<
>

Falcão revela briga no vestiário com Manoel Tobias e não tem dúvida sobre melhor no futsal: 'Sou o 1º e o 2º'

play
Falcão, 44 anos: relembre grandes lances da carreira do astro do futsal brasileiro (1:18)

Dono de um currículo invejável na modalidade, o craque foi eleito melhor jogador do mundo quatro vezes pela Fifa, em 2004, 2008, 2011 e 2012. (1:18)

Falcão voltou a falar sobre a polêmica relação que tem com Manoel Tobias. Em entrevista ao canal “Camisa 21”, no Youtube, o astro revelou uma desavença que teve com o ex-companheiro no vestiário da seleção brasileira durante a Copa do Mundo de futsal de 2004.

Além disso, Falcão também respondeu a afirmação de Manoel Tobias, que se definiu como o melhor da história da modalidade.

"A gente nunca foi amigo. Tivemos um problema de vestiário em 2004, quando perdemos para a Espanha”, iniciou Falcão, relembrando a derrota brasileira para a seleção europeia na semifinal do Mundial daquele ano, nos pênaltis.

“E eu acho que ele tinha que ter batido o pênalti, pelo nome dele, força dele, e de repente empurraram lá o Neto, que era novo, para bater o pênalti. E essa briga de vestiário vazou para a imprensa, que é uma coisa que acontece em qualquer vestiário, de qualquer clube, qualquer esporte. Mas eu nunca fui amigo do Manoel Tobias.”

“Nunca fui pedir perdão, muito pelo contrário. Só acho que dois ídolos do esporte não precisavam carregar aquilo. Nunca tivemos problema nenhum, só essa discussão de vestiário em 2004. O Manoel Tobias tinha que ter batido o pênalti. 'Ah, eu não bati porque não joguei, estava frio...'. Não importa, você é o Manoel Tobias, você vai bater o pênalti.”

A rivalidade entre os dois seguiu desde então, até que eles se reencontraram, para selar a paz, em uma matéria de televisão em 2012. Uma declaração de Manoel Tobias à Fifa, no entanto, voltou a por algum fogo na polêmica entre a dupla.

“Tivemos um encontro em 2012, mas nunca fomos amigos. Ai agora, este ano, ele fez 50 anos, a Fifa foi entrevistá-lo, e ele falou que foi o melhor. E eu peguei os números. 'Espera, deixa eu ver aqui'. 401 gols para 267, 134 gols de diferença. 29 títulos a 8 na seleção. 48 gols em Copas do Mundo contra 43, eu sou o primeiro, ele o segundo. 3 mil gols na carreira, 104 títulos...”

“Falei: 'Ah, não é, o melhor sou eu'. O segundo? Sou eu. O terceiro, fica entre ele e o Ricardinho, português”, completou Falcão.