<
>

Andrés revela quanto ainda falta para Corinthians quitar estádio e crava: 'Paga com o pé nas costas'

play
Valdivia defende Abel de críticas no Palmeiras e dispara contra imprensa: 'Se fosse de Corinthians ou Flamengo, seria o mais p* do Brasil' (1:25)

Ex-meia do Alviverde falou com exclusividade ao ESPN.com.br | Final da Libertadores neste sábado (27) terá transmissão do FOX Sports e também pela ESPN no Star+ (1:25)

Ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanchez comparou situação da equipe com as de Palmeiras e Flamengo com relação ao estádio


Desde 2014, o Corinthians deixou de jogar no Pacaembu para atuar em sua casa: a Neo Química Arena. No entanto, o estádio em Itaquera sempre foi o calcanhar de Aquiles das últimas diretorias por conta da enorme dívida a ser paga.

Andrés Sanchez foi um dos principais mentores do estádio que deixa qualquer corintiano com a pulga atrás da orelha por conta da renda das partida ser integralmente direcionada para quitar o débito. Durante o Bolívia Talk Show, do canal Camisa 21, no Youtube, o ex-presidente abriu o jogo sobre a atual situação do estádio.

Questionado sobre como anda o pagamento da dívida, Andrés não ficou em cima do muro. Admitiu que a Neo Química Arena é 'uma pandemia desde 2014' para o clube, pois, ao contrário dos demais times que ficaram sem bilheteria desde a partir de março de 2020 até os últimos meses, o Corinthians não arrecada desde 2014. No entanto, ele vê uma perspectiva de melhora, revelou quanto falta para pagar e foi para lá de otimista: o valor será quitado com o pé nas costas.

"Não posso falar os números. Custou R$ 965 milhões, com juros e tudo. Pagamos quase R$ 200 milhões. Fizemos acordo com a Caixa, naming rights, demos para a Caixa. A gente deve R$ 269 milhões. São 17 prestações de R$ 38 milhões. Não era R$ 2 bilhões? Botaram R$ 3 bilhões. Eu desmentido e não adianta. O que eu posso fazer? Tirando a torcida, será o maior patrimônio do clube", afirmou Andrés.

"Quando tiver tudo acertado, que já está. Duilio fez a conta que está entrando dinheiro da renda. Foram sete anos sem entrar renda. Dá mais ou menos R$ 600 milhões de arrecadação. Imagina se tivesse entrado (dinheiro). Esquece a pandemia. Sentimos nada, não entrava. Pandemia começou em maio de 2014 quando inaugurou o estádio", completou.

"O estádio está pago! R$ 269 milhões paga com o pé nas costas!", finalizou.

play
1:25

Valdivia defende Abel de críticas no Palmeiras e dispara contra imprensa: 'Se fosse de Corinthians ou Flamengo, seria o mais p* do Brasil'

Ex-meia do Alviverde falou com exclusividade ao ESPN.com.br | Final da Libertadores neste sábado (27) terá transmissão do FOX Sports e também pela ESPN no Star+

Andrés ainda comparou a situação com o Palmeiras, por exemplo. Segundo ele, não dá para cravar nem que o Flamengo conseguiria sobreviver sem dinheiro de bilheteria por tanto tempo.

"Sete anos sem receita da Arena. Flamengo ficou sem receita e fechou com R$ 80 milhões de déficit, isso que não olham direito o balanço. Palmeiras fechou com R$ 170 milhoes de déficit. Imagina esses times setes anos sem receita de estádio. Aguentaria o que o Corinthians aguentou? Talvez o Flamengo", disparou Andrés, para encerar.

"Foram sete anos sem receita da Arena, contratando jogador, sendo campeão. Quem foi mais campeão do Brasil? Minha filha perturba se fica sem ganhar. Não sabe o que é ficar 30 anos sem ganhar. Eles querem o Messi todo jogo. E quem reclama nem é sócio", finalizou.