<
>

Richarlison revela perda marcante e faz apelo por vacinação: 'Se influenciar uma pessoa, já me sentirei vitorioso'

Atacante falou sobre a importância da vacinação em meio à grave pandemia da COVID-19 e lembrou do seu papel como jogador de futebol na conscientização de todos


Atacante do Everton e da seleção brasileira, Richarlison veio a público nesta quinta-feira (4) não para falar sobre futebol, mas para ressaltar a importância da vacinação contra COVID-19. À "The Players' Tribune', o jogador, que sempre abraçou causas importantes na sociedade, fez apelo àqueles que ainda não se vacinaram.

Pelo Everton, Richarlison volta a campo neste domingo (7), às 11h (de Brasília), para confronto no Goodison Park contra o Tottenham, pela Premier League, e com transmissão AO VIVO e exclusivo pela ESPN no Star+.

"Senti que era necessário passar essa mensagem ao saber que muitas pessoas ainda não se vacinaram. Não por falta de imunizantes nem por atraso na entrega das vacinas, mas por escolha própria. E isso me deixa preocupado. De verdade", começou por dizer.

Richarlison ainda opinou sobre as notícias falsas, as chamadas "fake news", que têm sido um verdadeiro obstáculo no Brasil em meio à pandemia, fazendo com que muitas pessoas decidam não se vacinar contra a doença, que ataca o país desde 2020. Ele ainda lembrou que, na Europa, pessoas que inicialmente não queriam se vacinar mudaram de ideia ao perceberem a que vacina é de fato confiável.

"Infelizmente, a maioria dessas pessoas tem sido influenciada por informações falsas e teorias da conspiração que geral compartilha nas redes sociais, sem imaginar o estrago que pode causar na saúde de toda a população. Como pessoa pública, me vejo na obrigação de dividir com vocês alguns dados de fontes realmente confiáveis, que podem te fazer rever seus conceitos sobre as vacinas"

"Aqui na Europa também tivemos pessoas que estavam com medo de se imunizar, mas a maioria delas logo percebeu que essa era a melhor saída. Os estudos mostram que, atualmente, a maioria dos pacientes que sofrem complicações ou acabam morrendo ainda não tinha se vacinado. É verdade que nenhuma vacina tem 100% de eficácia, mas seus efeitos no controle da pandemia são inquestionáveis. Os dados não mentem", prosseguiu.

O atleta ainda lembrou que, como parte de todo o seu engajamento no combate à pandemia da COVID-19, se tornou embaixador do USP Vida, um programa da Universidade de São Paulo que já arrecadou quase R$ 20 milhões em doações para pesquisas e projetos científicos, que não se limitam apenas à vacinação.

"Quando recebi o convite para ser embaixador do programa, eu me senti honrado. Entendi que a minha plataforma no futebol é um meio para que muita gente compreenda a importância da ciência em nossas vidas", disse.

Richarlison também falou de uma perda marcante que teve por conta da pandemia. Sebastião José da Silva, o Tião Borboleta, seu primeiro treinador em Nova Venécia, no Espírito Santo, sua terra natal. Foi ele quem descobriu o potencial no atacante, ainda jovem. Tião, infelizmente, contraiu o vírus e foi uma das mais de 600 mil vidas perdidas neste período. E o jogador lamentou.

"No interior do Espírito Santo, eu dei meus primeiros passos com a bola num campo chamado Penicão, por volta dos 10 anos de idade. Eu não temia os moleques maiores, partia pra cima de qualquer marcador. E o Borboleta falava que eu tinha mentalidade de adulto, sempre me encorajava. Fiquei muito triste quando soube da sua morte. Ele já era um senhor... Não resistiu à doença", lamentou o atacante.

Por último, o atacante dos Toffees ainda falou do seu papel em meio à esta grave pandemia e disse.

"Sei que muitos se preservam, já que as redes sociais se tornaram um ambiente pesado e uma terra sem lei mesmo, com os haters e todas as pessoas ruins que estão ali. Você posta alguma informação que pode ser útil e já começam os comentários do tipo “quem não lacra, não lucra” — sendo que toda vez que falamos algo nesse sentido perdemos um monte de seguidor, recebemos comentários de gente que acha que estamos falando para atacar algum político, alguma outra pessoa ou algum outro time"

"Mas eu não me importo, ainda mais quando existem vidas em jogo. Isso não é brincadeira. Se eu conseguir influenciar uma pessoa a se vacinar, já me sentirei vitorioso por tudo que tentei fazer nesse período. É uma vida que será salva dessa doença e várias outras ao redor que também se beneficiarão", finalizou.