<
>

'Zidanilo' diz que Liverpool foi mais difícil que Chelsea e repassa carreira: 'Seleção foi única coisa que faltou'

play
Danilo cita a si mesmo como exemplo ao analisar desempenho de Luan no Corinthians e lembra Tite: 'Só com qualidade não joga' (4:50)

'O Luan é um grande jogador; mas no Corinthians é diferente; tem que jogar bem todo jogo', disse o ídolo corintiano durante o Expediente Futebol (4:50)

Em 20 anos de carreira profissional, Danilo conquistou 25 títulos – incluindo quatro Brasileiros, duas Libertadores e dois Mundiais de Clubes. Apesar disso, ele é provavelmente o jogador mais vitorioso da história do futebol brasileiro a nunca ter vestido a camisa da seleção brasileira.

“Seleção brasileira foi a única coisa que faltou, pelo menos um jogo. Vários jogadores que não têm nem cinco títulos já jogaram na seleção. Mas não tenho mágoa. A posição que jogava era difícil porque sempre tinham bons jogadores em times grandes na Europa", disse ao ESPN.com.br.

"Olho mais por esse lado também e me coloco nos treinadores da época. Em 2005 e 2012 ganhamos tudo, e merecia pelo menos uma oportunidade. É algo normal e sei que a parte do treinador é escolher. Existiam os jogadores na Europa que são as primeiras opções”,analisou.

Revelado no Goiás, Danilo chegou ao São Paulo em 2004. Depois de uma temporada complicada no Morumbi, ele foi um dos destaques do time que venceu no ano seguinte o Paulistão, a Libertadores e o Mundial de Clubes – derrotando o Liverpool na decisão por 1 a 0.

“A gente sabe que o primeiro jogo do Mundial é bem difícil. Tivemos dificuldades para passar pelo Al Itihad, da Arábia Saudita, na semifinal. Quando você vai para a final é tudo ou nada contra um grande adversário. A gente teve muita dificuldade, mas acho que é jogo para jogar por uma bola. Fizemos o gol [no Liverpool] e administramos até o final. Estávamos em um dia muito feliz do Rogério Ceni, que acabou pegando tudo. Era uma tensão muito grande e uma cobrança muito grande. São apenas dois jogos, se você perde vai tudo por água abaixo. É preciso estar concentrado para ganhar”.

Quase herói do Mundial

De 2006 a 2010, ele defendeu o Kashima Antlers, do Japão, antes de voltar ao Brasil para jogar pelo Corinthians.

Danilo venceu o Brasileiro de 2011 e no ano seguinte ergueu a Libertadores e o Mundial de Clubes, derrotando o Chelsea na final.

Ele participou da jogada que decretou o triunfo por 1 a 0 sobre os ingleses.

“Foi um lance muito rápido. Tinha essa jogada ao longo da minha carreira de ameaçar chutar, dar um corte e bater com a outra. Optei por fazer aquilo porque o zagueiro deu um carrinho e ia tirar a bola. Mas o mais importante é que ela sobrou sozinha para o Guerrero fazer o gol”.

Imaginou que um dia poderia repetir o que fez pelo São Paulo no Corinthians?

“É difícil a gente prever isso. Você pode até chegar, mas ganhar é difícil demais. Fui um privilegiado. É importante ser campeão. Não é qualquer hora que você conquista títulos assim. Não tenho como dizer qual foi melhor, mas fui bicampeão mundial e da Libertadores”.

play
4:50

Danilo cita a si mesmo como exemplo ao analisar desempenho de Luan no Corinthians e lembra Tite: 'Só com qualidade não joga'

'O Luan é um grande jogador; mas no Corinthians é diferente; tem que jogar bem todo jogo', disse o ídolo corintiano durante o Expediente Futebol

Qual foi mais difícil: Liverpool ou Chelsea?

“Eu achei que foi mais difícil contra o Liverpool porque eles tinham jogadores mais móveis e de mais qualidade. Contra o Liverpool, o São Paulo não conseguiu jogar. A gente dava dois ou três toques na bola, perdíamos e eles voltavam de novo. Contra o Chelsea, teve algumas chances também, mas foi um jogo em que conseguimos trocar passes e manter a posse de bola no ataque. Foi um jogo melhor para jogar”.