<
>

Chiesa mostra respeito e elogia Vicente Luque: 'Meu adversário mais perigoso'

play
No UFC, lutador leva dedada acidental, olho 'fecha' e combate fica sem resultado (0:20)

Luta entre Andre Fili e Daniel Pineda terminou sem resultado no UFC deste sábado (0:20)

O UFC 265 será realizado no dia 7 de agosto, em Houston (EUA), conta com duas disputas de título, mas um embate entre meio-médios também se destaca no card principal. Na atração, Michael Chiesa e Vicente Luque, integrantes do top-10 da categoria, vão medir forças e o vencedor ficará próximo da posição de desafiante da divisão. Apesar da importância do embate, o clima entre os lutadores é de respeito. Tanto que o americano enalteceu o adversário.

Ao participar do podcast ‘Believe You Me’, de Michael Bisping, Chiesa, que além de atleta é analista de lutas, abriu o jogo e opinou sobre seu próximo combate. De acordo com ‘Maverick’, Vicente é o adversário mais difícil de sua carreira. Vale destacar que, ao longo de sua trajetória no MMA, o americano enfrentou nomes como Anthony Pettis, Beneil Dariush, Carlos Condit, Jorge Masvidal, Rafael dos Anjos, entre outros profissionais.

Chiesa frisou que o que torna Vicente tão perigoso é sua capacidade de realizar o simples com eficiência. A curiosidade é que, assim como ‘Maverick’ elogiou o adversário, o próprio Vicente também fez questão de enaltecer as qualidades do americano em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight. Apesar de acompanhar de perto a carreira de ‘The Silent Assassin’, o vencedor do TUF 15 garantiu estar preparado para justificar sua posição entre os melhores meio-médios do UFC e adiantou que gosta de combates deste nível.

“Acho que Vicente, sem exceção, é o adversário mais perigoso que já enfrentei. Ele ganhou nove das últimas dez lutas, oito pela via rápida. Ele pega um dos bônus de performance o tempo todo, é muito perigoso. Ele tem poder nas mãos, grande disciplina e não comete muitos erros. Ele é fundamentalmente sólido. Ele permanece dentro do básico e isso ganha lutas. Ele tem um poder devastador e finalizações no arsenal. É o cara mais perigoso que já enfrentei”, elogiou Chiesa, antes de completar.

“Não posso cometer um único erro tático na luta se quiser vencer. Eu tenho que estar no ponto. Não posso errar. Quando cometem um erro com ele, isso muda a luta. Ele faz parte de um grande time. Ele é um cara duro, bom competidor, um homem de família e muito perigoso, mas estou animado com a oportunidade. Me sinto bem contra caras que representam esse tipo de ameaça. Isso traz à tona o melhor de mim, porque meus sentidos ficam muito mais aguçados”, concluiu.

Atualmente, Michael Chiesa, de 32 anos, é o número seis no ranking dos meio-médios e vive seu melhor momento na carreira. Desde que trocou o peso-leve (70 kg) pela atual categoria, ‘Maverick’ disputou quatro combates e venceu todos. Seus principais triunfos no MMA foram diante de Al Iaquinta, Beneil Dariush, Carlos Condit, Francisco ‘Massaranduba’, Jim Miller, Neil Magny e Rafael dos Anjos.

Chiesa frisou que o que torna Vicente tão perigoso é sua capacidade de realizar o simples com eficiência. A curiosidade é que, assim como ‘Maverick’ elogiou o adversário, o próprio Vicente também fez questão de enaltecer as qualidades do americano em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight. Apesar de acompanhar de perto a carreira de ‘The Silent Assassin’, o vencedor do TUF 15 garantiu estar preparado para justificar sua posição entre os melhores meio-médios do UFC e adiantou que gosta de combates deste nível.

“Acho que Vicente, sem exceção, é o adversário mais perigoso que já enfrentei. Ele ganhou nove das últimas dez lutas, oito pela via rápida. Ele pega um dos bônus de performance o tempo todo, é muito perigoso. Ele tem poder nas mãos, grande disciplina e não comete muitos erros. Ele é fundamentalmente sólido. Ele permanece dentro do básico e isso ganha lutas. Ele tem um poder devastador e finalizações no arsenal. É o cara mais perigoso que já enfrentei”, elogiou Chiesa, antes de completar.

“Não posso cometer um único erro tático na luta se quiser vencer. Eu tenho que estar no ponto. Não posso errar. Quando cometem um erro com ele, isso muda a luta. Ele faz parte de um grande time. Ele é um cara duro, bom competidor, um homem de família e muito perigoso, mas estou animado com a oportunidade. Me sinto bem contra caras que representam esse tipo de ameaça. Isso traz à tona o melhor de mim, porque meus sentidos ficam muito mais aguçados”, concluiu.

Atualmente, Michael Chiesa, de 32 anos, é o número seis no ranking dos meio-médios e vive seu melhor momento na carreira. Desde que trocou o peso-leve (70 kg) pela atual categoria, ‘Maverick’ disputou quatro combates e venceu todos. Seus principais triunfos no MMA foram diante de Al Iaquinta, Beneil Dariush, Carlos Condit, Francisco ‘Massaranduba’, Jim Miller, Neil Magny e Rafael dos Anjos.