<
>

UFC: Jacaré fala como venceu a depressão antes de retorno ao octógono: 'Ia para a academia e chorava'

play
Jacaré fala sobre como superou depressão após última derrota no UFC (2:24)

Brasileiro fará luta principal do UFC São Paulo neste sábado (2:24)

Ronaldo “Jacaré” Souza entrará no octógono do Ginásio do Ibirapuera neste sábado para fazer a luta principal do evento, diante do polonês Jan Blachowicz na divisão dos meio-pesados, no UFC São Paulo. Mas há alguns meses, nem mesmo o próprio Jacaré saberia se estaria de volta ao centro das atenções.

A derrota para o norueguês Jack Hermansson em abril machucou o brasileiro. E não fisicamente, mas sim mentalmente. Uma vitória ali o colocaria quase que certamente em uma disputa de cinturão dos médios.

“Eu não queria mais fazer nada, ia para a academia e chorava porque não queria, não estava com vontade, não queria ir para a psicóloga e minha esposa falou para eu ir então eu fui. Essa força de vontade me deu o primeiro passo e me renasceu a vontade de treinar”, explicou Jacaré, ao ESPN.com.br.

O lutador de 39 anos foi diagnosticado com a Síndrome de Burnout, um distúrbio psíquico de caráter depressivo, precedido de esgotamento físico e mental intenso que atinge cerca de 4% da população no mundo (320 milhões de pessoas).

"Não saía da cama, eu até chorava pra ir pra academia" Jacaré, lutador do UFC, sobre depressão

“Eu passei 3 meses sem ir pra academia, eu dormia quatro horas por noite. Fazia tudo que um atleta não poderia fazer, tomava refrigerante 2h da manhã, estava com vontade de dormir, mas não dormia, não saía da cama, eu até chorava pra ir pra academia, chegava no estacionamento e parava, ficava lá, e vinha pra casa”, disse.

O tratamento com psicólogo deu resultado, e Jacaré voltou a treinar e começou seu renascimento no MMA. Ele trocou de empresário, migrando para trabalhar com Dedé Pederneiras, o mesmo de José Aldo, e subiu de categoria, fazendo sua estreia no meio-pesado no UFC São Paulo.

“A perda de peso não é tão severa, eu naturalmente tenho mais de 93kg, para bater 84kg era bem complicado pra mim. 93kg vai ficar bem tranquilo pra mim”, afirmou.

Jacaré ainda não pensa no cinturão dos meio-pesados, que hoje pertence ao lutador mais dominante do UFC: Jon Jones. “Eu nem estou pensando nisso, é um passo de cada vez. Surgiu essa oportunidade. Eu estou focado só nisso, meu objetivo é treinar, estar pronto, vencer, depois eu vou pensar no meu próximo passo”.

TOP 5 DA HISTÓRIA DO UFC

Jacaré também fez a sua lista dos cinco maiores lutadores da história do UFC. E, segundo ele, o que mais impressionou ele desde o começo foi Vitor Belfort, a quem ele derrotou no UFC 198.

“O que mais me impressionou foi o Belfort. Quando ele foi campeão novinho, a gente pegava a revista lá em Manaus e falava 'cara, esse cara é fenômeno', estudávamos as histórias dele, foi o que mais me impressionou na época. Com 18 anos eu estava iniciando no jiu-jitsu e o cara já era campeão. O Belfort é o top. Eu não imaginava que ia lutar com ele, eu fico feliz de ter a oportunidade de ter lutado com ele”, explicou.

O top 5 de Jacaré foi fechado, sem uma ordem correta, com Khabib Nurmagomedov, Georges St.Pierre, Anderson Silva e Randy Couture.

Card do UFC São Paulo, dia 16/11

Jan Blachowicz x Ronaldo Jacaré
Mauricio “Shogun” Rua x Paul Craig
Charles “Do Bronx” Oliveira x Jared “Flash” Gordon
Antonio Arroyo x André “Sergipano” Muniz
Markus Perez x Wellington “The Prodigy” Turman
Sergio Moraes x James Krause
Ricardo Ramos x Luiz Eduardo Garagorri
Francisco “Massaranduba” Trinaldo x Bobby “King” Green
Warlley Alves x Randy “Rudeboy” Brown
Douglas Silva de Andrade x Renan Barão
Ariane Lipski x Priscilla Cachoeira
Vanessa Melo x Tracy Cortez