<
>

Questões raciais serão prioridades da NBA e da Associação de Jogadores quando liga retornar em Orlando

play
De arrepiar: Snoop Dogg presta tributo emocionante a Kobe Bryant no ESPYS (2:28)

'Grande demais para qualquer moldura': assista à incrível homenagem do rapper a uma das maiores lendas da história da NBA, que morreu em um acidente de helicóptero na cidade de Calabasas, na Califórnia, em janeiro de deste ano (2:28)

A NBA e a Associação Nacional de Jogadores de Basquete anunciaram nesta quarta-feira que concordaram que continuar discutindo e combatendo o racismo estrutural será um ponto focal durante a retomada da temporada em Orlando, na Flórida.

"O grupo que se reuniu concordou em princípio que o objetivo da retomada da temporada em Orlando será tomar ações coletivas para combater o racismo estrutural e a desigualdade racial em todo o país", segundo um comunicado conjunto.

A reunião, realizada na terça-feira, incluiu o comissário da NBA Adam Silver, a diretora executiva da NBPA, Michele Roberts, e o presidente da NBPA, Chris Paul. Os jogadores Trae Young (Atlanta Hawks), CJ McCollum (Portland Trail Blazers), Donovan Mitchell (Utah Jazz) e Malcolm Brogdon (Indiana Pacers) também foram incluídos.

O comunicado à imprensa observou que, embora "planos específicos não tenham sido finalizados", eles discutiram planos para aumentar a representação dos pretos entre equipe, diretoria e os funcionários da liga; trabalhar com mais empresas que são comandadas por pretos; e formar uma fundação que visa "expandir o desenvolvimento educacional e econômico" nas comunidades pretas.

O anúncio ocorre oito dias depois que Avery Bradley disse à ESPN que gostaria de ver a liga aumentar a diversidade entre os principais tomadores de decisão no basquete, em parceria com empresas comandadas por pretos e fazer doações para organizações que atendem às comunidades pretas.

"A liga tem a responsabilidade com nossas comunidades em ajudar a nos capacitar - assim como fortalecemos a marca da NBA", disse Bradley em 16 de junho.

Jogadores da NBA foram participantes ativos em protestos, pedidos de ação nas redes sociais e eventos de caridade após a morte de George Floyd, em Minneapolis, em 25 de maio, e a morte de Breonna Taylor, em Louisville, em 13 de março, pelas mãos da polícia.

Floyd, que era preto, morreu depois que o ex-policial Derek Chauvin, branco, pressionou o joelho no pescoço de Floyd por vários minutos. Desde então, Chauvin foi acusado de assassinato. Taylor, que era preta, foi morta a tiros na cama depois que a polícia arrombou a porta do apartamento em uma operação de busca por drogas.

play
2:28

De arrepiar: Snoop Dogg presta tributo emocionante a Kobe Bryant no ESPYS

'Grande demais para qualquer moldura': assista à incrível homenagem do rapper a uma das maiores lendas da história da NBA, que morreu em um acidente de helicóptero na cidade de Calabasas, na Califórnia, em janeiro de deste ano

Desde então, Brogdon, Young, Russell Westbrook, Irving, Stephen Curry e Jaylen Brown estão entre dezenas de jogadores que participaram de protestos pacíficos.

"As questões de racismo estrutural e brutalidade policial em nosso país precisam terminar", disse Paul no comunicado. "Como jogadores, assumimos um papel de liderança quando se trata de usar nossas vozes e implementar soluções práticas, mas há muito trabalho pela frente, em Orlando e depois disso, para continuar o impulso e trazer mudanças reais e duradouras para a nossa sociedade."

A NBA está programada para retomar os jogos em 30 de julho no Walt Disney World, em Orlando.