<
>

UFC 263: Deiveson promete novo estilo, admite ter subestimado Moreno e provoca Cejudo: 'Está gordo'

play
Deiveson admite que subestimou Moreno em 1ª luta, mas garante: 'Não passa do 2º round' (1:55)

Lutador brasileiro do UFC concedeu entrevista exclusiva a Gustavo Faldon, do ESPN.com.br (1:55)

Deiveson Figueiredo (20-1-1) tentará mais uma vez neste sábado, no Arizona, defender o seu cinturão do peso mosca, no UFC 263, em uma revanche contra Brandon Moreno (18-5-2). No primeiro duelo entre os dois, no UFC 256, em dezembro, o brasileiro foi punido com um ponto na luta após acertar as partes baixas do mexicano. E esse ponto fez diferença, já que na decisão dos jurados o combate terminou empatado.

Mas o brasileiro garante que dessa vez será diferente, que não irá subestimar Moreno como fez na primeira luta entre eles, na qual Deiveson entrou no octógono apenas 21 dias depois de conseguir sua primeira defesa de cinturão, contra Alex Pérez.

*Conteúdo patrocinado por Sportingbet

"O treino foi voltado ao Brandon Moreno durante quase quatro meses. Até meu estilo de luta eu trabalhei para mudar, aquele cara ali de guarda baixa não vai ter, pode ter certeza disso. E se entrar ali um estilo guarda baixa, a esquiva vai estar em dia. A gente está com uma estratégia muito boa. Plano A, B e C. Se não der certo, vou colocar os três em ação", disse Deiveson, à ESPN.

"Agora a gente não vai subestimar ele, porque houve um pouco de negligência da nossa parte, de achar que íamos chegar e nocautear. Agora a gente sabe que ele é um cara que tem um boxe dele, é um cara duro que aguenta golpes e treinamos para nocautear esse cara, treinamos muito para vencer no primeiro round ainda. Pode ter certeza que, com paciência, pode passar do primeiro, mas do segundo não passa", completou.

Deiveson ainda disse que achava inicialmente que seria uma luta fácil contra o mexicano.

"Para falar a verdade, eu achei que seria uma luta fácil, entendeu? Eu não sei te falar exatamente, não desmerecendo o cara, mas eu não lutei 100% contra ele. Agora eu quero lutar, estando bem fisicamente, quero bater esse peso lá, ter uma recuperação perfeita, saudável, pra que no sábado, na hora do show eu esteja lá 100% pra mostrar pra ele o meu verdadeiro potencial".

O brasileiro garantiu que não irá mais passar pela experiência de fazer lutas com um intervalo curto de tempo.

"Aquilo foi uma experiência que eu não quero repetir. Eu prefiro pegar lutas agora com meses - três ou quatro meses - para que possa treinar voltado ao atleta que eu for enfrentar", analisou.

play
0:50

Deiveson diz que não lutou 100% contra Moreno: 'Achei que seria uma luta fácil'

Lutador brasileiro do UFC concedeu entrevista exclusiva a Gustavo Faldon, do ESPN.com.br

"Eu estava ciente que ganhei a luta, se não fosse o ponto tirado (pelo chute baixo) e, quando ele (árbitro) viu, que várias vezes...primeiro foi o dedo no olho dele - o juiz não chamou atenção - e quando pegou nas partes genitais dele, o juiz era pra ter me chamado atenção e o cara me tirou um ponto de imediato, então foi algo inacreditável, entendeu? Mas se eu perdi um round para ele, foi um durante a luta. Não só eu, mas eu já vi entrevistas de caras que vivem de luta, caras que sabem estudar uma luta e que falaram que eu ganhei os quatro rounds, perdi um round pra ele. Minha equipe viu a luta e disse que eu perdi um round para ele. O que tiraram ponto, tudo bem, foi um round empatado, mas, se não fosse aquela infelicidade, eu teria ganhado claramente o round. Mas agora você pode ter certeza que eu estou preparado para mostrar a ele que eu sou o verdadeiro dono do cinturão".

Provocações a Cejudo

play
1:10

Campeão do UFC, Deiveson Figueiredo volta a provocar Cejudo: 'O cara está gordo'

Lutador brasileiro do UFC concedeu entrevista exclusiva a Gustavo Faldon, do ESPN.com.br

Desde que se tornou campeão dos moscas, Deiveson tem tentado provocar Henry Cejudo, ex-campeão da categoria, para tentar viabilizar um combate com ele.

"O Cejudo é um cara que eu queria muito enfrentar ele na minha categoria, de 57kg, mas eu tenho certeza de que ele não vai descer. O cara está gordo, ele realmente está aposentado e a gente mexe um pouquinho da cabeça dele pra ver se ele para de ficar provocando não só a mim, mas meu irmão… O cara provoca até atletas que não são do MMA e sim do boxe. Mas se ele quiser fazer um retorno na 61kg, eu aceito lutar com ele, pra fazer essa luta acontecer. Vai que o Dana resolve pagar US$ 1 milhão pra nós ai… Aí eu tenho certeza que ele vem lutar comigo. Ele está esperando o Dana pagar uma bolsa boa pra ele".