<
>

A caótica decadência do Chicago Bulls após 'The Last Dance'

O documentário 'The Last Dance', produzido pela ESPN, nos apresentou o último ano da dinastia do Chicago Bulls, que durou entre 1991 e 1998, com a equipe comandada por Michael Jordan tendo disputado seis das oito finais possíveis da NBA neste período - as únicas duas ausências (1993/1994 e 1994/1995) vieram em anos que Jordan estava aposentado.

Nenhuma outra dinastia, porém, teve uma queda tão repentina e tão brusca quanto a dos Bulls, e tudo começou com uma perda de talento sem precedentes.

De acordo com o Elias Sports Bureau, departamento de estatísticas da ESPN, a franquia é uma das duas equipes na história a perder três jogadores e um técnico que estão no Hall da Fama de uma vez - Michael Jordan, Scottie Pippen, Dennis Rodman e o comandante Phil Jackson. O Los Angeles Lakers de 2003/2004 é a segunda equipe, mas Gary Payton e Karl Malone haviam assinado um contrato de um ano no fim de suas carreiras, então, apenas Shaquille O'Neal e o próprio Phil Jackson foram perdas significativas.

Desde 1950/1951, quando rebotes individuais passaram a ser calculados na NBA, Chicago também é a única equipe a vencer um título da liga e perder os líderes em pontos (Jordan), assistências (Pippen) e rebotes (Rodman) da equipe nos playoffs da temporada seguinte.

Em 1997/1998, Jordan anotou 28,7 pontos por jogo, liderou a NBA e levou para casa o prêmio de MVP (jogador mais valioso) da temporada regular. Durante o documentário, Michael reclama diversas vezes que estava esgotado mentalmente, mas os números mostram que o camisa 23 ainda tinha muito a contribuir dentro de quadra. Jordan, inclusive, é apenas um dos cinco jogadores da história das quatro grandes ligas americanas (NBA, NFL, NHL e MLB) a se aposentar em uma temporada seguinte à de MVP.

Mudança sem continuidade é caos

Desde a aposentadoria de Jordan e o fim da dinastia, o mais perto que o Chicago Bulls chegou de uma final de NBA foi em 2010/2011, quando Derrick Rose e companhia perderam a final da Conferência Leste para o Miami Heat de LeBron James, Dwyane Wade e Chris Bosh.

Em 22 temporadas, os Bulls ficaram fora dos playoffs em 11 oportunidades e só passaram do primeiro round em outras quatro. O que explica a falta de sucesso? A falta de continuidade.

O Basketball Reference, um dos sites de estatísticas mais respeitados do mundo, define "continuidade de elenco" como "a porcentagem de minutos de temporada regular de uma equipe que foram preenchidos por jogadores que estavam na temporada anterior". Nas seis conquistas da dinastia, os Bulls estavam no top 5 da liga no quesito.

Nas últimas 22 temporadas, Chicago só esteve entre os cinco melhores em duas oportunidades. Depois da última temporada de título, apenas 58% dos minutos foram preenchidos por jogadores da temporada anterior, a maior queda de um time campeão desde 1952/1953, quando continuidade de elenco começou a ser calculada. Em 1999/2000, duas temporadas depois do sexto anel, esse número caiu para 28%, a pior marca da história da franquia.

Desde que venceu o último título, Chicago teve dez técnicos diferentes contra apenas quatro durante a 'Era Michael Jordan', que durou de 1984 até 1998. A falta de continuidade pode ser apontada como o principal fator para os constantes fracassos dos Bulls.

Os erros de Jerry Krause

Ainda que Scottie Pippen chame Jerry Krause de "o maior general manager de todos os tempos" no episódio final, a figura de Krause é criticada e apontada como vilã durante todo o documentário. Após o fim da dinastia, o dirigente cometeu uma série de erros que contribuíram ainda mais para a mancha de sua imagem.

Por conta de um locaute que atrasou a temporada, a aposentadoria de Michael só foi anunciada oficiamente em 13 de janeiro de 1999. Antes disso, Phil Jackson já tinha se demitido do comando da equipe em 23 de junho de 1998, após Krause falar antes da temporada 1997/1998 que "Phil não voltaria como técnico dos Bulls nem que vencesse as 82 partidas".

Em 15 de janeiro de 1999, os Bulls contrataram Tim Floyd como técnico. Seis dias depois, Dennis Rodman foi dispensado e Steve Kerr trocado com o San Antonio Spurs por Chuck Person e uma escolha de primeiro round no Draft de 2000 que virou Dalibor Bagaric.

No dia 22 de janeiro, Scottie Pippen foi mandado ao Houston Rockets por Roy Rogers e uma escolha de segundo round de 2000 que virou Jake Voskuhl. No dia seguinte, Luc Longley foi trocado com o Phoenix Suns por Mark Bryant, Martin Müürsepp, Bubba Wells e uma escolha de primeiro round de 1999 que virou Ron Artest, atualmente conhecido como Metta World Peace.

Dos cinco jogadores citados acima que não chegaram aos Bulls pelo Draft, apenas um entrou em quadra pela equipe: Mark Bryant. Das escolhas, apenas Artest jogou minutos significativos antes de ser mandado para o Indiana Pacers na temporada 2001/2002.

Após a última conquista dos Bulls, Krause foi o GM da franquia em cinco Drafts entre 1999 e 2002. Neles, os Bulls tiveram cinco escolhas no top 10, maior marca daqueles anos ao lado do Los Angeles Clippers.

Elton Brand foi selecionado como a primeira em 1999, Marcus Fizer como a quarta e Chris Mihm como a sétima em 2000, Eddy Curry como q quarta em 2001 e Jay Williams como a segunda em 2002. Nenhum dos jogadores fez mais que quatro temporadas pela franquia.

O imponderável

Além das perdas de talento, a falta de continuidade e os erros nas escolhas de draft e decisões em geral, um outro fator entrou em jogo para os Bulls não terem chegado a uma final desde a aposentadoria de Michael Jordan e o fim da dinastia: o azar.

A maior chance dos Bulls veio na temporada 2010/2011, quando Derrick Rose foi eleito o MVP, a equipe era sólida e parecia pronta para um novo passo. O problema, porém, era um adversário no Leste: o Miami Heat de LeBron James, Dwyane Wade e Chris Bosh.

Na final da Conferência Leste daquele ano, o Heat venceu a série por 4 a 1 e evitou que os Bulls chegassem na decisão.

Na primeira partida dos playoffs da temporada seguinte, Derrick Rose, o pilar daquela equipe, sofreu uma grave lesão em um dos joelhos e nunca mais foi o mesmo, o que prejudicou todo o trabalho dos Bulls nos anos seguintes. Algo que ninguém seria capaz de prever.