<
>

Treinador se defende após acusação de racismo no UFC Vegas 54: 'O que eu disse foi real e no calor da batalha'

play
UFC: Blachowicz 'destrói' joelho de Rakic, vence por nocaute técnico e deve disputar cinturão novamente; VEJA (1:28)

Austríaco era superior na luta, mas lesão impediu de continuar com a disputa (1:28)

Tony Kelley ignorou a presença das câmeras e afirmou que os lutadores brasileiros são ‘sujos’ e trapaceiros durante o UFC Vegas 54


Não demorou para Tony Kelley lidar com as consequências de seu ato no UFC Vegas 54. No evento realizado no último sábado (14), o treinador de Andrea Lee não só ofendeu lutadores do Brasil, como também questionou a índole. Imediatamente, parte dos fãs invadiu as redes sociais do profissional e respondeu com ofensas e ameaças.

No entanto, ao que parece, o americano não está arrependido.

A polêmica aconteceu no intervalo do primeiro para o segundo round. Quando Lee se dirigiu ao corner, o treinador, irritado pelo fato de sua atleta não conseguir nocautear Viviane Araújo logo no início do duelo, ignorou a presença das câmeras e afirmou que os lutadores brasileiros são ‘sujos’ e trapaceiros.

Como não poderia ser diferente, Kelley foi criticado por parte da comunidade do MMA e classificado como racista.

Ao tomar conhecimento da repercussão negativa de sua fala, o profissional se pronunciou por meio de suas redes sociais. Kelley recusou o rótulo de racista que recebeu dos críticos, porém não voltou atrás em relação ao seu ataque aos lutadores brasileiros.

Pelo contrário, o americano reforçou seu posicionamento ao apontar que Viviane teve intenção de ferir sua atleta de forma ilegal no combate.

“A cultura do cancelamento é real. O que eu disse foi real e no calor da batalha e de forma alguma tinha qualquer tipo de conotação racista, mas se é assim que você entende, não me importo (...) Minha referência foi a uma dedada suja no olho”, escreveu o treinador em sua conta oficial no ‘Twitter’.

Sem saber da polêmica, Viviane Araújo focou na luta contra Andrea Lee e respondeu o treinador da adversária no octógono e da melhor forma. A veterana sofreu no primeiro round, mas sobreviveu, se recuperou e foi superior nos demais assaltos.

Sendo assim, ‘Vivi’ venceu o duelo de virada, por decisão unânime e defendeu a oitava posição no ranking do peso-mosca (57 kg) do UFC. Agora, Tony Kelley vai ter trabalho para digerir o revés de sua atleta, lidar com as críticas por conta de seu comentário e com a ira de parte dos fãs brasileiros.