<
>

Johnny Walker aprova críticas dos fãs após luta com Marreta: 'Querem ver sangue'

play
UFC 270: Ngannou vence Gane na luta agarrada, mantém cinturão e segue à espera de Jon Jones (0:43)

O camaronês segue como campeão da categoria e dá ao rival francês a sua primeira derrota em 11 combates no MMA profissional. (0:43)

Em entrevista à Ag.Fight, Johnny Walker concordou com as críticas feitas pelos fãs após luta com Thiago Marreta e admitiu que poderia ter sido um pouco mais agressivo em algumas ocasiões


Quando o UFC agendou o confronto entre Johnny Walker e Thiago ‘Marreta’ para encabeçar o card da edição ‘Vegas 38’, a expectativa era de que os meio-pesados (93 kg) brasileiros produziriam um empolgante duelo em pé, com grandes chances de ser decidido por um nocaute.

Porém, o que se viu foi um combate de muito estudo e cautela, onde ambos evitaram se expor de forma desnecessária, o que gerou uma série de críticas por parte dos fãs. Passados alguns meses, um dos protagonistas da luta reconheceu que o público estava certo.

Em entrevista à Ag.Fight, Johnny Walker concordou com as críticas feitas pelos fãs e admitiu que poderia ter sido um pouco mais agressivo em algumas ocasiões durante a luta. Porém, ainda que entenda a reclamação dos torcedores, o carioca ressaltou que os atletas não podem se deixar levar pela vontade dos fãs.

Na visão do meio-pesado, por fazer parte da elite do esporte, o cuidado tem que ser redobrado e, consequentemente, apresentar um estilo de luta mais estratégico é fundamental para o sucesso.

O plano de jogo defendido pelo carioca representa uma mudança de postura se comparado ao que Johnny apresentava em seu início de trajetória no UFC, onde optava por explorar suas valências físicas e técnicas com muita agressividade, o que lhe rendeu três vitórias por nocaute em seus primeiros combates no octógono mais famoso do mundo.

“Os fãs estão certos. Eles querem ver sangue, cabeça rolar, ‘nego’ morrer. Eles estão certos, tem que reclamar mesmo. A gente que tem que se cuidar, né? A gente não pode ir na vibe dos fãs. Tem que ir para vencer, com a estratégia. Porque é o nível mais alto, são os melhores do mundo. Se a gente chegar lá de qualquer maneira, toma um soco e acaba a luta. Então, tem que ser mais estudado e aproveitar as oportunidades”, explicou Johnny, antes de completar.

“Eu tive algumas oportunidades boas (contra o Marreta) e eu desperdicei. Eu vi que ele sentiu alguns golpes meus e eu deixei ele recuperar, em vez de ir para cima e tentar finalizar a luta. Então, foi uma coisa que eu não vou deixar mais acontecer. Eu vou sentir mais a luta e quando eu vir que o adversário sentiu um golpe, eu não vou perder a oportunidade, vou lá fazer a mãe dele chorar”, concluiu.

O combate entre Thiago ‘Marreta’ e Johnny Walker, disputado em outubro do ano passado, terminou com a vitória do primeiro, por pontos, após cinco rounds de poucos golpes significativos conectados por ambas as partes. Com o revés, Johnny soma agora quatro vitórias e três derrotas dentro do UFC.

O carioca, 10º colocado no ranking dos meio-pesados, terá a oportunidade de se recuperar e retomar o caminho das vitórias no próximo dia 19 de fevereiro, quando medirá forças com Jamahal Hill, em evento que deve acontecer em Las Vegas (EUA).