<
>

UFC 254: 'Não conseguia me mexer': rivais descrevem o 'problema' que é enfrentar Khabib Nurmagomedov

Quer saber como é enfrentar Khabib Nurmagomedov no octógono? Pergunte a alguém que pensou que pegaria leve porque era cerca de 30 quilos mais pesado - apenas para perceber que precisava fazer mais força no sparring com Nurmagomedov. Pergunte a Daniel Cormier.

"Houve momentos em que Khabib estava com poucos parceiros de treino, e eu ia lá para treinar com ele, mas pegava leve, não forçava muito", disse Cormier. "Mas, honestamente, não dá para pegar leve com o Khabib tanto quanto você gostaria. Ele não é um peso leve normal. Ele é grande e é forte".

"Ele tem um ótimo wrestling, então você tem que suar um pouco mais do que geralmente faria com um cara do tamanho dele, mas é isso que o torna tão especial. Ele pode estar do outro lado do octógono, e isso foi quando eu era o campeão dos pesos pesados do UFC, eu faria uma sessão de sparring com ele, e aquele cara não tinha medo. Eu tenho que dar um pouco mais do que normalmente daria para um cara do tamanho dele, porque ele realmente está tentando ganhar”.

Cormier e Nurmagomedov são companheiros de equipe na American Kickboxing Academy desde que Nurmagomedov chegou ao UFC em 2012. Quando Nurmagomedov entrar no octógono para defender o seu cinturão dos leves contra o campeão interino Justin Gaethje no sábado, Cormier estará na armação do octógono trabalhando como comentarista. E Cormier sabe o que Gaethje pode esperar.

"Ele está ficando melhor no controle, o que é um absurdo, porque acho que nunca vi um cara melhor no controle em toda a minha vida", disse Cormier, ex-wrestler olímpico e campeão do UFC nas categorias meio-pesado e pesado, sobre Nurmagomedov. "Ele está ficando melhor na pressão por cima. Ele é melhor perseguindo finalizações quando chega por cima, porque por um tempo, ele só ficava fazendo ground and pound nos caras. Ele não estava finalizando tanto quanto gostaria. Mas agora ele está conseguindo essas finalizações.

“Ele está ficando melhor em manipular tudo. Todo aquele controle que o Khabib faz com as pernas agora, não era assim antes. Ele era um cara de wrestling, como eu, e estávamos tentando controlar tudo com os braços. Ao longo dos anos, ele desenvolveu a capacidade de controlar também com as pernas, o que mudou completamente o seu jogo”.

Aqui estão seis dos últimos sete oponentes de Nurmagomedov, descrevendo como é saber o que ele vai fazer, mas não conseguir pará-lo.


Dustin Poirier

Derrotado por Khabib via finalização no terceiro round em 7 de setembro de 2019

"É tão difícil fazer o seu jogo de pés funcionar contra um cara como o Khabib, que simplesmente corre para frente e te coloca contra a grade. Seu nível de habilidade contra a grade é algo que eu nunca havia visto antes.

“Seu entendimento de equilíbrio, a maneira como ele usa suas pernas, sua distribuição de peso - é difícil explicar para alguém que nunca foi pressionado contra a grade em um cenário de combate. O cara é bom.

"Se Justin conseguir usar seu jogo de pés, usar seu wrestling, eu acho que Justin pode ser capaz de derrotá-lo no centro do octógono. Mas contra a grade, eu acho que não”.

Al Iaquinta

Derrotado por Khabib via decisão unânime em 7 de abril de 2018 após aceitar a luta poucos dias antes

"Khabib não é ortodoxo de pé. Embora possa parecer um pouco - não quero dizer 'amador' - é um problema. Ele é um problema. Ele tem um queixo bom. Você olha para o Edson Barboza, que é um dos melhores do mundo de pé, e o Khabib o fez parecer um cara normal.

"Eu não queria ser derrubado, então só andei para frente. Logo após o começo da luta, fui direto para a frente. A diferença comigo é que eu não descobri que estava lutando com ele até 24 horas antes. Eu estava tipo, 'Quer saber? Vamos para cima’. Eu não tinha nenhuma preocupação no mundo. Eu estava improvisando”.

Edson Barboza

Derrotado por Khabib via decisão unânime em 30 de dezembro de 2017

“Ele é um cara muito forte. Mentalmente, ele também é forte. Todo mundo sabe o seu jogo. Todo mundo sabe o que ele vai fazer, e ele vai lá e faz.

“Acho que isso o torna diferente dos outros caras. Todo mundo sabe o que ele pensa sobre a luta, sobre o que ele tem que fazer. Todo mundo sabe – e ninguém consegue fazer nada para segurá-lo. Ele é um dos melhores leves da história”.

Michael Johnson

Derrotado por Khabib via finalização no terceiro round em 12 de novembro de 2016

“Não foi nada que eu não tivesse visto antes, mas fiquei um pouco preocupado com as quedas dele. Não estava muito confortável. Eu mantive o quadril para trás enquanto dava socos. Eu estava preocupado com a sua queda. Se eu tivesse apenas me focado nisso, acho que teria sido uma história diferente.

"Durante o meu training camp, tive muitas pessoas falando para mim sobre ele, como ele era bom, como o seu controle era bom - se eu não tivesse essas pessoas no meu ouvido falando todas aquelas m***, acho que não teria tido esse problema. Não era nem mesmo a luta dele que era um problema, era definitivamente seu controle por cima. Acho que ele dá opções. Você pode defender os socos, tentar se levantar ou tentar livrar suas mãos. Ele está sempre atacando e mantendo a posição. Ele parece um lutador do peso médio, e eu era o leve menor nessa luta.

"As pessoas falam sobre a mão esquerda que eu acertei, mas nunca pensei que tivesse sido tão forte tanto quanto as pessoas falaram. Você vê coisas diferentes quando está no octógono, e eu não vi Khabib sentir nada. Ele aguenta uns bons socos. Aquele não foi o meu melhor golpe de esquerda porque, de novo, meu quadril estava para trás e eu não pisei com muita força porque estava preocupado com a queda”.

Darrell Horcher

Perdeu para Khabib via TKO no segundo round em 16 de abril de 2016, após aceitar a luta pouco tempo antes

“Eu não diria que ele é fisicamente forte. Já lutei com pessoas mais fortes. Mas ele é implacável com seu Sambo [arte marcial russa]. Assim que batemos no chão, eu não conseguia me mexer.

"Ele é muito bom em tirar a cabeça do centro quando vem para a queda. Eu treino com lutadores realmente bons, e você pode pegar o timing das quedas, mas ele era muito bom em tirar a cabeça do caminho. Não tinha como acertá-lo. O tempo de suas quedas é bom, mas ele não entra como um wrestler convencional no início do processo. É mais uma forma de chegar no Sambo. Eu levantei meus quadris na primeira, mas ele nunca para. Ele vai segui-lo onde quer que você esteja e vai te derrubar.

“Eu treino com meio-pesados e pesados, e isso é o mais próximo que eu já senti do seu jogo por cima. Você pega um meio-pesado que provavelmente pesa 105 kg na academia em cima de você - parecia com o Khabib. Os pés dele eram de concreto. Voltei para o meu corner e me lembro de ter dito: 'Não consigo me mexer quando ele está em cima de mim’. E eles apenas disseram: 'Bem, não deixe que ele fique em cima de você então'. Eu estava tão cansado. A pressão dele suga o fôlego de você. Mesmo se você estiver em forma, e eu estava em forma, mas ele simplesmente acabou com o meu fôlego”.

Rafael dos Anjos

Perdeu para Khabib via decisão unânime em 19 de abril de 2014

“Ele tem um bom controle de cintura. Eu senti que ele estava focado em me manter no chão, porque depois daquela luta, eu não tinha um arranhão sequer. Eu ainda liguei para o meu empresário e pedi para que me arrumasse outra luta logo de cara. Eu lutei 49 dias depois.

“Eu me lembro que, para aquela luta, eu treinei muito pouco wrestling, que foi um dos meus grandes erros. Eu achei que conseguiria manter a luta em cima, mas ele é um bom wrestler. Ele tem derrubado todo mundo que enfrenta no UFC”.

Nota do Editor: Algumas aspas já haviam sido publicadas.