<
>

UFC 242: Khabib 'exige' ser o melhor do mundo no ranking e solta até 'Vai, Corinthians!'

play
Khabib revela ser fã de futebol brasileiro, comenta jogo da seleção e solta até 'Vai, Corinthians!' (0:57)

Lutador russo finalizou Poirier nesse sábado pelo UFC 242 (0:57)

Khabib Nurmagomedov segue amassando rivais no UFC e agora quer ser reconhecido por isso. Depois de finalizar Dustin Poirier, o russo fez questão de pedir o posto de número um do mundo no ranking da organização. E soltou até um ‘Vai, Corinthians!’ em um momento para lá de inusitado durante a entrevista coletiva.

“Sabe o que é interessante neste esporte? Mesmo que você esteja 28-0, 12-0 no UFC, seja uma grande estrela no esporte e arrebente todo mundo, as pessoas ainda falam que você tem que lutar com aquele cara, ou aquele outro. Me respeitem. Me coloquem como número 1 no ranking peso-por-peso na próxima semana. Eu acho que mereço isso. Eu dominei todos os meus oponentes e nunca perdi uma luta”, disse.

Atualmente, Khabib é o número 2 do ranking pound for pound, atrás de Jon Jones.

A menção ao Corinthians veio já na última perguntar. Um jornalista pediu para que ele dissesse duas palavras em português: Vai, Corinthians!. Khabib primeiro perguntou o que isso significava e ouviu que era de uma torcida para grande para ele. Assim, não teve dúvidas e repetiu:

“Vai, Corinthians!”.

O curioso é que, mesmo sem parecer entender que Corinthians é um time de futebol, o russo acabou falando do futebol brasileiro.

“Eu amo o futebol brasileiro. Assisti ao jogo da seleção, foi uma grande performance do Brasil. Eu amo futebol e conheço vários jogadores. Vocês têm um bom time”, disse.

Próxima luta

Khabib, claro, também foi perguntado sobre a sua próxima luta, se seria mesmo contra Tony Ferguson. E não titubeou na resposta:

“Meu próximo oponente será um bom bife e um X-Burger duplo. Eu quero isso, cara. Com um pouco de suco com gelo. Preciso de uns dias, por favor”, disse.

Depois, porém, resolveu falar sobre um adversário que ele quer muito enfrentar: Georges St-Pierre. E sugeriu até algo inédito: uma espécie de luta beneficente.

“GSP é um grande passo. Eles podem construir uma arena e a gente luta até março em algum lugar. Ou usar o dinheiro que fizermos na luta e doar. Podemos fazer 50 milhões, talvez 40 milhões, não sei, mesmo que fossem 30 milhões de dólares. É bom para uma noite, e doar todo o dinheiro para pessoas. Gosto disso”, disse.

“Eles construíram essa arena em dois meses. Se o UFC tem uma luta muito, muito grande, eles podem construir uma arena como essa em algum lugar como Congo, Nigéria, Somália, Sudão, tanto faz… A gente luta lá, recolhe dinheiro e doa para caridade. (…) A África está em situação ruim, muitas pessoas morrem porque não têm água. Milhões de pessoas têm esse problema, podemos fazer isso”, finalizou.