<
>

UFC: Jandiroba comemora vitória dominante e menciona Tecia Torres como principal alvo

play
UFC: Blachowicz 'destrói' joelho de Rakic, vence por nocaute técnico e deve disputar cinturão novamente; VEJA (1:28)

Austríaco era superior na luta, mas lesão impediu de continuar com a disputa (1:28)

Após vencer Angela Hill por decisão unânime, brasileira quer Torres para tentar entrar no top 10 do peso palha


Virna Jandiroba impressionou no UFC Vegas 54. No evento realizado no último sábado (14), a brasileira dominou Angela Hill por três rounds, venceu por decisão unânime e se aproximou de integrar o top-10 do peso-palha (52 kg) da companhia. Empolgada com o importante triunfo, ‘Carcará’ já tem um nome em mente como potencial adversária.

Em entrevista à reportagem da Ag. Fight, Jandiroba revelou não ser fácil encontrar oponentes no peso-palha do UFC, porém conseguiu mencionar um nome. Vale destacar que algumas atletas da categoria acabam subindo para o peso-mosca (57 kg) para atuar com mais frequência no octógono. Como descarta tal mudança, a brasileira cita Tecia Torres como adversária ideal para a sequência de sua carreira. E o hipotético duelo faz sentido, já que ‘Carcará’ é a 12ª colocada no ranking da divisão e vem de vitória, enquanto a americana está no oitavo lugar e com uma derrota em sua última apresentação.

“A categoria está muito truncada. Já lutei com a Mackenzie que está no top-10, com a Amanda Ribas que subiu para os moscas. Tem muita gente que já lutei. Tem a Tecia que não lutei, outras meninas também. E tem as meninas do top-5, que acredito que não vão querer a luta agora. As outras meninas estão com luta casada. A Amanda Lemos está com luta casada, a Waterson. Está bem truncado, mas lutando contra uma top-10 estarei muito feliz, com certeza”, declarou a veterana.

Empolgada com o triunfo sobre Hill e disposta a escalar o ranking do peso-palha do UFC, Jandiroba mostra fome de luta e visa se manter ativa na atual temporada. De acordo com ‘Carcará’, atuar com frequência é a melhor maneira de seguir em evidência em uma categoria tão concorrida. Na organização desde 2019, a brasileira costuma disputar dois combates por ano, mas, em 2022, planeja superar tal marca.

“Quero fazer o máximo de lutas que eu conseguir. Talvez, mais duas, três lutas, quem sabe? Ainda é cedo. Ainda estamos em maio, então espero que dê tudo certo e eu consiga fazer o máximo de lutas esse ano”, concluiu.