<
>

NBA: como times pensam em manter vantagem de mando de quadra com playoffs em um só lugar

Apenas um dia antes da votação do conselho de administração da NBA para aprovar um plano para reiniciar a temporada com 22 equipes em Orlando, Flórida, várias das franquias consideradas favoritas ao título estão discutindo internamente como manter alguma vantagem pela posição conquistada em mais de 60 jogos disputados na temporada regular.

Nenhum plano foi formalmente proposto, e é improvável que seja aprovado, porque exigiria uma votação de dois terços da junta de governadores da liga, além de um acordo do sindicato dos jogadores. No entanto, as equipes que tradicionalmente tinham a vantagem de disputa dos jogos dentro de casa tentaram descobrir incentivos para reproduzir a situação que ofereceria quatro partidas diante de sua torcida em uma série de sete jogos, disseram fontes à ESPN.

A NBA ‘aprendeu’ nos últimos meses que a inovação e o pensamento criativo são sua força vital para navegar por uma pandemia que ameaça cancelar os playoffs e impedir que um campeão seja coroado pela primeira vez nos 74 anos de história da liga.

E assim, em um ‘tudo ou nada’, algumas equipes estão tentando inventar uma maneira de trocar a vantagem que perderam por uma vantagem alternativa em Orlando.

Executivos das equipes que sediariam uma série da primeira rodada nos playoffs disseram que tiveram discussões internas em seus próprios escritórios sobre como recuperar de alguma forma a vantagem do mando de jogo e que alguns já compartilharam ideias com outras equipes que estão na mesma situação com a esperança de ter um aliado ao apelar para a liga.

De fato, algumas das equipes que em breve poderiam entrar em disputa na pós-temporada recentemente trabalharam juntas em uma busca compartilhada para recuperar a vantagem que teriam com os jogos ‘dentro de casa’.

Tempos estranhos contribuem para estranhas alianças.

Alguns dos cenários discutidos incluem:

- A equipe com melhor posição na tabela recebe a primeira posse de bola no segundo, terceiro e quarto quartos, seguindo a disputa tradicional no início das partidas

- A equipe com melhor posição na tabela também poderá designar um jogador para ‘protegido’ na contagem de até sete faltas, ao vez de seis, antes de sair de quadra

- A equipe com melhor posição na tabela que recebe o desafio de um treinador extra

- A equipe com melhor posição na tabela pode transportar sua quadra de madeira para as arenas de Orlando na tentativa de preservar a sensação de sua experiência de jogar em casa

- Um recurso fora da quadra em que as equipes dos playoffs, em ordem de 1 a 16, recebem a primeira escolha para escolher em qual hotel ficarão no ESPN Wide World of Sports Complex e no Disney World Resort. A ESPN é de propriedade da Walt Disney Co.

"Eu acho que a NBA se preocupa com isso", disse um executivo da Conferência Leste quando questionado sobre como compensar a vantagem do mando de quadra. "Não acho que seja uma prioridade para eles".

O comitê de competição da NBA - formado por proprietários, gerentes gerais, jogadores e treinadores - realizou uma reunião na última terça-feira e nenhuma das possíveis alternativas de vantagem do mando de quadra foi levantada.

O comitê de competição atua como incubadora da liga para discutir os méritos de incorporar mudanças competitivas nas regras do jogo. O grupo serve como um amortecedor para a liga, discutindo novas idéias antes de recomendá-las ao conselho de governadores para uma votação formal.

Entre as questões colocadas pelos executivos da liga ao discutir as opções de substituição, está a questão de saber quantos dos benefícios propostos formariam um equivalente aproximado do impulso que a vantagem do mando de quadra proporciona. Eles também questionaram se os ajustes poderiam parecer muito enigmáticos e comprometer a legitimidade do eventual campeão em uma pós-temporada que já é atípica.

Um executivo sugeriu à ESPN que a NBA apresentasse à equipe mais bem posicionada na tabela um menu de opções aprovadas pela liga antes de cada jogo - ou possivelmente de cada série - e peça que escolha uma. Por um lado, poderia ser um problema adicional para a experiência de visualização em casa que os fãs deveriam procurar entender nas transmissões dos jogos.

Outra ideia "radical" flutuou de forma pessimista nas discussões de segundo plano, de acordo com relato de um executivo da Conferência Oeste, permitindo que o time mais bem posicionado escolha seu oponente na segunda rodada.

O executivo em questão não acreditava que a liga fosse a favor desta possibilidade.

Um membro de alto escalão da Conferência Leste, trabalhando para uma equipe atualmente garantida nos playoffs, também não gostou da ideia radical.

"Escolher seu oponente pode levar a um carma ruim", disse ele à ESPN, observando que as experiências anteriores na G League levaram a transtornos. "Você pode ofender os deuses do basquete.”

É claro que, como um executivo da liga alertou, a liga poderia determinar que qualquer mudança de regra pela primeira vez em um cenário de playoff causaria mais danos à integridade do jogo do que valeria a pena.

"Para cada problema que você está tentando corrigir", disse ele, "você está criando outros problemas".

Malika Andrews e Tim Bontemps, da ESPN, contribuíram para esta reportagem