<
>

Crise NBA e China: dono taiwanês do Brooklyn Nets explica conflito e diz que 'dor vai demorar para curar'

A NBA se vê no meio de uma grande crise geopolítica.

No último fim de semana, o gerente-geral do Houston Rockets publicou em suas redes sociais uma mensagem de apoio a Hong Kong logo após sua franquia disputar uma partida de pré-temporada na China.

"Lute por liberdade. Esteja com Hong Kong", escreveu o dirigente, se referindo aos protestos do país contra as constantes influências chinesas em seu governo.

Hong Kong era uma parte da China até o fim do século XIX, quando foi ocupada em guerra pelo Reino Unido. Desde então, tornou-se um país mais democrático e alinhado à cultura ocidental. Em 1999, porém, o território foi devolvido oficialmente aos chineses, mas com a obrigação de funcionar sob um sistema diferente do país vermelho, com mais liberdades.

As interferências de Pequim em Hong Kong, entretanto, incomodam a população, que protesta por mais independência.

A posição de Morey caiu como uma bomba na China, que baniu o Houston Rockets do país. E nesta segunda-feira, foi a vez de outra personalidade da NBA opinar sobre o assunto.

Joseph Tsai comprou o Brooklyn Nets em setembro e é um empresário nascido em Taiwan com muito trânsito na China. O mandatário se sentiu na necessidade de explicar o sentimento chinês no ocorrido.

“Qual o problema das pessoas expressarem livremente sua opinião? Essa liberdade é inerente aos valores americanos e a NBA tem sido muito progressiva em permitir aos atletas e outros participantes uma plataforma para se manifestar sobre questões. O problema é que existem certos tópicos que são intocáveis em certos países, sociedades e comunidades”, escreveu o bilionário em suas redes sociais.

“Uma coisa que é terrivelmente incompreendida, e muitas vezes ignorada pela imprensa ocidental e os críticos da China, é que 1,4 bilhão de cidadãos chineses se mantêm unidos quando se refere à integralidade da China e da soberania do país sobre sua terra natal. Essa questão é inegociável”, disse o magnata do comércio pela internet.

Tsai explica, então, como a China foi invadida e dividida por estrangeiros em vários momentos de sua história, citando as Guerras do Ópio contra Inglaterra e França e ocupações japonesas em Pequim.

“Falo de tudo isso porque um estudante de história vai entender que a mente chinesa tem uma pesada bagagem quando se fala de qualquer ameaça, estrangeira ou doméstica, de dividir territórios chineses”, diz Tsai.

“Espero que agora vocês possam começar a entender por que o tuíte de Dayl Morey é tão danoso ao relacionamento dos nossos fãs na China. Não conheço o Daryl pessoalmente. Tenho certeza que ele é um bom gerente da NBA, e vou considerar suas desculpas subsequentes que ele não estava tão informado como deveria. Mas a dor que esse incidente causou vai demorar muito para curar”, escreveu.

“Espero que nossos fãs chineses mantenham a fé no que a NBA e o basquete podem fazer para unir pessoas de todo o mundo”, finalizou.