<
>

Sabe aquele jogador que o seu time de NBA contratou? Sim, ele vale tudo aquilo

play
Teto salarial? Salário mínimo? Veja um tutorial de como funciona o mercado da NBA (3:04)

Período de contratação de agentes livres tem diversas regras (3:04)

Um usuário do Twitter está feliz que seu time, o New Orleans Pelicans, não deu o contrato de US$ 63 milhões para Julius Randle. “Não que ele não valha a pena. eu só não quero que o meu time seja aquele que paga esse tipo de contrato."

Outra conta, aparentemente especializada no negócio lucrativo dos memes da internet do Milwaukee Bucks (daí o nome, @memes_bucks), disse que Malcolm Brogdon, que foi negociado para o Indiana Pacers e imediatamente assinou um contrato de US$ 85 milhões, não teria valido “os US$ 90 milhões extras em multas" que os Bucks teriam que pagar.

Jimmy Butler, que trocou o Philadelphia 76ers pelo Miami Heat, não vale o contrato de US$ 142 milhões que assinou porque ele "era fominha e atrapalhou o desenvolvimento de Ben Simmons". D'Angelo Russell? “Provavelmente não vale" o seu contrato de US$ 117 milhões com o Golden State Warriors. Os Knicks tomaram "a decisão correta" em não contratar Kevin Durant porque ele é "um bem machucado" e "não vale um contrato máximo."

Todas as ligas esportivas dos EUA têm um período de free agency - NFL e NHL, aliás, estão acontecendo - mas a NBA possivelmente tem o período mais popular de todos os esportes. Talvez seja porque a liga tem a maior coleção de astros do mundo. Talvez seja porque os jogos da NBA são transmitidos para mais de 200 países. Assim, embora tenhamos grandes argumentos sobre se Neymar realmente “valeu” tudo aquilo que o PSG pagou por ele, são as transações da NBA que ganham maior parte da atenção.

Isso provoca análises constantes, argumentos e debates sobre o suposto valor dos jogadores da NBA. Não importa que nem os torcedores, nem os especialistas realmente paguem as centenas de milhões de dólares em salários distribuídos pelos 30 clubes da liga a cada temporada, eles ainda vão comentar. Aqueles que deveriam ser os meses mais tranquilos da NBA (logo após a decisão do título), se tornaram um grande leilão de quanto vale um ser humano para um time bilionário.

"Por que as pessoas não podem celebrar esses caras sendo pagos? Em vez de comparar e falar sobre quem "merece" o quê. Você vale o que quer que alguém lhe pague… é legal ver jovens rapazes (negros ou não) ganhando milhões de dólares”, tweetou Fred VanVleet, armador do Toronto Raptors, na tarde de segunda-feira.

Os jogadores da NBA assinam contratos, mas eles não são uma série de números e pontos decimais. Quando Russell Westbrook assina uma extensão de contrato de US$ 205 milhões ou Bobby Portis recebe um contrato de US$ 31 milhões, é porque eles valeram a pena para suas equipes. Os jogadores nem podem ser tecnicamente pagos em excesso: as equipes precisam gastar pelo menos US$ 98.226.000 neste verão. O dinheiro tem que ir para algum lugar.

Mas se uma equipe não puder se dar ao luxo de mergulhar em nas multas por exceder o limite, ou não puder arcar com a possibilidade de construir um plantel em torno de um homem de US$ 200 milhões, o dono deve, nas palavras imortais de, justamente, um desses donos, vender a equipe.