<
>

UFC: Glover revela como adaptou camp com mudanças de data para luta contra 'Marreta

play
UFC: A última dança de Khabib! Veja como lenda detonou Gaethje, chorou pelo pai e se aposentou invicto (0:49)

Russo encerra sua carreira com 29 vitórias em 29 lutas (0:49)

A pandemia de coronavírus tem atrasado a vida de Glover Teixeira no UFC. Em 2020, o brasileiro teve que lidar com três cancelamentos de lutas, todas elas relacionadas com a doença. Somente diante de Thiago ‘Marreta’, seu próximo adversário, no dia 7 de novembro, em evento em Las Vegas (EUA), a organização mudou a data e o local do confronto por duas vezes. Mas como o lutador mantém sua preparação sem que ela seja prejudicada com tantas alterações?

Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight, o atleta natural de Sobrália (MG) destacou que sua longa caminhada no esporte o deixou acostumado com estes imprevistos de última hora. Depois de, assim como seu adversário, também contrair a COVID-19, o número três do ranking adiantou que agora está pronto para o combate.

“São coisas que acontecem, mas sou experiente e já aconteceu isso comigo antes, até mesmo com a luta contra o Anthony Smith. Estou sabendo lidar bem (com as mudanças). É tirar a carga do treino e voltar forte na hora certa. Preferi esperar para lutar com ele mesmo e agora vai ser em Las Vegas, que é bem melhor”, disse o lutador, antes de revelar toda uma preparação para não “perder” os treinos com os adiamentos.

“É sempre adaptar os treinos, melhorar o que estamos errando e evoluir. São pequenos detalhes que fazem a diferença. É muita disciplina e agora com a ajuda do UFC PI, aliado a uma dieta que venho fazendo, isso me ajuda ainda mais para ficarmos focados. O importante de tudo é manter o foco”, completou o lutador de 40 anos.

Sobre seu próximo compromisso e ter a chance de igualar sua melhor marca no UFC, de cinco vitórias seguidas, conseguida de 2012 a 2013, Glover adiantou sua confiança que o público pode esperar uma verdadeira batalha. A justificativa do brasileiro é simples. Tanto ele, quanto ‘Marreta’ buscam terminar com a luta antes da decisão dos jurados.

“Acho que vai ser um lutão. Claro que ele vai querer manter a luta em pé, mas estou treinando de tudo. Não podemos deixar de treinar nada, porque vai que na hora alguma coisa muda? Então também estou me preparando para defesa de quedas. Somos dois lutadores que vão para acabar com a luta e os fãs vão gostar”, disse.

Caso derrote ‘Marreta’, Glover deve ter novamente a chance de disputar o cinturão da categoria. O brasileiro, que em 2014 teve a chance de conquistar o título, mas foi derrotado por Jon Jones, até então campeão, preferiu adotar a cautela sobre essa nova oportunidade, mas elogiou o polonês Jan Blachowicz, novo rei da divisão.

“Ganhando essa luta eu já devo lutar pelo título, mas não fico pensando muito nisso. Essa era uma luta (contra o Blachowicz) que queria antes de ‘Marreta’, mas escolheram o ‘Marreta’. Agora ele virou o campeão e gosto do estilo dele de lutar. Primeiro o foco é no ‘Marreta’ e passando por essa batalha, começamos a pensar no cinturão”, explicou.

A pandemia de coronavírus tem atrasado a vida de Glover Teixeira no Ultimate. Em 2020, o brasileiro teve que lidar com três cancelamentos de lutas, todas elas relacionadas com a doença. Somente diante de Thiago ‘Marreta’, seu próximo adversário, no dia 7 de novembro, em evento em Las Vegas (EUA), a organização mudou a data e o local do confronto por duas vezes. Mas como o lutador mantém sua preparação sem que ela seja prejudicada com tantas alterações?

Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight, o atleta natural de Sobrália (MG) destacou que sua longa caminhada no esporte o deixou acostumado com estes imprevistos de última hora. Depois de, assim como seu adversário, também contrair a COVID-19, o número três do ranking adiantou que agora está pronto para o combate.

“São coisas que acontecem, mas sou experiente e já aconteceu isso comigo antes, até mesmo com a luta contra o Anthony Smith. Estou sabendo lidar bem (com as mudanças). É tirar a carga do treino e voltar forte na hora certa. Preferi esperar para lutar com ele mesmo e agora vai ser em Las Vegas, que é bem melhor”, disse o lutador, antes de revelar toda uma preparação para não “perder” os treinos com os adiamentos.

“É sempre adaptar os treinos, melhorar o que estamos errando e evoluir. São pequenos detalhes que fazem a diferença. É muita disciplina e agora com a ajuda do UFC PI, aliado a uma dieta que venho fazendo, isso me ajuda ainda mais para ficarmos focados. O importante de tudo é manter o foco”, completou o lutador de 40 anos.

Sobre seu próximo compromisso e ter a chance de igualar sua melhor marca no UFC, de cinco vitórias seguidas, conseguida de 2012 a 2013, Glover adiantou sua confiança que o público pode esperar uma verdadeira batalha. A justificativa do brasileiro é simples. Tanto ele, quanto ‘Marreta’ buscam terminar com a luta antes da decisão dos jurados.

“Acho que vai ser um lutão. Claro que ele vai querer manter a luta em pé, mas estou treinando de tudo. Não podemos deixar de treinar nada, porque vai que na hora alguma coisa muda? Então também estou me preparando para defesa de quedas. Somos dois lutadores que vão para acabar com a luta e os fãs vão gostar”, disse.

Caso derrote ‘Marreta’, Glover deve ter novamente a chance de disputar o cinturão da categoria. O brasileiro, que em 2014 teve a chance de conquistar o título, mas foi derrotado por Jon Jones, até então campeão, preferiu adotar a cautela sobre essa nova oportunidade, mas elogiou o polonês Jan Blachowicz, novo rei da divisão.

“Ganhando essa luta eu já devo lutar pelo título, mas não fico pensando muito nisso. Essa era uma luta (contra o Blachowicz) que queria antes de ‘Marreta’, mas escolheram o ‘Marreta’. Agora ele virou o campeão e gosto do estilo dele de lutar. Primeiro o foco é no ‘Marreta’ e passando por essa batalha, começamos a pensar no cinturão”, explicou.

Aos 40 anos, Glover Teixeira compete no MMA profissional desde 2002 e acumula 31 vitórias e sete derrotas em sua carreira. O brasileiro vem em grande momento no Ultimate e enfileirou vitórias sobre Anthony Smith, Nikita Kylov, Ion Cutelaba e Karl Roberson, em sequência. O mineiro não é derrotado há mais de dois anos, quando foi superado por Corey Anderson, por decisão dos jurados, em junho de 2018.