<
>

Após vencer no UFC, Warlley Alves se declara para Dana White e provoca Nate Diaz: 'Ele é maconheiro'

play
Brasileiros fazendo história, lendas se aposentando e muito mais: os grandes momentos do UFC em 2020 (2:43)

Movimentado ano ainda teve a criação da Ilha da Luta e muita provocação (2:43)

O UFC Fight Island 8 pode ter marcado a volta por cima de Warlley Alves na organização. No evento realizado nessa quarta-feira (20), em Abu Dhabi (EAU), o brasileiro impressionou ao nocautear Mounir Lazzez no primeiro round após dois anos sem lutar, conquistou um dos bônus de ‘performance da noite’ e não escondeu o interesse em recuperar o tempo perdido. Empolgado com o triunfo, o vencedor do ‘TUF Brasil 3’ proferiu elogios a Dana White, mas o mesmo não se aplica a Nate Diaz.

Na coletiva de imprensa realizada após o evento, Warlley não pensou duas vezes e mirou o ‘bad boy’. Vale lembrar que, ainda no octógono, o brasileiro desafiou Diaz de forma veemente.

Aos jornalistas presentes, o atleta explicou que o fato do desafeto ser usuário de maconha o motivou a pedir a luta e condenou a postura do mesmo. Quanto a Dana, o vencedor do TUF Brasil 3 enalteceu a coragem do presidente do UFC e indicou que a evolução da companhia não aconteceria sem a presença de seu líder.

“Diaz não está no top-15, é duro, mas não é um sonho impossível. Seria hipocrisia eu pedir um top-15 agora. Estou com um cartel irregular, boto o pé no chão e procuro trabalhar. Ele é um mau exemplo para o esporte. Ele é maconheiro! Vencedores não usam drogas e, em muitos países, isso é ilegal".

"Muitas pessoas o seguem, o assistem, muitas crianças. Ele é um mau exemplo e não gosto dele por isso. A gente tem que ter noção que o que a gente faz vai ser copiado por muitas pessoas. Disse para Dana que nada aconteceria sem ele. O cara mais importante do evento é ele. Foi ele que proporcionou tudo isso para a gente, quando ele abraçou aquele sonho há anos”, declarou Warlley.

Warlley Alves chegou ao UFC cercado de expectativa, mas, até o momento, ainda não conseguiu se firmar. Ao menos, o vencedor da terceira edição do TUF Brasil voltou ao caminho das vitórias nos meio-médios (77 kg) da organização ao nocautear Mounir Lazzez.

O brasileiro iniciou sua caminhada na companhia em 2014, disputou 12 lutas nela, venceu oito vezes e perdeu outras quatro. Além de Lazzez, seus triunfos mais marcantes foram diante de Alan Jouban, Colby Covington e Serginho Moraes.