<
>

Treinador aponta condição para Joanna lutar novamente: 'Tem que ser algo grande'

play
Brasileiros fazendo história, lendas se aposentando e muito mais: os grandes momentos do UFC em 2020 (2:43)

Movimentado ano ainda teve a criação da Ilha da Luta e muita provocação (2:43)

Sem lutar desde março do ano passado, quando protagonizou – ao lado de Zhang Weili – uma das lutas mais empolgantes da história da modalidade, Joanna Jedrzejczyk ainda não tem novo compromisso agendado. E, de acordo com Mike Brown, treinador da polonesa na ‘American Top Team’, o UFC não terá tarefa fácil para convencer a ex-campeã peso-palha (52 kg) a voltar a pisar no octógono, dependendo da oferta.

Em entrevista ao site ‘MMA Junkie’, Brown afirmou que apenas grandes confrontos, tanto em importância como em relação à adversárias, seriam capazes de empolgar Joanna a ponto de fazê-la calçar as luvas novamente. De acordo com o treinador, neste momento, a lutadora europeia, indiscutivelmente um dos maiores nomes do MMA feminino em todos os tempos, não tem interesse em duelos menores que possam ser oferecidos pela organização.

Apesar disso, o treinador da ‘ATT’ fez questão de reforçar que a ex-campeã segue disposta a continuar sua carreira, apenas com um filtro maior para as ofertas do Ultimate. Vale lembrar que, recentemente, a própria Joanna insinuou que reivindicaria recompensas financeiras maiores para retornar ao octógono, além de indicar que poderia aguardar a volta do público nas arenas para competir novamente.

“Ela já esteve lá, fez isso, fez tudo isso. Ela foi uma campeã do UFC por muitos anos e talvez esteja empatada por mais lutas de título – ela está lá em cima como uma das mais condecoradas lutadoras de todos os tempos, e tem que ser algo grande para atrai-la. Ela não vai lutar alguma luta pequena sem importância que não significa nada”, explicou Mike Brown, antes de completar.

“Eu acho que vai ser preciso algo para empolgá-la, alguma coisa significante para tirá-la do sofá e colocá-la dentro do cage. Mas ela definitivamente está disposta e preparada e faminta e querendo isso, mas eu não acho que nesse ponto de sua carreira, ela vai lutar por migalhas ou para se provar. Ela não tem nada a provar. Ela foi uma campeã mundial por anos e tem que ser algo que a estimule”, afirmou.

Um dos combates de grande proporção que, com certeza, estimulariam o retorno da polonesa seria a revanche contra Zhang Weili, especialmente considerando que o equilibrado primeiro encontro terminou com a vitória da chinesa na decisão dividida dos juízes. Ainda que os planos do UFC para o futuro imediato da atual campeã peso-palha da entidade não incluam Jedrzejczyk, Mike Brown demonstra otimismo e vê boas chances do confronto se repetir em algum momento.

“Eu acho que ela tem uma boa chance de conseguir outra disputa de título para ser honesto, só porque a luta foi muito próxima, ela é uma atração, ela é carismática, as pessoas querem vê-la lutando e eu acho que é isso que ela quer. Mas para isso acontecer, nós precisamos que as coisas andem. Eu acho que ela não é a próxima, não tenho certeza quem vai ser a próxima, se é Rose (Namajunas) ou quem quer que seja, mas isso precisa acontecer. Nós precisamos que a campeã lute, e depois eu acho que ela vai ter sua chance, mas eu acho que eles querem dar algumas outras lutas para Weili”, ponderou o treinador.

Com carreira de sucesso no muay thai e no kickboxing, Joanna Jedrzejczyk compete no MMA profissional desde 2012 e soma 16 vitórias e quatro derrotas em seu cartel. A polonesa dominou a divisão dos palhas no UFC entre março de 2015 e novembro de 2017, quando perdeu o cinturão da categoria para a americana Rose Namajunas.