<
>

Ariane Lipski revela que já mirava usar chave de joelho e destaca aprendizado no UFC

play
UFC: Brasileira vira joelho de compatriota para trás e consegue finalização do ano na Ilha da Luta (1:00)

Ariane Lipski conseguiu encaixar um golpe lindo para finalizar Luana Dread neste sábado (1:00)

Após um início abaixo da expectativa no UFC, Ariane Lipski encontrou sua boa fase dentro da organização. No último sábado (18), a ‘Rainha da Violência’ aplicou uma chave de joelho em Luana ‘Dread’ e conseguiu sua segunda vitória seguida dentro do octógono, em evento realizado na ‘Ilha da Luta’, em Abu Dhabi (EAU). O golpe da brasileira impressionou pela eficiência e pelo fato da articulação da perna de sua rival ser forçada até o limite. Por essa finalização, inclusive, a paranaense recebeu o bônus de ‘Performance da Noite’.

Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag.Fight, Ariane revelou que essa finalização já vinha sendo trabalhada há bastante tempo e estava esperando somente uma oportunidade para utilizá-la. A lutadora, que fez sucesso no KSW e se destacou pela trocação afiada, agora mostrou que também tem evoluído na parte de chão. De acordo com a peso-mosca (57 kg), isso é fruto de um trabalho a longo prazo com sua equipe.

“Nós esperávamos sim (terminar a luta rápida). Como eu disse, estava muito confiante no trabalho que eu e minha equipe fizemos nesses meses. Então, entrei procurando acabar com a luta o quanto antes. A chave de joelho é algo que meu treinador Renato Silva gosta bastante, então ele me passa há muito tempo e estamos ajustando a cada dia mais junto com meus professores de jiu jitsu Pedro Petris e Sebastian Lalli”, explicou a lutadora, que já mira encarar uma atleta entre as 15 primeiras do ranking da divisão em próxima luta.

“Estamos mirando entrar no ranking do UFC e provavelmente minha próxima luta será contra uma ranqueada. Então estaremos preparadas para grandes oportunidades na sequência”, completou.

Assim que terminou o combate, Ariane prestou imediata solidariedade à compatriota. A peso-mosca, entretanto, ressaltou que essas situações fazem parte do esporte e que se não tivesse finalizado daquela maneira, corria risco de perder a luta, uma vez que sua rival também atacava seu pé e panturrilha.

“A gente não quer que nenhum atleta se machuque gravemente, mas sabemos que é o nosso esporte, se eu não finalizasse na chave de perna ela estava querendo arrebentar minha panturrilha com uma finalização. O MMA é um esporte de contato e temos que estar preparados para cortes e machucados. Desejo uma rápida e saudável recuperação para a Luana”, disse a atleta que tem duas vitórias e duas derrotas no UFC.

Quando assinou com o Ultimate, Ariane Lipski chegou como uma das promessas do país para fazer sucesso na divisão. Porém, com duas derrotas em suas primeiras apresentações, a brasileira teve que lidar com duras críticas. Mas agora com duas vitórias e boas atuações, a atleta deu a volta por cima e começa a colher os louros do sucesso. Porém, para chegar a esse ponto, a curitibana passou por um trabalho mental especial e ressaltou que o amadurecimento a ajudou demais a superar a desconfiança sobre ela.

“O ano passado foi um ano de muito aprendizado e crescimento, acredito que aprendi as lições que precisava para ficar ainda mais segura e confiante de quem eu sou e do que quero e isso refleti em meu desempenho no octógono. Eu faço acompanhamento psicológico e com minha coach esportiva Patrícia Oliver, mas é algo que o amadurecimento e a experiência ajudam muito. O autoconhecimento é extremamente importante para não deixar as críticas de quem não conhece o seu dia influenciar de forma negativa”, afirmou.