<
>

Anderson Silva diz que UFC mudou e elogia antigos donos: 'Nos tratavam como membros da família'

No UFC desde 2006, Anderson Silva vai fechar seu ciclo na organização neste sábado (31). O brasileiro enfrenta Uriah Hall na luta principal de evento que acontece em Las Vegas (EUA). Com o fim se aproximando, ‘Spider’ recordou antigos momentos na franquia, principalmente quando ela estava sob comando de outros donos.

Em entrevista ao site ‘MMA Junkie’, Anderson relembrou quando o Ultimate era liderado por Lorenzo e Frank Fertitta e admitiu que sente saudades dessa época. Em 2016, a Zuffa e a LLC, dos irmãos Fertitta, anunciou a venda do UFC ao grupo William Morris Endeavor, o que provocou não apenas a mudança na gerência da organização como também, de acordo com o ex-campeão do peso-médio (84 kg) da liga, no trato com os atletas.

“Acho que o UFC mudou muito depois que Lorenzo saiu. Ele tentou tornar o UFC uma grande família, mas está agora completamente diferente. Continuo lutando aqui, porque tenho muitos amigos e me sinto bem, mas é óbvio que muita coisa mudou”, disse o curitibano, antes de destacar o que sente mais falta da antiga diretoria.

“Com os irmãos Fertitta, que eram os donos do UFC, a relação com os lutadores era mais próxima, principalmente, para mim. Amo o Dana (White), mas Lorenzo e seu irmão eram próximos dos lutadores e nos tratavam como membros de sua família”, finalizou o atleta.

Aos 45 anos, Anderson se prepara para disputar sua 46ª luta no MMA profissional. Em seu cartel, o brasileiro possui 34 vitórias, sendo 22 por nocaute, dez derrotas e um ‘no contest’. ‘Spider’ foi campeão do Ultimate de 2006 e 2013, quando defendeu seu cinturão com sucesso por dez vezes seguidas, um recorde na categoria.