<
>

NBA Playoffs: Jrue Holiday ajudou a esposa a vencer, agiu contra o racismo e quer a conquista final

Armador tem sido peça importante em quadra e agiu como um All-Star fora dela


Durante sua temporada de calouro em UCLA, em 2008, Jrue Holiday foi assistir a um jogo do time feminino de basquete. Quando estava chegando em seu lugar na arquibancada, uma jovem fã se aproximou, perguntou se ele era Darren Collison e pediu um autógrafo.

A mulher era Lauren Cheney, que hoje chamamos de Lauren Holiday. Bicampeã olímpica e campeão mundial com a seleção de futebol dos EUA, ex-jogadora de UCLA e, desde 2013, esposa de Jrue.

Os dois não começaram a namorar logo depois do hilário primeiro encontro. Mas a amizade virou casamento, família e centro de uma das histórias de superação mais impressionantes no mundo da NBA.

"Ela era bonita, foi a primeira coisa que percebi. Nós estávamos com outras pessoas na época, mas começamos a namorar depois que fui draftado", contou o armador do Milwaukee Bucks que nesta sexta-feira tenta fechar a série semifinal de conferência contra o Boston Celtics, no Jogo 6, com transmissão pela ESPN no Star+ às 20h30 (de Brasília).

Oito anos depois do primeiro encontro, Lauren deu à luz a filha do casal. Mas o nascimento de Jrue Tyler Holiday foi cercado de apreensão.

Depois de ser campeão do mundo com a seleção dos EUA de futebol, a meio-campista decidiu se aposentar. Em seguida, o diagnóstico de um tumor benigno no cérebro pegou de surpresa Lauren e Jrue já durante a gravidez. A decisão do marido, na época uma das estrelas do New Orleans Pelicans, foi imediata: deixar o time para ficar ao lado de sua esposa.

Em 20 de setembro de 2016, a caçula nasceu. Em 22 de outubro, Lauren retirou o tumor do lado direito do cérebro.

"Quando for a hora certa, o Jrue vai voltar para o time", disse Dell Demps, então general manager dos Pelicans, na época. "Nós acreditamos que o mais importante é ele estar com a família e ser o melhor marido que pode ser agora. Nossos corações e pensamentos estão com eles.

"Você reza", comentou Holiday em novembro, quando retornou aos Pelicans depois de três meses focado em ajudar Lauren. "Eu sou abençoado. Abençoado por ter a minha família de volta, por elas estarem bem. Abençoado pelo apoio que recebi do time. Nem consigo começar a explicar o quanto eles nos ajudaram. Os fãs, tantas orações, tanto apoio. Inacreditável."

Quase quatro anos após superar um dos maiores desafios da vida, o casal encontrou uma forma de agir - e retribuir. Em julho de 2020, em meio à pandemia e pouco antes da volta da NBA na bolha da Disney, eles decidiram que todo o salário que Jrue ainda receberia na temporada seria utilizado para dar início a um fundo de justiça social no combate ao racismo.

Foi assim que surgiu o Jrue e Lauren Social Justice Impact Fund, que distribuiu os quase 5,3 milhões de dólares pagos ao jogador na reta final da temporada 2019-20.

"Honestamente, eu e minha esposa conversamos sobre como poderíamos fazer o movimento andar e ajudar nossa comunidade", contou Jrue.

A maior parte do dinheiro foi dedicado a iniciativas sem fins lucrativos comandadas por negros nas comunidades de Nova Orleans, Los Angeles e Indianapolis - além de outras cidades escolhidas ao redor do país.

Em maio de 2021, a dupla abriu uma nova rodada de aplicações para o fundo que levantou mais de 1 milhão de dólares, agora também ajudando as empresas de Milwaukee, novo lar do casal.

Em junho de 2021, a recompensa chegou oficialmente para Jrue.

O armador dos Bucks, que ainda ajudaria a carregar o time até o título da NBA, recebeu o prêmio de espírito esportivo da NBA pela temporada 2020-21 por representar os ideais do basquete em quadra.

"Significa muito. Saber que isso vem dos jogadores, os caras que passam por tudo isso comigo, que sacrificam seus corpos, treinam até nas férias... significa muito."

Agora, ele quer seu segundo título. Uma forma de coroar as vitórias que teve - dentro e fora das quadras.

*Material publicado originalmente em 6 de julho de 2021