<
>

Ex-NBA, Adreian Payne morre aos 31 anos depois de tiroteio nos EUA

Ex-jogador da NBA, Adreian Payne foi morto aos 31 anos em Orlando, Flórida, nesta segunda-feira (09), depois de um tiroteio.

Ele foi levado ao hospital onde teve sua morte confirmada. Payne foi a 15ª escolha do Atlanta Hawks no draft de 2014.

Segundo autoridades locais, um homem identificado como Lawrrence Dority foi preso por realizar disparos e assassinato de primeiro grau. Dority ficou no local e falou com a polícia antes de ser levado para a cadeia.

Payne foi membro do segundo time All-Big Ten em duas de suas quatro temporadas (2013, 2014) em Michigan State. Ele teve média de 16.4 pontos por jogo e 7.3 rebotes por jogo pelos Spartans e levou o time ao Elite Eight na temporada 2013-14.

Estrela do Golden State Warriors, Draymond Green, companheiro de Payne por duas temporadas em Michigan State, tuitou emojis de coração partido nesta segunda-feira após saber da notícia.

O jogador de 2,08m jogou quatro temporadas na NBA e defendeu vários times. Em 2018, foi dispensado pelo Orlando Magic após ter seu nome envolvido em acusações de violência sexual nos tempos Michigan State. Nenhuma acusação oficial foi feita no caso.

Payne nunca jogou na NBA de novo, mas passou os últimos anos de sua carreira no exterior.

Durante seu período em Michigan State, Payne criou um laço com Lacey Holsworh, uma menina de 8 anos que se tornou uma inspiração para ele e o time. Holsworth ajudou o time a cortar as cordas das cestas quando eles venceram o torneio Big Ten de 2014. Semanas depois, Holsworth morreu, e Payne fez um pronunciamento sobre sua morte na época.

“Palavras não podem expressar o quanto eu já sinto falta da Lacey”, disse ele. “Ela era minha irmã e sempre fará parte da minha vida. Ela me ensinou a combater todas as dificuldades com um sorriso no rosto, mesmo quando tudo dá errado.”

Em setembro, Payne tuitou que faria uma pausa em sua carreira no basquete porque seu filho de 4 anos, Amari, teria que passar por uma cirurgia no cérebro. Ele disse que o basquete não era mais importante que sua família.

“Eu vou voltar a fazer o que amo em breve,” Payne escreveu sua declaração. “O basquete tem o meu coração. Amari é minha vida.”