<
>

Playoffs NBA: Como Curry e Golden State voltaram ao modo 'Warriors arrasador do passado' em show contra os Mavericks no 1º jogo da final do Oeste

Stephen Curry comandou o Golden State Warriors na vitória por 112 a 87 contra o Dallas Mavericks, no jogo 1 das finais da Conferência Oeste


Algo mudou com Stephen Curry agora que o Golden State Warriors passou a disputar mesmo o título da NBA pela primeira vez em quase três anos: agora ele é o veterano.

“Quando olho para alguns desses caras eu me lembro de como eles ainda são jovens”, disse Curry sobre as novas estrelas da liga enquanto se preparava para a chegada dos Mavericks a San Francisco.

“Jayson Tatum tem 24 anos. Luka [Doncic] tem 23. Ja [Morant] tem 22. Esse é o momento em que você pensa: 'Droga, eles são realmente jovens'. Você pensa no que estava fazendo na idade deles, tentando entrar em cena e jogar nos playoffs”.

A NBA tem sido uma liga governada por veteranos venerados que ensinam os novatos antes de abandonar as quadras.

Poucas estrelas da NBA nas últimas décadas levantam um troféu antes de chegarem ao auge, e certamente não sem muita ajuda. Doncic tem planos para acelerar a caminhada assim como Curry, que antes era o novato favorito da América e, como em um flash, se tornou o veterano de 34 anos.

A vitória dos Warriors por 112 a 87 contra Dallas, no jogo 1 da final da Conferência Oeste, foi um lembrete oportuno de que, na NBA, campeonatos ainda são a melhor fonte de inspiração.

Embora tenha sido cercado pelo principal marcador dos Mavericks, Curry mostrou a postura de um jogador experiente. Ele liderou em pontos (21), rebotes (12) e assistências (quatro, empatados com outros quatro) no primeiro jogo decisivo do Oeste, a primeira vez na carreira em playoffs que fez isso nos três quesitos segundo estatísticas da ESPN.

“Estamos confortáveis”, disse Curry. “Há mais gratidão por estar de volta aqui e o senso de urgência em não deixar a oportunidade escapar. Sabemos como essas coisas acontecem, mas estou gostando. Sei que Klay [Thompson] também está, que Draymond [Green] está porque não disputamos esses jogos decisivos há duas temporadas. É especial”.

A vitória não foi a exibição mais espetacular de Curry e nem dos Warriors. No entanto, houve muitos casos em que os jogadores mostraram que a antiga sintonia pode ser retomada com continuidade, momentos em que a defesa de Draymond Green freou as inúmeras tentativas de arremesso de Dallas.

Os Warriors passaram grande parte da noite em transição contra um time dos Mavericks que prefere deixar Doncic conduzir as posses de bola no meio da quadra. Graças ao trabalho defensivo obstinado de Andrew Wiggins, os Warriors dificultaram a vida de Doncic em sua primeira aparição nas finais da conferência.

A abertura da série também foi uma declaração pública sobre o quão influente o Golden State tem sido nas tendências que definem o basquete da NBA. Os Warriors contaram o tempo todo com um pivô com alcance limitado para reforçar sua defesa no garrafão, e levaram o dobro de chutes de média distância em relação aos avanços ao aro.

Para a equipe que revolucionou a liga por uma década, Golden State parecia positivamente 'jurássico' (e totalmente eficaz).

Não é incomum que mesmo os idealistas mais fervorosos adotem o pragmatismo na meia-idade. Da ascensão à grandeza, os Warriors quebraram as regras do basquete convencional da NBA, reescreveram algumas outras e estabeleceram algumas novas. Agora, depois de três anos 'no deserto' enquanto cuidavam das lesões de alguns jogadores importantes, a equipe adotou uma combinação de sabedoria dos guerreiros.

Os Warriors sabem que, ainda que Dallas erre tantos chutes quanto Phoenix na última série, é improvável que percam novamente um quarto dos arremessos de longa distância nas finais do Oeste.

De sua parte, Curry parece encantado por ser mentor e rival de uma nova geracao de estrelas da NBA.

Ele ficou maravilhado com o trabalho e a liderança de Morant durante a vitória dos Warriors sobre Memphis nas semifinais da conferência. Curry também reconheceu que parar o jovem virtuoso dos Grizzlies no futuro não será fácil.

Mas a idade também afirma a autoconfiança.

É o que hoje entende um cara que ganhou três anéis, dois prêmios de MVP e mudou a maneira como a NBA joga basquete: Curry pode confiar em seus instintos sem falhar.

Mas idade também é um lembrete de que o relógio está correndo.