<
>

'Paredão' de R$ 306 milhões da Nations League já penou com abandono, rebaixamento e jogo com 8 em campo

play
Que isso? Renan Lodi e Oblak se estranham depois de escanteio em Elche x Atlético de Madrid; VEJA (0:11)

O goleiro criticou um lance e o brasileiro não gostou da abordagem; Suárez, Koke, Griezmann e Carrasco precisaram separar a 'briga' (0:11)

Conheça a história de Jan Oblak, goleiro do Atlético de Madrid e da Eslovênia


Considerado um dos melhores goleiro europeus, Jan Oblak é o principal destaque da Eslovênia para segurar a Suécia pela Uefa Nations League, nesta quinta-feira (02), às 15h45 (de Brasília), com transmissão ao vivo pelo Star+.

Campeão de LaLiga e da Europa League pelo Atlético de Madrid, o paredão de Diego Simeone sofreu com situações impensáveis para um jogador que está no topo do futebol.

Ele começou sua carreira profissional de forma precoce: aos 16 anos já jogava no Olimpija Ljubljana, da Eslovênia. Depois de uma temporada, o camisa 1 despertou interesse do agente Jorge Mendes - que cuida de vários atletas famosos, incluindo Cristiano Ronaldo - que o levou ao Benfica no ano seguinte.

Para ganhar mais experiência, foi emprestado a diversos clubes pequenos do Campeonato Português. O primeiro deles foi o Beira-Mar, no qual não teve muitas oportunidades e permaneceu na reserva do experiente Rui Rêgo.

"Ele sempre teve qualidade e chegou muito novo. O [treinador] Leonardo Jardim estava doido para colocar o Oblak de titular com 17 anos. Sempre mostrou ser bom e tinha personalidade e agora está por aí. Mesmo garoto, já parecia um veterano", disse o zagueiro Kanu, que atuou com o esloveno em Portugal, ao ESPN.com.br.

"Fico feliz de ver onde ele está, é um moleque que trabalha muito. Quando chegou lá só conversava em inglês com a gente, mas em três meses já estava falando um português bom. É um cara calmo e seguro. Passa tranquilidade e é um goleiro completo. Mesmo se você recua a bola ele não se embaralha. Eu tinha certeza que ia ser um grande goleiro", disse o brasileiro.

Apesar do potencial, o arqueiro fez apenas duas partidas pela Taça de Portugal: um empate por 1 a 1 com o Mirandela (vaga conquistada nos pênaltis por 4 a 2); e uma derrota por 2 a 0 para a Acadêmica de Coimbra.

Depois disso, ainda passou pelo Olhanense e na temporada de 2011/2012 acabou rebaixado para a segunda divisão portuguesa com o União de Leiria, que terminou na lanterna da competição - o clube passava por grave crise financeira e sofreu uma debandada no elenco por causa de cinco meses de salários atrasados.

"Ele era um menino ainda. Um grande jogador, tinha muita margem para crescer como goleiro, mas já chamava atenção nos treinos pela qualidade e a forma de jogar. É uma boa pessoa, um rapaz bem quieto. Às vezes eu dava carona no meu carro, mas ele falava bem pouco (risos). Era sempre muito educado e tranquilo. Já mostrava que poderia ser um dos melhores do mundo", relatou Bruno Moraes, ex-colega de Oblak no Leiria.

Na penúltima rodada, 16 jogadores pediram demissão. Na despedida da competição, apenas oito atletas, incluindo Oblak, entraram em campo e lutaram para não serem humilhados. Com todas as adversidades, levaram apenas 4 a 0 do Feirense.

A redenção viria no campeonato seguinte, quando o arqueiro ajudou a levar o Rio Ave ao sexto lugar, antes de retornar ao Estádio da Luz.

"Só faltava uma oportunidade que o Benfica o deu depois. Agora, está jogando todo ano Liga dos Campeões em alto nível. É uma pessoa que merece pela postura e pelo caráter. Fico feliz porque é um cara de uma qualidade acima da média", disse Moraes.

O esloveno só foi ganhar uma chance no Benfica na temporada 2013/2014, quando se revezou com o brasileiro Arthur Moraes (ex-Cruzeiro) como titular. Ele estava em campo na derrota para o Sevilla nos pênaltis na decisão da Liga Europa e faturou o Campeonato Português, a Taça de Portugal e a Taça da Liga.

Com as boas atuações, ficou valorizado e foi adquirido pelo Atlético de Madri por 16 milhões de euros, um valor recorde para goleiros na história do Campeonato Espanhol à época. Além disso, chegou com a difícil missão de substituir Thibaut Courtois, que havia retornado ao Chelsea.

Como ainda tinha atuações irregulares, Oblak perdeu a vaga para Miguel Angel Moya. Aos poucos, foi derrotando a insegurança, recuperou a posição e se firmou como um dos pilares defensivos dos colchoneros. Desde então, teve grandes atuações na campanha do vice-campeonato da Champions League, além de ter faturado LaLiga, Europa League e Supercopa de Espanha.

Avaliado em 60 milhões de euros (R$ 306 milhões), segundo o Transfermarkt, seu nome é sempre especulado em outras grandes equipes da Europa, mas o Atlético de Madrid não quer liberar o paredão.