<
>

Johnny Walker ficou 'grogue' para vencer a 1ª depois de um ano e meio no UFC, mas não saiu feliz

play
UFC: Com nocaute incrível em 17 segundos, a lenda do 'novo Khabib' segue crescendo (1:32)

Conheça Khamzat Chimaev, o grande fenômeno do Ultimate que vem acumulando vitórias impressionantes (1:32)

'Conteúdo patrocinado por Sportingbet'

Johnny Walker voltou a vencer no UFC neste sábado, ao nocautear o norte-americano Ryan Spann ainda no primeiro round, em Las Vegas, nos Estados Unidos. Foi seu primeiro triunfo depois de um ano e meio, após duas derrotas consecutivas.

O brasileiro, contudo, não saiu satisfeito do octógono.

“Não estou feliz. Ele me acertou. Me acertou uma vez. Fico feliz com a vitória, mas não com a minha performance. Deveria ter me mexido mais, estado mais na luta... Mais ativo. Venci, estou feliz, mas não foi a forma que gostaria de ter vencido”, disse.

Walker, aliás, sobreviveu a um início de luta difícil, chegando a cair sozinho após dois socos do rival. Ele garante, porém, que não temeu ser nocauteado.

“Não, eu sou um cara duro.”

Sobre as derrotas, para Corey Anderson, em novembro de 2019, e Nikita Krylov, no último mês de março, o lutador preferiu ressaltar o aprendizado que tirou.

“Eu vejo minhas derrotas como parte do processo. Precisavam acontecer. Não tenho tanta experiência. Seis anos como profissional, dois de UFC. É parte do processo. Aprendi. E espero que, se tiver que aprender mais, seja com vitórias”, afirmou.

Para os próximos passos entre os meio-pesados, Walker mira, claro, o cinturão e quer voltar aos combates o mais rápido possível.

“Estou pronto para lutar novamente hoje. Quero lutar o mais rápido possível. Só me avisarem, mandarem o local".