhantes correm para a frente de seus pensamentos, os desafios ficam em segundo plano.

Davis gritando "Kobe" depois de acertar uma cesta de três pontos em um dos locais favoritos de Bryant nas finais da Conferência Oeste. Os confetes caindo após as finais da Conferência Oeste e novamente nas Finais, pouco antes de levantarem o troféu Larry O’Brien.

"O fato de eu estar aqui agora significa muito para mim", disse James quando se dirigiu à multidão do Staples Center antes do primeiro jogo que eles jogaram após a morte de Bryant. "Para continuar seu legado não só para este ano, mas enquanto pudermos jogar o jogo que amamos”.

Buss teve calafrios quando Davis acertou aquela cesta de três pontos e gritou o nome de Bryant.

"Foi tipo, OK, ele está aqui", disse ela. “As pessoas ficavam tipo, 'Está tudo planejado, vocês estão forçando isso’. E eu pensava, 'Você está brincando comigo? Isso é completamente orgânico. Vem do coração das pessoas, não vem de algo planejado’”.

Uma das dádivas de ficar tão isolado na bolha da NBA por tanto tempo foi ter muito tempo para pensar e refletir.

Buss chegou na semana passada e permaneceu na camada externa durante as Finais. Tão perto do time que se uniu para ganhar este título, e ainda assim tão longe, em uma varanda, atrás de uma máscara, torcendo ao lado de uma de suas melhores amigas das últimas quatro décadas, a executiva dos Lakers, Linda Rambis.

Assim que a equipe venceu e a missão foi concluída, ela finalmente teve permissão para descer à quadra para receber o troféu e cumprir seu direito de filha.

"Estou muito orgulhosa de vocês dentro e fora da quadra", disse ela à equipe. "Vocês deixaram Los Angeles orgulhosa com seu trabalho árduo, profissionalismo e dedicação. Vocês escreveram seus próprios capítulos na grande história dos Lakers.

"Para Laker Nation. Passamos por uma tragédia de partir o coração com a perda de nossos amados Kobe Bryant e Gianna. Que este troféu sirva como um lembrete de que, quando nos unirmos e acreditarmos uns nos outros, coisas incríveis podem acontecer.

"Quando for seguro, espero comemorar com vocês. Até lá, vou trazer o troféu de volta para Los Angeles, onde ele pertence”.

Pelinka ficou com a equipe que montou. Seu coração ainda estava pesado pela perda de Bryant, seu cliente e amigo de longa data. Mas já passou tempo suficiente para que ele possa apreciar o que ainda tem e o que todos fizeram juntos.

"Quando a mais profunda prova da vida veio, contamos com a força uns dos outros", disse Pelinka. "E nossas próprias crenças individuais, para encontrar um caminho a seguir. Continuamos a acreditar que todas as coisas podem, de alguma forma, ser trabalhadas juntas, para de alguma forma, de alguma forma, encontrar um bem”.