<
>

Adesanya vai a protesto na Nova Zelândia e faz discurso apaixonado contra o racismo

play
Adesanya diz que ama o UFC, mas cita exemplo de ator norte-americano e afirma: 'Vou virar um fantasma' (0:51)

Lutador declarou que pode sumir por um tempo depois das próximas lutas e falou sobre Dave Chapelle (0:51)

O campeão dos médios do UFC, Israel Adesanya, foi às ruas em Auckland, na Nova Zelândia, fazer parte dos protestos contra o racismo.

Adesanya não só participou do protesto, como também pegou o microfone e discursou contra o racismo em um movimento que teve como origem a morte de George Floyd na última semana.

"Nas últimas duas semanas vocês podem ver, eu estou nervoso. Quantos de vocês têm que colocar as mãos para trás quando entram numa loja só para não acharem que você está roubando?", questionou o lutador.

"Quantos de vocês, ao andar na rua, avistam uma pessoa na sua frente que parece ter medo de você? Onde eu moro, três vezes eu vi as pessoas que já estão no elevador assustarem quando eu entro por causa do racismo. Agora eu sorrio para elas, vou para o lado e deixo elas passarem para não se assustarem comigo. Por quê? Por que sou negro. Só por isso", continuou Adesanya.

"Eu não tive escolha. Mas se eu tivesse escolha, eu ainda seria negro. Depois daqui nós vamos marchar. Mas nós estamos marchando há tanto tempo. Uma salva aos brancos que estão aqui, porque nós precisamos de vocês. Precisamos que vocês falem algo porque, como ele disse, eu estou cansado de ver essas pessoas morrerem porque eu me vejo nelas, o tempo todo, e é de cortar o coração. Eu estou p...", finalizou o campeão.