<
>

Esquiva Falcão elege próximo rival como mais difícil da carreira e traça meta para 2021

play
Brasileiros fazendo história, lendas se aposentando e muito mais: os grandes momentos do UFC em 2020 (2:43)

Movimentado ano ainda teve a criação da Ilha da Luta e muita provocação (2:43)

Após ter dificuldades para achar um adversário de renome para enfrentá-lo no fim de 2020, Esquiva Falcão vai começar 2021 do jeito que gosta, dentro do ringue e contra um rival que pode jogá-lo mais perto de uma disputa de cinturão. O brasileiro vai enfrentar o russo Artur Akavov, que já disputou o título dos médios da WBO (Organização Mundial de Boxe) no dia 20 de fevereiro em evento que vai acontecer em Las Vegas (EUA).

Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight, Esquiva valorizou o confronto e a importância que ele vai acarretar para o futuro de sua carreira. O brasileiro não deixou de exaltar as qualidades do rival, que em 2016 e 2019 lutou pelo título mundial, mas foi derrotado em ambas as ocasiões, mas destacou que o jogo do russo casa com o seu.

“Ele é muito duro e acho que o adversário mais difícil que tive na minha carreira até agora. Ele tem um cartel de 20 vitórias e três derrotas. A primeira derrota foi no início da carreira e as duas recentes agora para campeões mundiais. O estilo dele é brigão, vem para cima. Então acho que vai se chocar com o meu e me favorecer muito. Como gosto de trabalhar golpes na linha de cintura e ele vem para cima, vai dar para usar bem isso, movimentar bem. Vou poder mostrar mais do que nas minhas últimas lutas”, analisou.

Apesar de ter lutado duas vezes em 2020, Esquiva não teve a oportunidade de atuar fora do Brasil contra oponentes mais gabaritados e, consequentemente, pelo cinturão. Um dos principais motivos foi a pandemia de COVID-19, que cancelou a maioria dos eventos. Porém, para 2021, a expectativa do medalhista olímpico é a melhor possível.

“Em 2020 era o ano de cinturão para mim. Tive várias propostas para lutar na China, mas a pandemia complicou e atrasou tudo. Então em 2021 vai ser ano de cinturão e vem coisa boa. Eu vencendo o Akavov acredito que a próxima vai ser mais uma luta importante, por cinturão ou contra caras ranqueados. Mas eu quero lutar pelo título esse ano”, afirmou o atual quinto colocado no ranking da Federação Internacional de Boxe (IBF), sexto na Organização Mundial de Boxe (WBO) e sétimo no Conselho Mundial de Boxe (WBC).

Medalhista de prata nas Olimpíada de Londres, em 2012, Esquiva Falcão ostenta um cartel sem derrotas de 27 vitórias, sendo 19 por nocaute. O capixaba se apresentou apenas duas vezes neste ano, ambas em São Paulo, em eventos da ‘Boxing for You’. A primeira foi em fevereiro diante do argentino Jorge Daniel Miranda e a segunda foi em agosto, quando venceu o paraense Morrama Dheisw de Araujo Santos.