<
>

UFC: Americano descobre sobre lutador executado no Irã e nem consegue dar entrevista: 'Partiu meu coração'

play
Chute de camaronês apaga rival, garante contrato no UFC e deixa Dana White assombrado no Contender Series (0:46)

Tafon 'Da Don' Nchukwi brilhou no programa do chefão do Ultimate e garantiu vaga para lutar contra os melhores (0:46)

Bobby Green não teve muito trabalho para vencer o brasileiro Alan Nuguette no UFC deste sábado, mas acabou chamando mais a atenção mesmo pela entrevista depois da luta. Em um momento bastante emocionante, o norte-americano falou sobre Navid Afkari, lutador de wrestling que foi executado neste final de semana no Irã, acusado de assassinar Hasan Turkman, um agente de segurança do governo, durante manifestações populares em 2018.

"Vocês mostraram alguma coisa sobre alguém que morreu, eu acho que era um cara do Iraque (nota da redação: Navid era do Irã). Eu fiquei de coração partido ao saber que esse homem perdeu sua vida. Eu achei que conseguiríamos salvá-lo, mas ele perdeu sua vida. Isso me deixa maluco. Uma pessoa perdeu sua vida por protestar! Isso mexe com a minha cabeça. Isso é muito triste, irmão... É muito triste. Eu achei que conseguiríamos salvar esse cara. Isso partiu meu coração", disse Bobby Green.

Michael Bisping, que fazia a entrevista, ainda tentou fazer uma pergunta sobre a luta contra Nuguette, mas acabou interrompido mais uma vez.

“Um cara perdeu sua vida, irmão... Eu não quero falar agora. Isso é muito triste, é uma loucura. Eu vi isso logo antes da minha luta e explodiu minha cabeça. Eu não consigo nem falar agora, irmão. Muito obrigado (pelos elogios que Bisping havia feito), mas me desculpe", disse Green.

Navid Afkari tinha 27 anos e alguns títulos na luta olímpica dentro do Irã.

O caso é polêmico porque há acusações de que Navid teria sido torturado para admitir sua culpa no assassinato. Recentemente, um vídeo com a voz de Afkari foi divulgado. Ele se dizia inocente e pedia ajuda.