<
>

Cicinho, ex-Real Madrid e São Paulo, relembra assédio dos paparazzi: 'Se escondiam até debaixo do meu carro'

play
Cannavaro revela preparação para enfrentar Ronaldo: 'Sinal da cruz e rezar, senão era desastre' (0:41)

Zagueiro italiano conversou com o atacante em suas redes sociais (0:41)

Reportagem publicada dia 25/02/2015


O ex-lateral Cicinho teve uma carreira vitoriosa, com passagens por grandes clubes, conquistas de títulos importantes e até Copa do Mundo disputada pela seleção. Não é qualquer coisa que impressiona o paulista de Pradópolis, a 320km de São Paulo. No entanto, uma coisa o deixa boquiaberto até hoje: o assédio que sofria dos paparazzi durante seu ano no Real Madrid, entre 2006 e 2007, logo após deixar o Real Madrid.

Em entrevista ao ESPN.com.br, ele relembrou a perseguição dos fotógrafos e câmeras de programas de fofoca da Espanha, que não largavam do seu pé e se escondiam até nos lugares mais improváveis para conseguir uma imagem.

"Quando eu jogava no Real, os paparazzi eram 24 horas por dia, sete dias por semana, era impressionante! Algumas vezes eu saía para jantar e um deles estava escondido debaixo do carro e aparecia para tirar fotos (risos), acredita?", conta o ala, hoje com 35 anos.

"Na Espanha é todo dia isso! Se você estiver em um barco no meio do mar, é capaz de aparecer um paparazzo nadando em cima de um tubarão para tirar fotos (risos). Lá é igual dupla sertaneja no Brasil: você balança uma árvore e derruba uns 10 (risos)", brinca.

Cicinho diz que, como o Real quase não permite contato entre seus astros e a imprensa no centro de treinamento da equipe e no estádio Santiago Bernabéu, o jeito que os veículos de imprensa da Espanha encontram para conquistar audiência é apelar.

O assunto, porém, passa bem longe do que os atletas fazem em campo...

"Eles têm umas tecnologias muito avançadas, umas câmeras que filmam de muito longe. Muitos canais se dedicam quase o dia inteiro às fofocas e polêmicas, ficando divulgando o dia a dia do jogador. Eles falam muito o que você faz ou deixa de fazer, é tipo um 'TV Fama' da boleirada (risos)", relata.

"Mas, pelo fato deles não poderem cobrir o dia a dia do clube, tem fofocas demais e muitas mentiras. No Real Madrid e na Roma, você quase não fala com a imprensa, era uma vez por mês e olhe lá. E também não participa de programas de televisão", salienta.

Cicinho, quem quer saber as notícias de seu clube precisa seguir o canal oficial da equipe, já que, na televisão, vai encontrar apenas fofocas.

"Os clubes europeus tem uma relação mais fria com a imprensa, porque nos treinos os repórteres não cobrem todos os dias. Eles não assistem aos treinos, chegam no final, fazem apenas a coletiva e vão embora. A maior parte do conteúdo é da TV oficial do clube para acompanhar as notícias", ressalta.

O campeão mundial com o São Paulo diz que o assédio por vezes incomodava, mas que dava levar na brincadeira muitas vezes. O ex-ala afirma que até gosta de dar entrevistas, mas que, para quem é avesso à imprensa, o futebol europeu é o lugar certo.

"Na Espanha e na Itália, eles são mais na deles e você tem mais privacidade, mas eu prefiro esse calor do Brasil, para quem é boleirão, aparecer e dar entrevista é legal, lá fica um pouco distante. O negócio é que se o cara não gosta de aparecer e dar entrevista, como o Lúcio e o Dida, está em casa na Europa (risos)", diverte-se.

play
1:03

Cannavaro conta para Ronaldo quando o enfrentou em 1997 e depois se rendeu: 'É realmente um fenômeno'

Jogadores se encararam em duelo entre Brasil e Itália pela primeira vez

Cicinho chegou no fim de 2005 no Real Madrid dos "galácticos" e foi campeão espanhol, alternando entre titularidade e a reserva de Michel Salgado. Faziam parte daquele time astros como Ronaldo "Fenômeno", Roberto Carlos, Cannavaro, Beckham, Cassano e Van Nistelrooy.