<
>

UFC: Drama com COVID-19, cinturão para o Brasil e 4 eventos em 14 dias: 10 momentos marcantes da passagem pela Ilha da Luta

play
Werdum rejeita sparring com Tyson: 'Não quero apanhar de graça' (1:43)

Lutador brasileiro falou sobre a volta de Mike Tyson à ESPN (1:43)

Dana White falou no começo da pandemia pela primeira vez que planejava levar os eventos do UFC para a Ilha da Luta.

Meses depois o projeto se consolidou. Seriam 14 dias em julho com quatro eventos com quatro disputas de cinturão em Abu Dhabi. O mês insano do UFC teve mudanças de planos, lutas históricas para o Brasil, lances espetaculares, nocautes, finalizações, sangue e até despedida de uma lenda.

O próprio Dana White admitiu antes de ir embora de Abu Dhabi que o UFC pode retornar à Ilha da Luta devido ao sucesso da primeira passagem.

Vamos relembrar abaixo 10 momentos marcantes desta passagem do UFC pela Ilha da Luta.

COVID-19 de Durinho e epopeia de Masvidal

O UFC 251 fez a estreia da Ilha da Luta. E Gilbert “Durinho” Burns estava escalado para a disputa do cinturão dos meio-médios contra Kamaru Usman. O brasileiro, porém, acabou contraindo COVID-19 e teve que abdicar.

A seis dias do evento de 11 de julho, o UFC acertou o substituto de Durinho: Jorge Masvidal, que teve que passar por uma verdadeira epopeia para estar apto para a luta.

Diversos testes para o coronavirus, imbróglio com a viagem, pesagem…Masvidal passou e superou tudo. Só não superou Usman, sendo derrotado via decisão unânime.

Sangue, suor e finalizações

Os quatro eventos em Abu Dhabi nos proporcionaram algumas lutas curiosas.

Ariane Lipski aplicou uma chave de perna memorável na compatriota Luana Dread.

play
1:00

UFC: Brasileira vira joelho de compatriota para trás e consegue finalização do ano na Ilha da Luta

Ariane Lipski conseguiu encaixar um golpe lindo para finalizar Luana Dread neste sábado

O também brasileiro Léo Santos venceu sua luta no UFC 251 contra o russo Roman Bogatov. O russo foi para cima com tudo. E acabou acertando três joelhadas ilegais – as duas primeiras nas partes íntimas e a terceira diretamente na cabeça, enquanto Léo Santos estava com três apoios, em uma posição que impedia com que ele tomasse esse golpe. O juiz demorou demais para agir e só descontou pontos (logo dois) depois da joelhada na cabeça.

O inglês Davey Grant começou da pior forma possível e quebrou a mandíbula logo no primeiro round. Mas não quis saber! Continuou lutando e virou o combate com um nocaute daqueles, que deixou o rival Martin Day desacordado no chão

José Aldo leva surra em nova tentativa pelo cinturão

José Aldo esteve diante de Petr Yan no UFC 251 tentando ganhar um cinturão em uma segunda categoria. O brasileiro começou bem, mas no fim da luta não resistiu a um verdadeiro massacre do russo, que se tornou o campeão dos galos.

play
0:52

No UFC 251, José Aldo leva 62 golpes no rosto no 5º round, é massacrado e nocauteado; árbitro demorou a encerrar a luta?

Brasileiro perdeu para o russo Petr Yan na madrugada de domingo em luta nos Emirados Árabes Unidos

Revanche épica entre Rose Namajunas e Jéssica Bate-Estaca

Não valia cinturão, mas Rose Namajunas e Jéssia Bate-Estaca fizeram uma luta digna de duas ex-campeãs do UFC. Em um combate épico, melhor para a norte-americana, que conseguiu sua revache mesmo ficando com o rosto completamente desfigurado.

Brasil volta a ter cinturão entre os homens após 'drama' de Deiveson

Depois de três anos, o Brasil voltou a ter um cinturão no UFC entre os homens. Deiveson Figueiredo venceu Joseph Benavidez de novo, mas dessa vez valia o título dos moscas.

A luta foi um massacre do brasileiro, que venceu por finalização, mas até chegar lá foi um drama. Deiveson, que contraiu COVID-19 meses atrás, testou positivo na véspera da viagem para Abu Dhabi. Um segundo exame deu negativo na semana da luta e só assim ele pode viajar.

Ex-presidiário arruma técnico de última hora

Ex-traficante e presidiário, Jared Gordon já tinha uma história de vida espetacular. Como se não bastasse superar essas dificuldades, sua equipe ainda pegou COVID-19, bem como sua noiva, que perdeu um bebê do casal nesse processo.

Ele chegou a Abu Dhabi sem ninguém como técnico, e conseguiu ajuda de emergência. Entre os que ajudaram Gordon estava Paul Felder, que deixou a cabine de transmissão e foi para o córner. E no fim, o norte-americano saiu vencedor do octógono.

'Sósia' de Khabib faz história

Khamzat Chimaev.

Se você ainda não conhece esse nome, é bom guardá-lo na memória! Nascido na Rússia e naturalizado sueco, ele acaba de vencer a segunda luta em apenas 10 dias e quebrar um recorde extraordinário no UFC.

E, de novo, a luta sequer foi competitiva.

Diante do norte-irlandês Rhys McKee, Chimaeva colocou para baixo com menos de 15s e massacrou no chão. Castigou como quis o rosto do rival até o juiz interromper a luta e decretar o nocaute com pouco mais de três minutos de combate.

No dia 15 de julho, Chimaev havia finalizado o galês John Phillips com um lindo triângulo de mão no segundo round.

Detalhe: aquela luta foi a estreia dele no UFC e pelo peso médio, uma categoria acima da que ele lutou neste sábado.

Volkanovski soberano

Em uma luta equilibradíssima, Alex Volkanovski venceu a revanche imediata pelo cinturão dos leves contra Max Holloway. O australiano tem 21 vitórias e apenas uma derrota na carreira e se consolida como um dos grandes do UFC no momento.

Amanda Ribas vira estrela

Não bastasse uma finalização por chave de braço em Paige VanZant, Amanda Ribas se tornou uma estrela nos 14 dias de UFC em Abu Dhabi. A brasileira segue subindo nos rankings e trilhando o seu caminho rumo a um cinturão nas divisões femininas.

Despedida da lenda Minotouro

Antônio Rogério Nogueira se despediu em grande estilo. Na trilogia com Mauricio Shogun, Minotouro fez mais uma luta épica com o compatriota, mas novamente não foi sufciente para convencer os jurados.

Minotouro se emocionou no último evento na Ilha da Luta por enquanto e se despede do MMA aos 44 anos de idade.