<
>

Russell Westbrook: como Knicks, Thunder e Heat fazem sentido para a estrela

A noite da última sexta-feira agitou a NBA. Sem ninguém prever, Kawhi Leonard recrutou Paul George para se juntar a ele no LA Clippers. As movimentações causaram bastante impacto na liga como um todo e, principalmente, no Oklahoma City Thunder e em Russell Westbrook.

Assim que a troca foi confirmada, começaram a surgir notícias de que tanto Steven Adams quanto Westbrook haviam manifestado seu interesse em deixar a franquia, que aparentemente vai tentar se reconstruir.

Paul conseguiu, mas e quanto a Russell? Quais são as opções para o armador que tem um MVP e três temporadas com triplo-duplo de média em seu currículo? Vale lembrar que é o Thunder que escolhe para onde mandar o jogador, mas caso Russ tenha um destino preferido, as coisas podem acontecer com mais facilidade.

Ficar em Oklahoma

Apesar dos indícios darem conta de que Westbrook não quer permanecer, se manter em Oklahoma poderia ser uma opção interessante para o armador, haja vista que a possibilidade de se juntar a um time que briga imediatamente por título é pequena.

Com o maior contrato da NBA, Westbrook não terá problemas financeiros caso fique. Dentro de quadra, uma equipe com o armador, Shai Gilgeous-Alexander e Danilo Ganillari não é um time que briga pelo título, mas pode ser bastante competitivo. E o futuro, com todas as escolhas de draft recebidas dos Clippers, é promissor.

Virar o líder dos Knicks

O New York Knicks queria duas estrelas e não conseguiu nenhuma. Aparentemente, uma surgiu no mercado. Westbrook combina com toda a mídia e atenção que NY recebe, e com certeza gostaria de jogar no Madison Square Garden e rivalizar o posto de 'dono da cidade' com Kevin Durant.

Entretanto, para o time, a chegada de Russell pode não ser a melhor opção. Com um grupo de jovens se desenvolvendo, trocar por Westbrook pode acabar com o futuro da franquia por uma tentativa desesperada de ser mais relevante. Pelo 'preço certo', pode ser uma boa, virando 'mentor' de alguns dos garotos e colocando os Knicks nos playoffs.

Uma possível e já especulada troca seria baseada ao redor de Kevin Knox e Frank Ntilikina. Entretanto, por ter muitos garotos, a negociação fica mais complicada, já que os salários desses jogadores são muito baixos, e os Knicks teriam dificuldade em absorver o salário gigante de Westbrook - US$ 170 milhões (R$ 650 milhões) em quatro anos restantes.

Se juntar a Jimmy Butler em Miami

A troca não seria fácil e provavelmente Pat Riley e o Miami Heat teriam que abrir mão de algumas escolhas de draft e de algum jogador promissor como Justise Winslow ou Bam Adebayo. Além disso, provavelmente 'se livrariam' de contratos altos, como o de Goran Dragic.

Ao lado de Jimmy Butler, Westbrook formaria uma dupla de muita explosão física e intensidade, podendo ser inclusive a ajuda que Pat Riley precisa dar ao ala-armador em busca de um título.