<
>

A Conferência Oeste da NBA está vivendo novos dias: e eles não são positivos

BOSTON - Por mais de duas décadas, houve duas verdades universais sobre os playoffs da Conferência Oeste: o San Antonio Spurs estará presente, e os times com mais derrotas do que vitórias estarão fora.

As duas certezas podem mudar em 2020.

Os Spurs ainda podem encontrar uma maneira de estender sua série de aparições consecutivas nos playoffs para 23 anos seguidos. Eles venceram o Milwaukee Bucks, melhor time da liga, e o Boston Celtics nas últimas duas partidas para melhorar sua campanha para 16-20.

"Nossos temas são os mesmos há 23 anos", disse o técnico do Spurs, Gregg Popovich, após a vitória da noite de quarta-feira. "Não muda a cada jogo".

"Às vezes nos saímos bem, às vezes não."

Nesta temporada, os "nãos" aconteceram com muito mais frequência do que os Spurs estão acostumados. Mesmo após as duas vitórias nesta semana, San Antonio ainda está quatro jogos abaixo dos 50% de aproveitamento. No entanto, os Spurs atualmente ocupam o oitavo e último lugar nos playoffs no Oeste, demonstrando o quão diferente o cenário dos playoffs da Conferência Oeste deste ano está se moldando.

A última vez que um time do Oeste foi para os playoffs com uma campanha de derrotas foi 1996-97, no mesmo ano em que Popovich assumiu o cargo de treinador dos Spurs e selecionou Tim Duncan com a primeira escolha geral. Naquela temporada, o LA Clippers conquistou a oitava posição com uma campanha de 36-46 e foi varrido em três jogos pelo Utah Jazz, o time com melhor campanha.

Desde então, os oitavos colocados no Oeste tiveram uma porcentagem média de vitórias de 55%, o que equivale a um recorde de 45-37 em uma temporada de 82 jogos. A nona melhor equipe da conferência obteve em média 42 vitórias.

"É loucura ver essa mudança", disse DeMar DeRozan, ala dos Spurs. "Vi a liga mudar tanto. A Conferência Oeste estar no estado que se encontra agora... Espero que possamos estar lá".

A futilidade geral entre os candidatos ao oitavo lugar no Oeste significa que muitas equipes que normalmente estariam fazendo planos de férias para meados do final de abril e começando a reunir amuletos da sorte da loteria da NBA em maio ainda sonham em estar na pós temporada.

Alguns deles estão jogando melhor ultimamente. Além das vitórias consecutivas de San Antonio, o Portland Trail Blazers venceu o atual campeão Toronto Raptors com uma cesta de Carmelo Anthony na noite de terça-feira, e o Memphis Grizzlies venceu quatro dos últimos cinco jogos. Ainda assim, nenhum deles chega nem perto dos 50%.

Times como o Sacramento Kings, o New Orleans Pelicans e o Minnesota Timberwolves têm tido ausências de peso. De'Aaron Fox e Marvin Bagley III por Sacramento, Zion Williamson ainda não estreou por New Orleans e Karl-Anthony Towns não joga desde 13 de dezembro em Minnesota. Essas equipes pareciam completamente fora do cenário dos playoffs. Agora, todos estão dentro a quatro jogos do oitavo lugar nos playoffs.

"Sempre há tempo", disse Derrick White, armador dos Spurs. "Não exageramos no início do ano. Ainda há tempo para, no final do ano, chegar onde queremos estar".

Esse não foi o caso no passado, pelo menos no Oeste. O mesmo não se pode dizer de seus colegas da Conferência Leste, que se beneficiaram de uma conferência mais fraca que viu repetidamente equipes piores chegarem à pós temporada.

Nas últimas 22 temporadas, 12 equipes no leste foram para os playoffs com campanhas negativas. Enquanto isso, houve três vezes - 2003-04, 2007-08 e 2014-15 - em que várias equipes foram para a pós- emporada com campanhas negativas. Nesta temporada, a propósito, as coisas estão no ritmo para que isso aconteça novamente.

A porcentagem média de vitórias do oitavo colocado do Leste durante esse período foi de 49%- em comparação com o nono colocado do Oeste, com 51% de aproveitamento.

Tudo isso foi o combustível para os gritos de mudar a estrutura dos playoffs para tentar conseguir ter as 16 melhores equipes na pós temporada. A liga insistiu repetidamente que o equilíbrio entre conferências é cíclico. Nesta temporada, parece ser o caso.

O fato de nenhuma equipe ter conseguido se separar da matilha no fundo do Oeste permitiu que várias equipes começassem a trabalhar duro. San Antonio parecia morto há dois meses. Mas agora LaMarcus Aldridge voltou a jogar como um grande All-Star, Lonnie Walker IV foi inserido na rotação à frente de Marco Belinelli, e Dejounte Murray começou a se formar depois de perder toda a última temporada devido a uma lesão no ligamento cruzado anterior do joelho.

"Temos sido mais consistentes nos ajudando defensivamente, não cometendo tantos erros", disse DeRozan. "Quando fazemos isso, quando confiamos no lado defensivo para nos manter no jogo, é mais fácil encontrar um ritmo".

Os Spurs não estão sozinhos. Os Pelicans venceram seis dos oito últimos, uma corrida que coincidiu com Derrick Favors retomando sua carga normal de minutos, que instantaneamente melhorou a defesa. Agora, a estreia de Williamson está próxima de acontecer, o que deve reforçar New Orleans. Os Blazers obtiveram uma produção sólida de Anthony enquanto continuam a aguardar Zach Collins e Jusuf Nurkic fornecerem o reforço necessário. Os Grizzlies viram seu jovem núcleo de Ja Morant, Jaren Jackson Jr. e Brandon Clarke ajudar muito também.

Talvez, no futuro, uma dessas equipes consiga chegar a 55% de aproveitamento. Até que isso aconteça, porém, esta temporada marca uma nova era para a Conferência Oeste.

A questão que resta é se será apenas uma daquelas verdades universais que desaparecem no momento em que esta temporada regular chegar ao fim.