<
>

Amanda Ribas abre o jogo sobre machismo e preconceito e projeta futuro no UFC: 'Ser campeã em duas categorias'

play
Amanda Ribas prevê luta com 'imprevisível e versátil' Paige VanZant: 'Preparada para tudo' (1:24)

Amanda Ribas enfrenta Paige VanZant no UFC 251 no sábado (11) (1:24)

Neste sábado (11), Amanda Ribas sobe ao octógono para enfrentar Paige VanZant no UFC 251.

Vindo de vitória contra Randa Markos, a brasileira ainda não sabe o que perder no UFC, com 3 vitórias em 3 lutas e tentará manter a invencibilidade em um dos eventos mais aguardados de todos os tempos.

Em um bate-papo exclusivo com o ESPN.com.br, Amanda falou sobre a preparação em meio à pandemia e pensando no fuso horário - as lutas serão durante a manhã local - e o calor de Abu Dhabi, a oportunidade de lutar na Ilha da Luta e o que esperar de Paige.

Ribas também conversou sobre Amanda Nunes e por que ela não é considerada uma unanimidade na hora de apontarem o(a) melhor lutador(a) de todos os tempos, o que envolve machismo e preconceito.

As respostas foram editadas por questões de clareza e compreensão

Preparação durante a pandemia

play
3:14

Amanda Ribas fala sobre preparação em meio à pandemia: 'Dá, mas não é a mesma coisa'

Amanda enfrenta Paige VanZant no UFC 251 no sábado (11)

Totalmente diferente porque acho que todo mundo ficou meio com medo. Quando eu acabei o UFC Brasília, já voltei para minha cidade e fiquei de quarentena. Então eu ficava 'caramba e se não voltar os esportes? Só voltar ano que vem? Como que vai ser?'.

O pessoal da Casa do Atleta, que eu tenho aqui na minha cidade, eles recebem com isso, se não está tendo UFC não vai ter evento pequeno, então foi uma loucura. Graças a Deus aqui na minha cidade tem muito pouco caso, as academias já estão abertas. Depois desse tempo que eu fiquei de quarentena aqui em casa, fechado tudo, fiz o exame do COVID, o pessoal da Casa do Atleta fez também. Eles moram do lado da academia, então deu para eu treinar bem forte. O bom é isso, que eu estou conseguindo conciliar muito bem isso.

Lógico que dá para treinar em casa. Dá, mas não é a mesma coisa. O meu camp a diferença é que antes, nas outras lutas, eu tinha feito metade aqui em Varginha, metade nos Estados Unidos. Agora estou fazendo ele todo aqui em Varginha. Graças a nossa tecnologia, a famosa internet, meu pai está fazendo a parte de trocação e quedas, meu irmão minha preparação e o sensei Farrufinha no FaceTime, que é o meu coach lá da American Top Team.

A Ilha da Luta e 'Mortal Kombat'

play
1:34

Amanda Ribas brinca sobre 'Ilha da Luta': 'Vai parecer Mortal Kombat'

Amanda Ribas irá lutar na Ilha da Luta no sábado (11)

No começo eu achava que ia ser uma loucura, um octógono no meio da praia? Achava que ia olhar para o lado e o pessoal iria estar lutando, com camisa de luta, só falando de luta. Aí saiu que seria em Abu Dhabi, aí eu já olhei a estrutura. Já teve UFC lá, então eu vi que tem 17 hoteis, tem o parque da Ferrari. Acho que vai ser muito interessante, sempre quis conhecer Abu Dhabi. Acho que, às vezes, o calor pode até atrapalhar um pouquinho. Olhei hoje e está fazendo 43 graus lá. É tudo climatizado, mas dá uma diferençazinha. E o fuso horário, né?

play
0:55

Amanda Ribas comenta diferença de clima e fuso horário em Abu Dhabi: 'Pior problema é o calor'

Amanda Ribas irá participar do UFC 251, no sábado (11), em Abu Dhabi, na Ilha da Luta

Em relação a fuso horário, eu consigo dormir bem. O meu pior problema é o calor, mesmo. Minha imunidade tem que estar muito alta. Essa é até uma coisa boa de eu lutar até 57kg porque, querendo ou não, quando eu tiro muito peso, a imunidade baixa, não tem como. Lutando até 57 eu vou tirar peso, mas não tanto, então vou tentar manter minha imunidade lá em cima.

Amanda Nunes é a 'GOAT'?

play
1:31

Amanda Ribas coloca Amanda Nunes como melhor de todos os tempos: 'Não é só campeã dentro do octógono'

Amanda Ribas falou sobre a campeã de duas categorias para a ESPN

Eu considero sim. Porque antes de eu conhecer ela, só via pela televisão, para mim era 'é, a luta é boa, mas blah'. Depois que eu conheci, ela não é só 'double champ', ela é 'triple champ'. Porque ela é campeã de duas categorias e o coração dela é de campeã. Quando eu cheguei lá, ela nem me conhecia. No primeiro treino que eu vou assistir, não fui nem treinar, ela já veio 'ó, você é de fora, né? Se precisar ir em algum lugar, de alguma coisa, só falar'. Isso é uma coisa que a gente não espera porque a gente olha a pessoa lá em cima como ídolo e tem uns famosos que são realmente arrogantes, e a Amanda não. E me surpreendeu, não esperava isso dela pelas entrevistas. E a Amanda, além de ser muito técnica, muito estratégica e muito forte, ela não briga, ela luta. Ela usa a cabeça, isso que é o diferencial dela.

Preconceito e machismo com Amanda Nunes

play
2:11

Amanda Ribas comenta preconceito com Amanda Nunes: 'Muita gente não superou a pessoa ser feliz do jeito que é'

Amanda Ribas falou sobre a falta de reconhecimento da colega brasileiro

Eu acho que cada um tem seu jeito de vender. O McGregor achou o jeito meio brigão dele. A Holly o jeito de surpresa de vender. Acho que a Amanda não tinha achado um jeito de vender ainda, eu acho. E isso é muito triste porque às vezes a pessoa sabe lutar muito bem, é muito gente boa, mas não sabe vender. Tem que ficar esperto com isso para não deixar entrar na mente. Tem muita gente ruim, mesmo. A Amanda é uma lutadora diferente.

Tem muita gente ruim. Às vezes eu vejo as postagens dela falando 'ah, a Nina tá grávida, o neném vai vir' e gente postando comentários muito feios embaixo. Gente, se não vai agregar, não atrapalha. E tem muita gente que faz isso, é gente ruim mesmo. Tem muita gente ainda que não superou a pessoa ser feliz do jeito que é, se aceitando ser feliz. Às vezes é um enrustido que tá lá atrás do computador e vê ela se expondo e fica com inveja.

play
1:56

Amanda Ribas fala sobre machismo no MMA: 'Olhem a técnica da pessoa, não o shorts colado no bumbum'

Lutadora comentou sobre o machismo no mundo da luta

Eu não tinha pensado por esse lado (do machismo interferir no legado de Amanda), mas é. Infelizmente, infelizmente. Não sei se não confiam na nossa técnica, é muito doido isso. Você me fez parar para pensar.

Acho que isso, se a pessoa que gosta de assistir a luta, vai olhar tecnicamente, não vai olhar só a beleza. É uma coisa que a gente tem que tentar colocar na cabeça do público. 'Gente, olha a técnica dessa pessoa, não vai olhar para o shorts que tá colado mostrando o bumbum'. Acho que é isso.

Futuro no UFC

play
1:30

Amanda Ribas projeta futuro no UFC: 'Quero ser campeã de duas categorias'

Amanda está invicta no UFC com três vitórias em três lutas

Então, primeiro, é lógico que eu sempre penso primeiro na luta. Quero muito ganhar da Paige, estou treinando muito para isso e quero ganhar. Se Deus quiser saio com vitória e aí já penso para frente. Aí eu quero lutar na minha categoria primeiro. Estou rankeada e quero subir no ranking. Estou em 14ª, eu era 15ª e estou em 14ª. Meu principal objetivo é ir subindo. Top 10, depois top 5... Vai ter a luta da Jessica e da Rose na minha categoria, eu não penso em lutar com alguma delas agora, eu quero uma top 5 sim, mas que for pra ser brasileira que seja a Claudinha porque ela falou que se ganhar a próxima luta vai disputar cinturão então essa próxima luta podia ser comigo, né? Estou sendo ambiciosa e estou pedindo, acho que podia ser com ela. O futuro, futuro, futuro mesmo eu quero ser campeã das duas categorias que eu acho que seria demais. Futuro só é pegar uma top 5, eu espero.

O que esperar de Paige

A Paige é uma atleta muito imprevisível, muito versátil. Quando você acha que ela vai ganhar, ela perde. Quando você acha que ela vai perder, ela ganha. Quando você acha que ela vai chutar, ela agarra e tenta finalizar. A última luta dela ela ganhou com uma chave de braço, da Rachel. Ela é do Tae Kwon Do, né? Ela chuta, ela soca. Eu tenho que estar preparado para tudo que vier dela. Ela vende pela beleza, mas ela tem um coração gigante. Ela aguenta muita porrada no rosto e o braço dela já quebrou em luta e ela continuou lutando. Então acho que eu tenho que ficar esperta com isso. Minha estratégia, vamo lá. Geralmente, não são todas, quem leva muita porrada no rosto e aguenta, não aguenta na linha de cintura. Então se eu começar a luta e sentir que minha trocação tá boa, eu vou tentar ir para a linha de cintura. Mas eu quero ir pro chão também para ir para o pescoço porque eu confio bastante no meu chão, estou treinando muito ele.