<
>

Raphael Assunção abre o jogo sobre luta com Garbrandt e decisão de Dana por Aldo vs Yan: 'Patrão acha que merecem, ele que manda'

play
Raphael Assunção fala sobre preparação em meio à pandemia: 'Deu para conciliar' (2:05)

Lutador enfrenta Cody Garbrandt neste sábado (6) (2:05)

Neste sábado (6), Raphael Assunção irá enfrentar Cody Garbrandt em uma luta que promete muito no peso galo.

O brasileiro fará a co-luta principal do UFC 250, que tem como atração principal o duelo entre Amanda Nunes e Felicia Spencer pelo cinturão do peso pena feminino.

O duelo com Cody Garbrandt promete. O americano vem de três derrotas seguidas, mas Raphael não acredita que isso diminua a qualidade de seu adversário e sabe que terá que "se preparar para tudo".

"A gente tá sempre visualizando as lutas, como vai acontecer. Eu estou sempre preparado em qualquer área. É claro que eu trabalhei em alguns vacilos, alguns erros táticos, técnicos que talvez possa falar também. Tô pronto para qualquer área que ele trouxer aí, não estou muito preocupado com o que ele vai trazer em termos de jogo. Estou preparado em todas as áreas, o treinamento, apesar da pandemia, foi puxado para dar bastante ênfase em algumas coisas que eu precisava aprimorar", comentou em conversa exclusiva com o ESPN.com.br.

play
1:31

Raphael Assunção 'corrige vacilos' antes de luta com Cody Garbrandt: 'Preparado para tudo'

Raphael Assunção enfrenta Cody Garbrandt neste sábado (6)

"Estou sempre aprimorando, sou um estudante do jogo ainda. De aprimorar algumas coisas minhas, coisas fortes e alguns detalhes do meu jogo que eu precisaria corrigir, talvez. Então estou pronto para qualquer situação."

Depois das três derrotas consecutivas, muito se especulou sobre a falta de confiança de Cody e se isso estaria mexendo com a carreira do americano. Raphael não vê assim.

"É difícil falar porque eu tenho meu próprio psicológico, eu também tive alguns revés nas últimas lutas e cada um busca soluções, coisas para dar aquele conforto. Não posso falar por ele em termos do que aconteceu depois que ele perdeu o cinturão, se ele nã conseguiu mais se reencontrar, se foi alguma coisa até tática, estratégia. Ele é um bom lutador em pé, tem uma mão boa, é um cara ágil. Às vezes ele tentou uma estratégia que não deu certo e boa sorte para ele, mas o foco é fazer o meu e sair com essa vitória no sábado que é importante para mim", analisou.

play
2:40

Raphael Assunção não vê 'falta de confiança' em Cody Garbrandt: 'Espero o melhor dele'

Raphael Assunção enfrenta Cody Garbrandt neste sábado (6)

"Até porque eu estou esperando o melhor Cody possível, não estou tentando me basear nas últimas derrotas dele. Isso para mim era um foco importante, não capitalizar nas lutas anteriores dele, mas em um contexto geral. Me preparei para o melhor. Vou estar pronto para todas as áreas, independente do que ele vai trazer. Estou mais focado no meu e estar pronto para qualquer situação."

Nos últimos dias, uma polêmica tomou conta do peso galo. Após a aposentadoria de Henry Cejudo, o cinturão ficou vago e Dana White decidiu dar a chance para José Aldo, 6º no ranking da categoria, e Petr Yan, 4º, disputarem o título. Outros lutadores, como Aljamain Sterling, chamaram de "desrespeito com a categoria". Assunção vê com mais tranquilidade.

"Não sei o que falar a respeito, primeiramente, do casamento da luta. O patrão achou que ele merece, é o patrão que fala. Ele tá vindo da derrota para o Marlon que foi uma luta bem parelha, o patrão quer dar a chance. No caso o Marlon já teve a chance. O patrão achou que seria legal fazer essa luta acontecer. Em termos da categoria estar com o cinturão vago, isso dá uma motivação a mais não só para mim, mas para alguns que estão nesse card. O pessoal vai estar bem empolgado. Minha meta é sempre a mesma, trabalho dia após dia, sou um aprendiz da luta ainda, a meta é chegar perto do cinturão, disputar o cinturão e ser campeão", analisou.

play
1:41

Raphael Assunção comenta decisão de Dana de colocar Aldo vs Yan pelo cinturão: 'Patrão acha que merece, patrão que fala'

Cinturão do peso galo será disputado entre José Aldo e Petr Yan

Com o casamento das lutas do UFC, Marlon Moraes, que é o 1º do ranking, ficou sem luta. Isso somado ao cinturão vago pode causar uma complicação na disputa pelo posto de melhor da categoria, mas Raphael está otimista.

play
4:10

Raphael Assunção pede 'valorização' e chance de título: 'Só queria isso'

Raphael Assunção enfrenta Cody Garbrandt neste sábado (6)

"É difícil falar porque existe, sim, essa complicação. Não tem como negar que existe essa complicação dos critérios. Eu falo em critério porque é o que o pessoal fala, mas a gente sabe que o que o patrão quiser é o que ele vai fazer. Eu respeito, igual eles respeitam o jeito que eu sou, de não ser o falastrão, ser um cara que fico demonstrando e eles respeitam o jeito que eu sou, a maneira que eu me porto como atleta, então eu só tenho a dar o mesmo respeito a eles. Se o patrão acha que essa é a luta que vai acontecer... eu só queria que, caso uma vitória minha, eu chegasse perto do cinturão, apesar da complicação toda da categoria. Só queria que eles me dessem o valor e me dessem essa oportunidade, esse é o foco agora. Mas acho que vai acontecer sim, tô focado na luta agora sábado, é uma luta difícil, não estou enxergando como uma luta fácil", comentou.

Por fim, Raphael falou sobre como foi se preparar em meio à pandemia de coronavírus, mas disse que conseguiu conciliar muito bem os treinos e o distanciamento social.

"Deu pra gente conciliar direitinho, apesar da pandemia estar bem ativa ainda. Deu para conciliar os treinos legal. Não viajei para treinar dessa vez, fiquei em Atlanta mesmo. Deu para conciliar legal. A academia, quando eu comecei o camp, tava fechada. Então era praticamente privada. Eu tinha um pessoal me ajudando no treino e, durante esse período, a academia reabriu, com toda cautela e o pessoal começou a vir com mais frequência. Até mesmo antes da academia estar aberta eu já tinha um pessoal comigo. Um camarada da luta olímpica e meu irmão Fred. Mas não deu para treinar com todos os treinadores. Mas deu para conciliar legal a parte física também. Teve dias que eu fiz meu próprio treinamento físico, mas deu para conciliar legal", finalizou.