<
>

OPINIÃO: Seleção brasileira não merece Ancelotti, nem Abel Ferreira

Carlo Ancelotti, técnico do Real Madrid, e Abel Ferreira, treinador do Palmeiras EFE | Gazeta Press

A CBF tem agora um presidente interino. A Justiça determinou uma nova eleição em até 30 dias. Cartolas banidos por corrupção ameaçam voltar a mandar no futebol brasileiro.

Ednaldo Rodrigues foi tirado do cargo. Ainda pode recorrer, mas pode mesmo perder o poder. Este é o cenário atual da entidade que administra a seleção brasileira.

A única seleção cinco vezes campeã mundial tem seus atrativos, mas o fato é que não merece ter Carlo Ancelotti, o treinador que Ednaldo bancava como próximo comandante do Brasil.

Se já havia dúvidas se Ancelotti aceitaria mesmo o convite da CBF, agora seria possível classificar como total insanidade o italiano fazer isso, ainda mais com o Real Madrid, o maior clube do mundo, dando sinais que deseja sua permanência.

Sem o italiano, e com Fernando Diniz sem embalar, Ednaldo ou quem seja o próximo presidente terá que correr atrás de um novo treinador para a seleção, com campanha vergonhosa nas eliminatórias e em um grupo complicado na Copa América de 2024.

A escolha mais óbvia está empregada a pouco mais de 400 km da sede da CBF: Abel Ferreira. Mas, assim como a seleção não merece Ancelotti, também não merece o português multicampeão com o Palmeiras.

Seleção tem uma rotina de vida muito mais tranquila, como Abel desejaria pela sua família.

Só que Abel viveria um ambiente bagunçado, com pessoas que não poderá confiar e ainda, caso os banidos voltem a mandar, conviver com gente nada decente.

Seria um péssimo negócio para Abel trocar o Palmeiras pela seleção brasileira.