<
>

No Real Madrid galáctico, Sergio Ramos preferia os brasileiros: 'Sentava conosco para conversar'

Reportagem publicada originalmente em 5 de fevereiro de 2018


Um dos principais defensores do mundo, campeão de LaLiga na última quinta-feira e capitão do Real Madrid, Sergio Ramos contou com a ajuda de um grupo de brasileiros para se enturmar no clube que vivia a "era galáctica".

Revelado pelo Sevilla, o defensor chegou com apenas 19 anos ao Santiago Benabéu, na metade de 2005, por 27 milhões de euros (R$ 164 milhões, na cotação atual). A equipe treinada por Vanderlei Luxemburgo contava com craques do calibre de Ronaldo, Beckham, Figo e Zidane.

"Sergio Ramos era um cara muito legal. Na época ele era meu vizinho e ainda era solteiro. Era bem jovem e não tinha ainda aquela liderança porque tinham outros jogadores como Casillas, Roberto Carlos e Raúl, que eram ídolos e tinham muito tempo de casa" contou o ex-lateral-direito Cicinho à ESPN.

Não era segredo para ninguém que o vestiário do Real Madrid tinha grandes divisões. Mesmo assim, se engana quem pensa que o espanhol ficava junto aos compatriotas.

"Sergio Ramos ama brasileiros, tanto é que vivia sempre junto com a gente. Curioso que, na mesa das refeições, havia uma divisão entre os espanhóis e os estrangeiros, mas ele preferia, naquela época, sentar do nosso lado para ficar conversando com a gente (risos)", garantiu.

Como já tinha amizade com o meia-atacante Júlio Baptista desde os tempos em que atuaram juntos pelo Sevilla, Sergio Ramos se enturmou ainda mais facilmente com os brasileiros.

"Ele era tão grudado com a gente que no dia da convocação da seleção brasileira para a Copa do Mundo de 2006 ele ficou com os brasileiros no apartamento esperando a lista do [técnico Carlos Alberto] Parreira", relatou.

O técnico brasileiro chamou Ronaldo, Roberto Carlos e Cicinho do Real Madrid para o Mundial da Alemanha. Apenas Júlio Baptista ficou fora. Coube ao zagueiro espanhol registrar o momento da celebração.

"Daí, nós fomos convocados para a Copa e foi aquela festa. Foi ele quem tirou a foto dos brasileiros que iriam para a Copa. Foi muito legal", recordou.

Desde então, Sergio Ramos se firmou cada vez mais na equipe titular e foi ganhando importância no elenco do Real Madrid. Além de atuações sólidas na defesa, ele ficou reconhecido pelos gols importantes marcados em decisões.

Ele venceu quatro títulos da Champions League e do Mundial de Clubes, além do Campeonato Espanhol e da Copas do Rei, entre muitas outras taças.

Com a saída de Iker Casillas, tornou-se capitão e um dos principais líderes da equipe merengue. Pela seleção espanhola, venceu duas vezes a Eurocopa e a Copa do Mundo de 2010.

"Hoje é um grande jogador, um dos melhores do mundo na posição. Torço ainda mais pelo sucesso dele porque é um cara que merece", finalizou Cicinho.