<
>

UFC - Treinos de madrugada, 'revolução' pessoal e 'pitaco' na luta de Aldo: Jéssica Bate-Estaca abre o jogo antes de revanche com Rose

play
Jessica Bate-Estaca agradece 'mini-férias' entre lutas: 'Tempo para aprender coisas novas' (1:15)

Jessica Bate-Estaca enfrenta Rose Namajunas no UFC 251, no sábado (11) (1:15)

No próximo sábado (11), Jessica Bate-Estaca volta ao octógono do UFC para reencontrar uma velha adversária.

A brasileira terá pela frente Rose Namajunas, que busca revanche pela derrota sofrida no UFC 237, quando Jessica conseguiu um nocaute técnico no segundo round.

A luta será uma das cinco do card principal de um evento recheado. O UFC 251 terá três disputas de cinturão, incluindo o brasileiro José Aldo contra Petr Yan - Durinho também disputaria o título com Kamaru Usman, mas foi diagnosticado com COVID-19.

Em um bate-papo exclusivo com o ESPN.com.br, Jessica agradeceu a oportunidade de participar de um evento na Ilha da Luta, prometeu apresentar "uma nova lutadora" no octógono para surpreender Rose e até deu seu pitaco na luta de Aldo.

Oportunidade de lutar na Ilha da Luta

play
1:59

Jessica Bate-Estaca agradece oportunidade de participar da Ilha da Luta: 'É certeza que o patrão ama a gente'

Brasileira irá lutar no UFC 251, na Ilha da Luta, no sábado (11)

Estou muito feliz de ter essa oportunidade, de ter sido uma das primeiras a ter fechado a luta. A gente já tinha a previsão de que seria fora dos Estados Unidos, a gente só não sabia aonde, mas tinha que ser um lugar sem visto. E, assim, Abu Dhabi é um lugar que todo mundo quer ir, é o point do jiu-jitsu, um lugar bonito e maravilhoso, todo mundo quer ir pra Abu Dhabi.

Fiquei muito feliz e acredito que vai fazer uma grande diferença para todos os brasileiros que estão lutando lá. E eu já devo ir direto para Las Vegas e talvez acabe lutando em Las Vegas também, talvez em outra categoria que é o que eu venho tentando. Até porque baixar para 52, seguido um atrás do outro, é mais complicado, é difícil. Então quem sabe uma luta no 57.

Então, assim, a alegria de lutar em Abu Dhabi e ter essa chance de fazer esse evento, em um card tão bom quanto esse, vai ter José Aldo, três lutas de cinturão, o Gilbert Durinho (NR: dias após a entrevista, Durinho foi diagnosticado com COVID e está fora do card), mais as outras meninas e outros brasileiros que vão lutar. Isso não tem preço. É ter a certeza que o patrão gosta da gente, ama a gente.

Preparação para fuso horário 'diferente'

play
2:18

Jessica Bate-Estaca fala sobre preparação em fuso horário 'diferente' de Abu Dhabi

Jessica Bate-Estaca irá participar do UFC 251 na Ilha da Luta, no sábado (11)

Então, lá em Abu Dhabi eu nunca lutei. Acredito que seja bem mais quente que aqui no Brasil. Bem mais quente até que aqui no Rio de Janeiro, até porque o Rio não vem fazendo tanto calor como antigamente, ultimamente está mais fresco. Mas eu já lutei no Japão, lutei meio-dia. Menos que isso nunca lutei. Acredito que minha luta vá ser lá por umas 6h da manhã, então a gente vai ter que treinar de madrugada, mudar de fuso horário porque são 7 horas a mais que no Brasil. Então quando for meia noite no Brasil lá vai ser 6h da manhã. Então eu acredito que a gente não tentar entrar no fuso horário de lá vai dar mais certo. Dormir durante o dia e passar mais tempo durante a noite acordado acho que vai ser uma boa. Treinar durante a noite, a madrugada, para poder se acostumar com o horário da luta.

Vai ter que ser assim. Se entrar no fuso horário de lá não vai dar muito bom não. Se entrar, na hora que chegar na luta vai estar meio sonolento, não vai conseguir dar 100%, não. Mesmo que no momento da luta você fique com aquela adrenalina, aquela ansiedade, mesmo assim acho que demora um pouco mais para o cérebro captar que você está em uma luta. Então não pode deixar entrar no fuso de lá, tem que manter nosso fuso horário aqui do Brasil.

O que esperar de Rose Namajunas

play
1:12

Jessica Bate-Estaca espera 'tudo' de Rose Namajunas e garante que vai surpreender adversária

Jessica Bate-Estaca enfrenta Rose Namajunas no UFC 251, no próximo sábado (11)

Eu estou esperando tudo da Rose. Acho que ela vem treinando bastante entrada de queda, acredito que ela vai usar isso durante a luta, ela já é uma hábil trocadora então acredito que na hora da trocação ela não vai mudar muita coisa. Eu quero surpreender ela, mudei muito meu estilo de luta, mudei minhas entradas de queda porque ela já estava acostumada com as minhas entradas de queda na perna, então mudei bastante. Acredito que vou conseguir surpreendê-la durante a luta, até mesmo pela movimentação que eu mudei, parte de esquiva. Então estou indo muito bem preparada para essa luta e para qualquer tipo de Rose que eu possa enfrentar. Uma que queria tentar só o jiu-jitsu, uma que queria partir para trocação. Então eu venho mudando meu estilo para que eu possa me encaixar e não ser a mesma Jessica que lutou na última luta com ela.

Pitaco na luta de Aldo

play
0:40

Jessica Bate-Estaca prevê luta de Aldo: 'Precisa voltar a ser o Aldo campeão'

Bate-Estaca e Aldo irão participar do UFC 251 no sábado (11)

O Aldo eu também estou torcendo muito para ele, mas queria que ele voltasse a ser aquele Aldo de quando era campeão. Aquele Aldo que chutava, caía para dentro. Esse Aldo eu tenho certeza que vence a luta rápido. Chutando, trocando, é um cara que se movimenta e faz esse jogo de força, de ir pra dentro. Acredito que se o Aldo fizer esse jogo, no segundo round ou terceiro ele já vença por nocaute ou algo assim. Mas se ele não usar essa arma forte dele, que é o chute, aí acredito que seja em cinco rounds também.

O futuro no MMA

play
1:15

Jessica Bate-Estaca acredita que pandemia lhe colocou para trás em disputa de cinturão: 'Outras meninas merecem mais'

Jessica Bate-Estaca conversou com exclusividade com a ESPN

Eu tinha em mente já uma disputa de cinturão, mas como a pandemia mudou muita coisa, as meninas vem lutando mais, vem tendo mais vitórias, então acho que as que provavelmente demorariam um pouco mais para disputar o cinturão vão demorar menos porque estão vindo de mais vitórias. Então eu não tenho tanta certeza do que pode acontecer, né? Eu vou sair de Abu Dhabi e vou direto para Las Vegas. Vou passar a temporada que eu tinha prometido lá em Las Vegas para aprender a falar inglês, estar perto da organização, do Instituto de Performance... Então eu acredito que eu vá também fazer mais lutas até o final do ano, provavelmente pode ser que o UFC não me dê a chance de disputar o cinturão. Pode ser que me coloquem para lutar com a Torres, que vem de vitória, ou com a Claudia Gadelha. Acredito que seja uma dessas. E aí depois uma disputa de cinturão contra a Zhang. Mas vou ficar no aguardo.

A pausa ajudou ou atrapalhou?

Eu acho que me ajudou bastante. Já estava pronta para a luta, mas aí é como se você tivesse tido uma pequena férias no meio disso, pude me recuperar um pouco mais. Comer um pouco mais porque eu gosto de comer, né? Eu falei 'já que vai demorar um pouquinho mais, deixa eu comer, né'? Aí dei uma recuperadinha no peso e agora já estou focada de novo. Acho que esse tempo a mais foi bom para mim porque eu tive mais tempo de ter mais maturidade nas coisas que eu aprendi e ter mais consciência de como colocar isso na luta. Talvez naquela época eu tentasse colocar, mas não saberia colocar da forma certa. Então agora acho que eu consegui encaixar o jogo do jeito que eu quero e na hora da luta vai sair exatamente da forma que eu treinei para zerar qualquer tipo de Rose que eu possa enfrentar pela frente.