<
>

São Paulo: acusação de agressão e tentativa de cancelamento antecedem Assembleia e agitam bastidores

play
Simplício abre o jogo sobre confusão com Diego em São Paulo x Santos: 'Nem sei o que me deu na hora' (2:04)

Fábio Simplício é o convidado do Resenha ESPN desta semana (2:04)

Bastidores políticos do São Paulo ganharam novos capítulos quentes antes de nova Assembleia


Os bastidores políticos do São Paulo seguem fervendo às vésperas da Assembleia Extraordinária que definirá a reforma estatutária do clube. O conselheiro Denis Ormrod entrou com um pedido na 3ª Vara Cível do Foro Regional do Butantã para suspender a votação com os sócios marcada para o próximo domingo, alegando que o atual estatuto não permite duas formas de voto, como está previsto para acontecer.

A oposição, liderada por Denis Ormrod, justificou o pedido com os artigos 39 e 49 do estatuto, que diz que uma votação deve ser realizada de maneira manual ou eletrônica. No caso, o requerente defendia a votação eletrônica para afastar qualquer risco de fraude na apuração, mas a juíza responsável pelo caso indeferiu o requerimento, entendendo que a votação em formato híbrido não terá qualquer interferência no resultado final da Assembleia.

Denis Ormrod é um dos principais desafetos da atual gestão, liderada pelo presidente Julio Casares. O conselheiro foi acusado de agressão contra mulher no fim de 2020 após um desentendimento com Antônio Luiz Belardo e Edna Belardo antes das eleições presidenciais e do Conselho Deliberativo do São Paulo. A confusão, mostrada por vídeo obtido pela reportagem, rendeu a ele uma suspensão de 17 dias, aprovada pela Comissão de Ética do clube, mas Ormord voltou a fazer parte do órgão ao obter uma liminar na Justiça.

A reportagem entrou em contato com Denis Ormrod, que fez questão de se defender sobre as acusações.

“Pegaram esse vídeo e criaram uma coisa que não existe. É tudo montado. Não existe prova alguma. Nessa perícia que foi feita contra esse casal, a única coisa que aparece é ela enfiando a mão no meu pescoço. Eu tenho experts do meu lado, que, de cara, falaram: ‘Pô, eles são burros, porque o Denis nem se dirige a ela’. Ela que entrou na frente. Quando a vi na minha frente, porque na hora não a vi, eu virei as costas e me afastei”, disse Denis Ormrod à Gazeta Esportiva.

Nas últimas eleições, Denis Ormrod apoiou a candidatura de Roberto Natel à presidência e de Marcelo Marcucci Portugal Gouvêa à presidência do Conselho Deliberativo. Agora, o conselheiro da oposição tentou impedir a Assembleia Extraordinária que votará mudanças como a possibilidade de reeleição presidencial, valendo já a partir deste mandato, a ampliação do mandato dos conselheiros para seis anos, além da redução do quadro de conselheiros, entre outras questões.

“Essa mudança de estatuto é pra beneficiar o grupo e as pessoas que estão no poder. Não existe nada que ajude o São Paulo. O Julio [Casares] cansou de falar isso. Hoje falei no whatsapp dos conselheiros que o Julio jurou que era contra isso. Aí veio o Douglas Schwartzmann e falou que fizeram ele [Julio Casares] mudar de ideia. Ele, como presidente, devia ter postura de presidente, não mudar de ideia. Ele não tem postura pra ser presidente do São Paulo”, concluiu.

Essa é a terceira vez que a oposição tenta impedir a realização da Assembleia Extraordinária para a reforma do estatuto do São Paulo. Os outros dois pedidos também foram indeferidos pela Justiça.

Além de Denis Ormrod, Pedro Baggio, ligado ao antigo candidato à presidência do São Paulo, Newton do Chapéu, foi outro conselheiro que assinou o requerimento. Newton, aliás, participa ativamente de campanhas contra a situação mesmo não fazendo mais parte do Conselho Deliberativo.